PROPOSTA METODOLÓGICA DE ESCOLHA DE UM BAIRRO PARA A REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE CAMPO SOBRE MIGRAÇÃO

Resumo

As recentes teorias sobre os determinantes migratórios ampliaram o horizonte de pesquisa e os dados do questionário da Amostra do Censo não conseguem subsidiar análises mais aprofundadas para esse complexo fenômeno. Somente indo a campo o pesquisador consegue apreender aspectos e particularidades da migração. Assim, apresenta-se nesse trabalho uma metodologia para a escolha de um bairro para a realização de pesquisa de campo, em municípios com populações não muito pequenas. Ela pode ser útil caso o objetivo da pesquisa seja aprofundar o fenômeno migratório onde ele tem maior intensidade dentro de um município. Como exemplo, demonstrou-se como se elegeu o bairro Planalto, no município de Linhares-ES, utilizando os resultados da Amostra do Censo 2010, por área de ponderação, e a análise do crescimento da estrutura urbana e comparações de imagens de satélite.

Biografia do Autor

Claudeci Pereira Neto, Universidade Federal do Espírito Santo
Doutorando em Geografia na Universidade Federal do Espírito Santo

Referências

ASSIS, G. de O. “De Criciúma para o mundo”: gênero, família e migração. Campos, Curitiba, v. 3, 2003, p. 31-49.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRITO, F. R. A. de. As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2009. 20 p. (Textos para discussão 366).

D’ÁVILA NETO, M. I.; NAZARETH, J. Redes sociais na experiência de mulheres nordestinas. In: Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social, 15., 2009, Maceió. Anais eletrônicos... Disponível em: <http://abrapso.org.br/siteprincipal/index.php?option=com_content&task=view&id=350&Itemid=96>, acesso em: 10 jan. 2019.

DEKKER, R.; ENGBERSEN, G. How social media transform migrant networks and facilitate migration. Global Networks, v. 14, n. 4, 2014, p. 401-418.

ELIZAGA, J. C. Migrações internas: evolução recente e situação atual dos estudos. In: MOURA, H. A. de (Org.). Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980. p. 539-575.

GOOGLE. Google Earth. v.7.12.2041. 2013.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. 29. ed. Porto Alegre: L&PM, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: resultados gerais da amostra por áreas de ponderação. Disponível em: <https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/ censo2010/resultados_gerais_amostra_areas_ponderacao/default.shtm>, acesso: 03 jun. 2018.

______. Metodologia do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 712 p.

LEE, E. S. A theory on migration. Demography, Chicago, v. 3, n. 1, 1996, p. 47-57.

MOURA, H. A. de (Coord.). Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980.

PATARRA, N. L.; CUNHA, J. M. P. Migração: um tema complexo. Revista São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 1, n. 2, 1987, p. 32-35.

PEDONI, C. Cadenas y redes migratorias: propuesta metodológica para el análisis diacrónico-temporal de los procesos migratorios. Empiria, Espanha, n. 19, 2010, p. 101-132.

PERPETUA, G. M. Mobilidade espacial do capital e da força de trabalho: elementos para uma teorização geográfica a partir da matriz marxista. Revista Pegada, Presidente Prudente, v. 14, n. 1, 2013, p. 58-80.

PREFEITURA DE LINHARES. Secretaria Municipal de Planejamento. Layers da evolução urbana de Linhares em 2000 e 2011.

RODRÍGUEZ, M. X.; LOSADA, Á. Redes migratórias vs. redes económicas. Inserción sociolaboral y contribución de los Gallegos al desarrollo de México. Revista Galega de Economia, Galicia, n. 1-2, v. 14, 2005, p. 1-28.

RYAN, L. et al. Social Networks, Social Support and Social Capital: The Experiences of Recent Polish Migrants in London. Sociology, v. 42, n. 4, 2008, p. 672-690.

RYAN, L. Migrants’ social networks and weak ties: accessing resources and constructing relationships post-migration. The Sociological Review, v. 59, n. 4, 2011, p. 708-724.

SILVA, D. B. da. Um estudo de caso da migração baiana na RMGV – o fluxo migratório entre o distrito de Pimenta (Mascote-BA) e o bairro Jesus de Nazareth (Vitória-ES) a partir da década de 1980. 2016. 127 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

SILVA, Sidney A. Imigração e redes de acolhimento: o caso dos haitianos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Belo Horizonte, v. 34, n. 1, 2017, p. 99-117.

SINGER, Paul. Economia política da urbanização. 11. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

TRUZZI, O. Redes em processos migratórios. Tempo Social, USP, v. 20, n. 1, 2008, p. 199-218.

URIOS, A. S. Las redes migratorias y la intervención social: un estudio de caso de la comunidad ucraniana en la región de Murcia. Cuadernos de Trabajo Social, v. 23, 2010, p. 65-83.

Publicado
2019-12-02
Seção
GT-5: Mobilidade, migração e espaço urbano