DA LAMA AO CAOS, DO CAOS À LAMA: CULTURA CAIÇARA E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM SANTOS - SP

Resumo

O presente artigo tem como objetivos discutir os conflitos socioambientais que atingem a comunidade caiçara da Ilha Diana, compreender o histórico de formação da comunidade e analisar como isso esteve relacionado às práticas culturais de origem caiçara. Assim, a metodologia adotada se baseou em levantamento bibliográfico sobre os conflitos socioambientais na região ou envolvendo populações caiçaras, e a realização de trabalhos de campo, em que foram feitas entrevistas com os moradores locais, confecção de séries fotográficas e mapeamentos. Com a pesquisa, identificamos que os principais conflitos são causados pela expansão da atividade portuária sobre áreas de pesca, colocando territórios em disputa. Como resposta da comunidade a esses conflitos, emergem maneiras pelas quais ocorre uma ressignificação da cultura caiçara.

Biografia do Autor

Dorival Bonfá Neto, Universidade de São Paulo
Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo. Mestrando pelo Programa de Integração da América Latina (PROLAM - USP). Atua como docente de Geografia no ensino básico estadual público e privado. Possui ênfase nas áreas de Geografia Agrária, Geografia Cultural, Comunidades tradicionais e Conflitos socioambientais.

Referências

ADAMS, Cristina. Caiçaras na mata atlântica, Pesquisa científica versus planejamento e gestão ambiental. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2000.

BRASIL, Constituição (1988). Decreto nº 6040 de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos povos e comunidades tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em 14/02/2017.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 11 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010, 335 p.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant’Ana. Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar. São Paulo: Ática, 1983, 287 p.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant’Ana; ARRUDA, Rinaldo Sérgio Vieira. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. São Paulo/Brasília: Ministério do Meio Ambiente/USP, 2001, 176p.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Ideologias geográficas: Espaço, Cultura e Política no Brasil. 5ed. São Paulo: Annablume, 2005, 156p.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Notas sobre formação territorial e políticas ambientais no Brasil. Revista território. Ano IV, nº7, p.43-50, jul/dez. 1999.

PORTO GONÇALVES, Carlos Walter. Da geografia às geo-grafias: um mundo em busca de novas territorialidades. In.: La Guerra Infinita: Hegemonia y terror mundial. Buenos Aires: CLACSO, 2002, p.217-256. Disponível em: <http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/gt/20101018013328/11porto.pdf> Acesso em: 16/02/2016.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: T.A. Queiroz, 1991.

ROMANI, Carlo. Comunidades caiçaras e expansão portuária em Santos - uma Análise histórica do conflito. Revista Científica Integrada. v.1, n.1, sem paginação. UNAERP: Campus Guarujá. 2010. Disponível em: <http://www.unaerp.br/revista-cientifica-integrada/edicoes-anteriores/edicao-n-1-2014/1453-126-400-1-sm/file> Acesso em: 16/01/2017.

ROMANI, Carlo. O discurso cultural e ambientalista das comunidades de pescadores caiçaras na luta pela terra: uma análise histórica do conflito ambiental no canal de Bertioga, na Baixada Santista. História oral. v.14, n.2 e v.15, n.1, p.35-66, jul.-dez. 2011/jan.-jun. 2012.

SÃO PAULO (ESTADO), Secretaria do Meio Ambiente. ZEE Baixada Santista [recurso eletrônico]: zoneamento ecológico-econômico – setor costeiro da Baixada Santista. Coordenadoria de Planejamento de São Paulo, 2013. Disponível em: < http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cpla/2011/05/ZEE_PUBLICACAO.pdf> Acesso em: 16/03/2019.

SILVA, Catia Antonia da. Política pública e território; Passado e presente na efetivação de direitos dos pescadores artesanais no Brasil. Rio de Janeiro: Consequência, 2015. 115p.

SUZUKI, Júlio César. Por outro desenvolvimento territorial e ambiental em comunidades tradicionais do estado de São Paulo. Revista tocantinense de geografia, Araguaína-TO, pagina 1-17, ano 6, nº10, maio-agosto de 2017.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-17: Geografia e Apropriação Urbana: Ensino de Cidade e das Comunidades Tradicionais