Cultura e política nos movimentos urbanos: do direito à cidade à interseccionalidade

Autores

  • Felipe Nunes Coelho Magalhães

Resumo

Uma das características marcantes da rodada de mobilizações no chamado novo ciclo de lutas na metrópole brasileira é a pujança de suas interfaces e encontros com a esfera da cultura, entendida de forma ampliada como modo de vida e produção simbólica. O artigo aborda este processo através duma leitura teórica acerca do direito à cidade em relação às transformações econômico-espaciais das últimas décadas na metrópole, em que a economia da cultura ganha proeminência em relação à um declínio relativo da industrialização. São problematizados também os sentidos diversos tanto da culturalização da política quanto da politização da esfera cultural, em análises que conduzem a uma interpretação da conjuntura atual a partir de uma redefinição das relações entre cultura, economia e política.

Referências

ALVAREZ, Sonia; DAGNINO, E.; ESCOBAR, A. Introdução: o cultural e o político nos movimentos sociais latino-americanos. In: ALVAREZ, Sonia; DAGNINO, E.; ESCOBAR, A. Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.
ARANTES, Otília. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.
ARANTES, Pedro. A anti-reforma urbana brasileira e um novo ciclo de lutas nas cidades. In: SAMPAIO Jr., Plínio de Arruda (Org.). Jornadas de Junho: a revolta popular em debate. Rio de Janeiro: Instituto Caio Prado Jr., 2014.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.
_______. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo, Edusp, 2007.
BRENNER, Neil (org.). Implosions/explosions: towards a study of planetary urbanization. Berlin: Jovis, 2014.
CHOAY, Françoise. O urbanismo: utopias e realidades – uma antologia. São Paulo: Perspectiva, 1979.
GOLDMAN, Márcio. Políticas e subjetividades nos “novos movimentos culturais”. Ilha: Revista de Antropologia, v.9, n.1, 2, 2007.
GUATTARI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.
LEFEBVRE, Henri. La production de l’espace. Paris: Anthropos, 1974.
_______. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999 [1970].
_______. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2006 [1968].
MAGALHÃES, Felipe N.C. Produção do espaço na cidade do neoliberalismo e novas aberturas no espaço digital. In: COSTA, G.M. et al (orgs.) Teorias e práticas urbanas: condições para a sociedade urbana. Belo Horizonte, C/Arte, 2015.
_______. A dimensão simbólica na cidade neoliberal: notas sobre a construção de subjetividades na produção social do espaço do neoliberalismo. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 17 (1), p. 11-22, 2015b.
MARICATO, Ermínia. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO, Ermínia et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.
MONTE-MÓR, Roberto. Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: SANTOS, M. et al. (Org.). Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1994. p. 169-181.
SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
SINGER, André. Os sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
SMITH, Neil. Gentrification and the rent gap. In: Annals of the Association of American Geographers. 77 (3), p. 462-465, 1987.
SOJA, Edward. Postmetropolis: critical studies of cities and regions. Oxford: Blackwell, 2000.
SRNICEK, Nick. Platform Capitalism. Cambridge: Polity, 2016.
WILLIAMS, Raymond. Culture. Glasgow: Fontana, 1981.

Publicado

2019-12-06

Edição

Seção

GT-9: A produção do urbano: abordagens e métodos de análise