O SERTÃO EM ARTICULAÇÃO: PAPEIS E DETERMINAÇÕES URBANO-REGIONAIS A PARTIR DE UMA CIDADE DE COMANDO REGIONAL PIAUIENSE

  • Juscelino Gomes Lima IFPI

Resumo

O presente texto, analisa os papeis e determinações, que a cidade de Picos/PI, tem assumido, para fortes articulações e alcance de influências, em seu contexto regional de localização. Dois caminhos metodológicos, norteiam a construção da pesquisa: o primeiro, de base teórica, entre diferentes pensadores, na literatura urbano e regional. O segundo, de natureza quantitativa, por meio de diferentes dados, com destaque, para os estudos do IBGE: Gestão do Território – Fluxos e Redes (2014) e REGIC (2007). O papel assumido por Picos/PI, em seu território regional, tem sido de uma importante Área Urbana Funcional (FUA).  Tem determinado este fato, a constituição de um forte policentrismo, cujos aspectos marcantes são, os da morfologia e as relações entre àreas urbanas, via dinâmica de fluxos financeiros e populacionais, bem como, de interações espaciais, fatos que lhe posicionam como uma Cidade de Comando Regional Piauiense.

Palavras chave: Área Urbana Funcional. Policentrismo. Articulação. Picos.

Biografia do Autor

Juscelino Gomes Lima, IFPI

Geografo (UFPI)

Especialista em Turismio e Meio Ambiente (UECE)

Mestre em Geografia (UEVA)

Doutor em Desenvolvimento Regional (UNISC)

Referências

ANDRADE, A. C. de. As cidades médias e suas inserções nos espaços regionais: o contexto do Sul de Minas. Revista Territorium Terram, v. 5, p. 64-79, 2015.

ANTIKAINEN, Janne. The concept of Functional Urban Area: findings of the ESPON Project 1.1.1. Informationen zur Raumentwicklung. v. 7, p. 447-452, 2005.

BRASIL. MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação: Sinopse Estatística – 2018.< http://inep.gov.br/censo-escolar >. Acessado em 17 de março de 2019.

DÜHR, S. Potentials for Polycentric Development in Europe: the ESPON 1.1.1 Project Report. Planning Practice & Research, Abingdon: Carfax Publishing, v.20, n.2, , p. 235-239, 2005.

ESPON. Potentials for polycentric development in Europe – Final Report 1.1.1.European Spatial Planning Observation Network, Comissão Europeia, Bruxelas, 2005. <https://www.espon.eu/sites/default/files/attachments/fr-1.1.1_revised-full_0.pdf> . Acessado em 22 de fevereiro de 2019.

_____. The Functional Urban Areas Database – ESPON 2013, Database, 2011. < http://database.espon.eu/db2/jsf/DicoSpatialUnits/DicoSpatialUnits_onehtml/index.html> . Acessado em 22 de fevereiro de 2019.

FERRÃO, J. Regiões Funcionais, Relações urbano-rurais e Política de Coesão Pós-2013. Lisboa: ICS. Relatório Final. Julho, 2012. .<http://www.qren.pt/np4/np4/?newsId=1334&fileName=regioes_funcionais.pdf.>. Acessado em 15 de janeiro de 2019.

FREIRE, H. P.; HOLANDA, V. C. C. A expansão do ensino superior nas cidades médias do nordeste brasileiro. In: XVIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2016, São Luís. Anais do XVIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2016.

GREEN, N. Functional Polycentricity: a Formal Definition in Terms of Social Network Analysis. Urban Studies, Essex: Longman Group, v.44, n.11, p. 2077-2103, 2007.

IBGE. Regiões de Influências das Cidades. Rio de Janeiro: FIBGE. 2007.

_____. Centros de Gestão do Território. Rio de Janeiro: FIBGE. 2014.< https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv86286.pdf.>. Acessado em 15 de janeiro de 2019.

_____. Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros. Rio de Janeiro: FIBE, 2018. <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9109-projecao-dapopulacao.html?=&t=downloads. .> Acessado em 15 de janeiro de 2019.

KARLSSON, C.; OLSSON, M.. The indentification of funcional regions: theory, methods, and applications. Ann Reg Sci, nº 40, p.1-18, 2006.

LIMA, J. G. Território atrasado com estratégias de desenvolvimento regional recentes: evolução do planejamento territorial no estado do Piauí. In: COSTA, R. S. S. (Org.). Cenários geográficos e suas complexidades. Teresina: IFPI, 215 p, 2017.

LIMA, J. G.; SILVEIRA, R. L. L da. Cidades Médias Brasileiras a Partir de um Novo Olhar Denominal e Conceitual: Cidades de Comando Regional. Desenvolvimento em Questão. n. 42, p. 8-41, 2018.

NUNES, G.; MOTA, I.; CAMPOS, P. Policentrismo Funcional: uma Avaliação dos Municípios Portugueses. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, n.º 29, p. 27-38, 2012.

OLIVEIRA, A. T. R. de. Dos movimentos de população à pendularidade: uma revisão do fenômeno migratório no brasil. Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais - desafios e oportunidades do crescimento zero. ABEP: Caxambu, 2006.

OLIVEIRA, H. C. M. de; SOARES, B. R. Cidade média: apontamentos metodológicos e tipologia. Revista Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 15, n. 52, p. 119-133, 2014.

PESSOA, R. P. P. Urban Synergy looking for Dealing with Polycentric Development: The Case of the Metropolitan Agglomeration of Fortaleza. Dissertacao de Mestrado. Programa de Pós Graduacao em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Técnica de Delft, Delft, 151 p, 2010.

SILVEIRA, R. L. L.; BRANDT, G. B., FACCIN, C. R. , SILVEIRA, L. L., KUMMER, D. C. . Policentrismo, Áreas Urbanas Funcionais (FUAs) e Dinâmica Territorial: Um estudo exploratório desde a região do Vale do Rio Pardo - RS - Brasil. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, v. 22, p. 184-217, 2017.

Publicado
2019-11-29
Seção
GT-3: Cidades médias e reestruturação urbana: tendências empíricas e desafios teóricos