“IÊ, VIVA A CAPOEIRA, CAMARÁ!”: Apropriação do território pela capoeira na cidade de Vitória – ES

  • Elvis Reis de Oliveira
  • Jaerle Rodrigues Campêlo

Resumo

Este trabalho objetiva refletir as relações que são estabelecidas entre a prática de seis grupos de capoeira da cidade de Vitória (Grupo Beribazu, Grupo Renascer, Grupo Herança Cultural, Grupo Sapeba Capoeira, Grupo Barravento e Grupo Volta ao Mundo) e o território por estes apropriados. A base para a investigação parte das narrativas dos respectivos mestres de cada grupo estudado. Entendemos que cada grupo de capoeira tem suas particularidades, a sua história, sua trajetória, tal como a história dos personagens do grupo que se configura na personificação dos mestres. Todos os grupos pesquisados carregam consigo uma característica em comum que é utilização de espaços públicos, ou seja, espaços de convívio coletivo para realização de suas atividades. A capoeira, praticada em Vitória, surge como uma alternativa de manifestação cultural que ocupa e ressignifica os lugares públicos da cidade.

Referências

ALMEIDA, J. A. de. A reflexividade nos discursos identitários da capoeira. 2008.148 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.

BREDA, O. A capoeira como prática educativa transformadora. Anais... 24 de agosto de 2010. Disponível em: <http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/educacao_fisica/0009.html>. Acesso em: 30 mar. 2018

CAMPOS, H. Á. Refletindo sobre o papel das representações nas territorialidades urbanas: o exemplo da área central do Recife. Espaço e Tempo. São Paulo. N° 11. Geousp, 2002. p. 35 - 50.

CLAVAL, P. Reflexões sobre a geografia cultural no Brasil. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, v.8, ago/dez. 1999. p. 7 - 28.

CORRÊA, A. Sobre a Geografia Cultural. Instituto Histórico Geográfico do Rio Grande do Sul. 2009.

CORRÊA, A. Territorialidade e corporação: um exemplo. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia A. de; SILVEIRA, Maria Laura (org.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/ANPUR, 1994. p. 213 - 220.

GOMES, P. C. da C. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2002.

GUIMARÃES, A. A.. Capoeira - a roda, o jogo, o ritual. In: BARRETO, M. A. S. C.; ANDRADE, P. G. R.;

CUNHA JR., H.A.; RODRIGUES, A.. (Org.). Africanidade(s) e Afrodescendencia(s). 1ed.Vitória: EDUFES, 2013, v. 1, p. 07-225.

HAESBAERT, R. O Mito da Desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HAESBAERT, R. Territórios alternativos. Niterói: EDUFF, São Paulo: Contexto, 2006.

HAESBAERT, R.; LIMONAD, E. O território em tempos de globalização. Etc: Espaço, Tempo e Crítica, Niterói, UFF, v. 1, n. 2, ago de 2007. p. 39 - 52.

LEPETIT, B. Por uma nova história urbana. Tradução Cely Arena. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

LIRA, J. R. de O. Migração e mobilidade na fronteira: concentração de imigrantes internacionais e formação de espaços de vida na Amazônia brasileira. 2017. 154 f. Tese (Doutorado) - Curso de Demografia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

MALDI, D. A questão da territorialidade na etnologia brasileira. In: Sociedade e Cultura. V.1, n.1, Jan/Jun, p.1-17. 1998.MASSEY, D. Pelo espaço. (Trad. Rogério Haesbaert) Rio de Janeiro: Bertrand, 2008. p. 1 - 17.

NICOLÁS, D. H. Tempo, espaço e apropriação social do território: rumo à fragmentação na mundialização. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia A. de; SILVEIRA, María Laura (Orgs.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 85 - 101.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. Tradução: Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993, 269p.

ROCHA, L. B.; A., M. G. Cultura, mundo-vivido e território. In:Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente, 2005, Londrina. Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina. p.1-13. 2005.

SACK, R. D. Human Territorility: it's teory and history. Cambridge: Cambridge University, 1986.

SANGUIN, A-L. La géographie politique. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.

SANTOS, J. L. dos. O que é Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2006.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: técnica, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

SANTOS, M. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M.. O retorno do território. SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia; SILVEIRA, María Laura. Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994.

SAQUET, M. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

SILVA, D. J. da. O olhar sobre a capoeira: um estudo dos filmes nacionais e internacionais. 2013. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação Física e Desportos.

SILVA, G. de O.; HEINE, V.. Capoeira: um instrumento psicomotor para a cidadania. São Paulo: Phorte, 2008. 191 p.

SILVA, V. P. Da. Apropriação do território e meio ambiente: uma leitura geográfica. GEOCONEXÕES, v. 2, p. 38-46, 2015.

TORRES, F. do C. Espaço Público: Apropriação e direito ao uso. A territorialidade das rodas de capoeira em Brasília (Distrito Federal), 263 p. Dissertação (Mestrado, Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Pós-Graduação em Geografia). Brasília, 2014.

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-10: Práticas culturais na produção da cidade