Enfrentamento à violência doméstica contra a mulher: o exercício experimental da arte como exercício experimental da liberdade

Rosemery Casoli

Resumo


O presente artigo tem a proposta de trazer a arte como enfrentamento e problematização à violência doméstica contra a mulher, num contexto voltado ao entendimento do que pode a arte como caminho de fortalecimento da mulher que sofre violências. Trabalhamos aqui com o conceito de corpo transgressor feminino, não como subversão da ordem, mas como recomeço, e num primeiro momento, o reconhecimento da mulher como vítima e não a responsável pelas agressões vivenciadas e, com isso, ajudá-la a ser capaz de romper com o processo da violência em curso. Fazemos um diálogo com Foucault e Simone de Beauvoir. Seguimos as pistas indiciárias e chegamos às narrativas de vida, baseando-nos em Ginzburg e Ferrarotti, cujas narrativas nos dão mais do que meras informações, elas nos mostram onde a violência doméstica realmente dói, que seja, o interior do sujeito mulher.

Palavras-chave: Arte; Violência Doméstica; Mulher; Transgressão.


Resumen

El presente artículo tiene la propuesta de traer el arte como enfrentamiento y problematización a la violencia doméstica contra la mujer, en un contexto volcado al entendimiento de lo que puede el arte como camino de fortalecimiento de la mujer que sufre violencias. Trabajamos aquí con el concepto de cuerpo transgresor femenino, no como subversión del orden, sino como recomienzo, y en un primer momento, el reconocimiento de la mujer como víctima y no la responsable de las agresiones vivenciadas, y con ello, ayudarla a ser capaz de romper con el proceso de la violencia en curso. Hacemos un diálogo con Foucault, y Simone de Beauvoir. Seguimos las pistas indicias y llegamos a las narrativas de vida, basándonos en Ginzburg y Ferrarotti, cuyas narraciones nos dan más que meras informaciones, ellas nos muestran donde la violencia doméstica realmente duele, que sea, el interior del sujeto mujer.

Palabras clave: Arte; Violencia Doméstica; Mujer; Transgresión.


Abstract

The present article has the proposal of bringing art as a confrontation and problematization to domestic violence against women, in a context aimed at understanding what art can do as a way to strengthen women who suffer violence. We work here with the concept of a female transgressor body, not as subversion of order, but as a resumption, and in a first moment, the recognition of the woman as a victim and not the one responsible for the aggressions experienced, and with that, help her to be able to break with the ongoing violence process. We have a dialogue with Foucault, and Simone de Beauvoir. We follow the clues and come to the narratives of life, based on Ginzburg and Ferrarotti, whose narratives give us more than mere information, they show us where domestic violence really hurts, that is, the interior of the female subject.

Keywords: Art; Domestic Violence; Woman; Transgression.


Texto completo:

PDF

Referências


AGNATI, Tiziana. (2000). Sguardo di donna. Art Dossier. Firenze, n.153, pp. 19-31.

BEAUVOIR, Simone de (1970). O segundo sexo: I fatos e mitos. 4ª ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A. & FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde. Depart. de Recursos Humanos da Saúde/Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional, 1988, 17-34.

FOUCAULT, Michel (1997). Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20ª Edição. Petrópolis: Vozes.

GINZBURG, Carlo (1989). “Sinais: raízes de um paradigma indiciário” In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras.

IPEA; FBSP. Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro, junho de 2017. Disponível em:

IPEA; FBSP. Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro, junho de 2018. Disponível em:

KRAMER, Sônia (2004). “Professoras de educação infantil e mudança: reflexões a partir de Bakhtin”. Revista Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, maio-ago.

MULLER, Jean B. (1991). A mulher a procura de si mesma. Rio de Janeiro: Ed. Rosa dos Tempos.

PIRES, Rosely S. e RODRIGUES, Márcia B. F. (2016). “Paradigma indiciário como possibilidade de leitura: a lógica perversa na política”. Revista Educação & Linguagem, ano 3, n. 1, junho.

TERRA, Maria F.; OLIVEIRA, Ana F. P. L. & SCHRAIBER, Lilia B. (2015). “Medo e vergonha como barreiras para superar a violência doméstica de gênero”. Athenea Digital, 15 (3), 109-125. Disponível:

Sites de Pesquisa

- Acessado em: 05 de abril de 2019.

- Acessado em: 05 de abril de 2019.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_____________

ISSN: 2316-1620

_____________

QUALIS:

Interdisciplinar B2

Administração B3

História B3

Sociologia B4

Antropologia B4

Ciência Política B5

____________________________________________________________________________________________________

INDEXADORES e DIRETÓRIOS

                                                    

                                                        

                                                                                 

   ____________________________________________________________________________________________________
NAS REDES SOCIAIS:
 
       

____________________________________________________________________________________________________

ciências humanas e sociais