A filosofia do primeiro romantismo alemão: a questão do fragmento

Cláudia Franco Souza

Resumo


Resumo: O primeiro romantismo alemão rompe com o racionalismo exacerbado, cultivado pela história da filosofia – a partir da filosofia platônica, a razão passa a ser cada vez mais valorizada –, e mostra que a filosofia é sempre um exercício de pensamento, um laboratório de experimentação. A partir desse movimento, o homem se encontrará mergulhado em incertezas e amparado apenas por fragmentos filosóficos. Ao fazer filosofia através de fragmentos, os primeiros românticos alemães estão apontando para este importante fato ontológico: enquanto sujeitos de um discurso, somos movimento, somos fragmentários, descontínuos e não lineares. Há um claro diálogo com a filosofia racional iluminista, mas para além deste ponto, o primeiro romantismo alemão vai significar um marco importante na história da filosofia ocidental com desdobramento nas mais diversas áreas.

Palavras-chave: Romantismo; Fragmento; Filosofia.

 

Resumen: Las primeras rupturas romanticismo alemán con el racionalismo exagerado, cultivada por la historia de la filosofía – a partir de la filosofía platónica la razón se vuelve cada vez más valorado –, y demuestra que la filosofía es siempre un ejercicio de pensamiento, un laboratorio de pruebas. A partir de este movimiento, el hombre se encontrará inmerso en la incertidumbre y compatibles sólo con fragmentos filosóficos. Es precisamente a partir de fragmentos que la filosofía del primer romanticismo alemán se construye. Al hacer filosofía a través de los primeros fragmentos románticos alemanes están apuntando a este hecho ontológico importante: como sujetos de un discurso, somos movimiento, somos fragmentos, discontinuos y no lineares. Hay un diálogo claro con la filosofía de la Ilustración racional, pero más allá de este punto, el primer romanticismo alemán será un hito importante en la historia de la filosofía occidental con el desplazamiento en varias áreas.

Palabras clave: Romanticismo; Fragmento; Filosofía.

 

Abstract: The first German Romanticism breaks with the exaggerated rationalism, cultivated by the history of philosophy – from the Platonic philosophy the reason becomes increasingly valued – and shows that philosophy is always an exercise in thought, a testing laboratory. From this movement  man will find himself immersed in uncertainty and supported only by philosophical fragments. It is precisely from fragments that the philosophy of the first German Romanticism is built. By doing philosophy through fragments, the first German romantic fragments are pointing to this important ontological fact: as subjects of a discourse, we are moving, we are fragmented, discontinuous and not linear. There is a clear dialogue with Enlightenment's rational philosophy, but beyond this point, the first German Romanticism will be an important milestone in the history of Western philosophy, unfolding in several areas.

Keywords: Romanticism; Fragment; Philosophy.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max (1985). Dialética do esclarecimento. Tradução de Guido de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

FICHTE, Johann G. (1980). A doutrina-da-ciência e outros escritos. Tradução e organização de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Editora Abril.

NOVALIS, Friedrich von Hardenberg (2001). Polén – Fragmentos, diálogos, monólogo. Tradução, apresentação e notas de Rubens Rodrigues Torre Filho. São Paulo: Iluminuras.

PESSOA, Fernando. Espólio. Biblioteca Nacional de Portugal.

______. (1995). Poesias. Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor. Lisboa: Ática.

SCHLEGEL, August (2014). Doutrina da arte – Cursos sobre literatura bela e arte. Apresentação, tradução e notas de Marco Aurélio Werler. São Paulo: Edusp.

SCHLEGEL, Friedrich (1997). O dialeto dos fragmentos. Tradução de Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras.

SOUZA, Cláudia; SUZUKI, Márcio (2015). “Novalis e Pessoa: lucidez poética e reflexão onírica”. Revista Filosófica de Coimbra, v.23, pp.9-26.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.





ISSN: 2316-1620

__________________________________________________________________________________________________

INDEXADORES e DIRETÓRIOS

                                                          

 
__________________________________________________________________________________________________
NAS  REDES  SOCIAIS:
 
       
__________________________________________________________________________________________________ 
ciências humanas e sociais