PLANEJAR A ESCALA METROPOLITANA: O PARADIGMA CIDADE JARDIM NO REINO UNIDO (1898 - 1944)

Resumo

As formas de planejamento metropolitano de maneira recorrente se inserem na esfera das utopias. Das primeiras experiências, como o paradigma cidade-jardim às condicionantes que se apresentam hoje, tem sido alvo de diversas pesquisas e análises. Contudo, do ponto de vista historiográfico, método utilizado nesta pesquisa, a circulação de algumas ideias e conceitos não foi tão explorada, entre eles o que convencionamos denominar planejamento metropolitano. Assim, o metropolitano tem sido estudado sob seus aspectos econômicos, sociais, demográficos, ambientais, entre outros, entretanto, como a ideia de planejamento nesta escala circulou e foi incorporado aos estudos e legislação, permanece um caso a ser aprofundado. Neste texto o objetivo é relacionar dito recorte de planejamento, sua origem e relação com à cidade jardim, se atendo ao caso britânico.

Biografia do Autor

Julio Cesar Botega do Carmo, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
Geógrafo (UFPR) e Arquiteto-urbanista (UTFPR). Doutor em Arquitetura e Urbanismo (USP).

Referências

ABERCROMBIE, Patrick. Greater London Plan. Londres, His Majesty's Stationery Office, 1944.

ASCHER, François. Métapolis: acerca do futuro das cidades. Oeiras, Ed. Celta, 1998.

BENKO, Georges. A ciência regional. Portugal, Celta, 1998.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis, Vozes, 2004.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. Metrópoles: As faces do monstro Urbano (as cidades no século XIX). Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH. set./abr, 1984.

CABRAL, Diogo de Carvalho. Von Thünen e o abastecimento madeireiro de centros urbanos préindustriais. Revista Brasileira de Estudos de População, 28(2), 405-427, 2011. Disponível em

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010230982011000200010&lng=en&tlng=pt.10.1590/S0102-30982011000200010. Acesso em abril de 2015.

CALABI, Donatella. História do urbanismo europeu: questões, instrumentos, casos exemplares. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CATALÁ, Rafael García. Crecimiento Urbano y el Modelo de Ciudad. ACE: Arquitectura, Ciudad y Entorno [on-line]., Ano 4, núm. 12 Fevereiro. P. 159-167, 2010. Disponível em https://upcommons.upc.edu/bitstream/handle/2099/8557/ACE_12_SN_40.pdf?sequence=7 acesso em julho de 2015.

CIAM. Carta de Atenas. 1933. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Atenas%201933.pdf acesso em março de 2016.

ENGELS, Friedrich. A Grande Cidade. In: ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, p. 67-116, 2008

FREESTONE, Robert; HAMNETT, Sthefhen. (Eds). The Australian Metropolis. Sydney, Allen and Unwin, 2000.

GEDDES, Patrick. Cidades em Evolução. Campinas, Papirus, 1994.

GLEESON, Brendan; DARBAS, Tony; JOHNSON, Laurel; LAWSON, Suzanne. What is Metropolitan Planning?. Urban Policy Program Research Monograph 1 Julho, 2004. Disponível em https://www.griffith.edu.au/__data/assets/pdf_file/0011/48638/urp-rm01-gleeson-et-al-2004.pdf acesso em julho de 2015.

HOWARD, Ebenezer. To-Morrow: A Peaceful Path to Real Reform. Londres, Swan Sonnenschein & Co, 1898.

OSBORN, Frederick J. Introdução por Osborn, F. In: HOWARS, Ebenezer. Garden cities of Tomorrow. Londres, Faber & Faber. 1965, publicado originalmente em 1902.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Capitalismo e Urbanização. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1991.

UNWIN, Raymond. Nothing Gained by Overcrowding! How the Garden City Type of Development May Benefit Both Owner and Occupier. 1912. P. S. KING & SON, Orchard House, Westminster, the Garden Cities & Town Planning Association. Disponível em http://www.tcpa.org.uk/data/files/Nothing_Gained_By_Overcrowding.pdf acesso em julho de 2015.

Publicado
2019-12-06
Seção
GT-8: Geografia histórica urbana