Impactos socioambientais em áreas de expansão urbana de Barreiras (BA): análises consolidadas

Resumo

A expansão das cidades em áreas não metropolitanas no Brasil, sobretudo, as cidades médias, tem colocado desafios para os estudiosos devido à complexidade das funções urbanas apresentadas. Este trabalho tem como objetivo refletir sobre os impactos socioambientais em áreas de expansão urbana, especificamente por meio da implantação de novos loteamentos, tomando como referência empírica a cidade de Barreiras, localizada no Território de Identidade da Bacia do Rio Grande. Para tanto, a metodologia consistiu no levantamento bibliográfico e empregou-se o método de CheckList na identificação dos impactos socioambientais nos meios físico, biótico e antrópico, sendo estes caracterizados por atividades de efeitos positivo e negativo. Portanto, os resultados possibilitaram compreender que a implantação desses empreendimentos imobiliários apresenta potenciais consequências negativas para à qualidade ambiental urbana.

Biografia do Autor

Paloma de Souza Nascimento, Universidade Federal do Oeste da Bahia
Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Oeste da Bahia. Licenciada em Geografia pela Universidade Federal do Oeste da Bahia.

Referências

BAQUERO, Andrés. Ciudades de hoy para um mañana mejor. Ecuador Terra Incognita, n. 100, Quito, 2016, p. 16 – 18.

BRASIL. República Federativa do, Resolução do CONAMA nº 01 de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambientais. Brasília: 1986.

CASSILHA, Gilda A; CASSILHA, Simone A. Planejamento urbano e meio ambiente. Curitiba: IESDE Brasil, 2012.

CORRÊA, Roberto Lobato. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, Maria Encarnação B. (org.). Cidades médias: espaços de transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 23 – 33.

HENRIQUE, Wendel. Diferença e repetições na produção do espaço urbano de cidades pequenas e médias. In: LOPES, Diva Maria Ferlin; HENRIQUE, Wendel (Org.). Cidades médias e pequenas: teorias, conceitos e estudo de caso. Salvador: SEI, 2010. pp. 45 – 78.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/>, acesso em: 22 de nov. 2018.

JAPIASSÚ, Luana Andressa Teixeira; LINS, Regina Dulce Barbosa. As diferentes formas de expansão urbana. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 02, n. 13, pp. 15-25, 2014.

MOTA, Suetônio. Urbanização e meio ambiente. Fortaleza: Abes, 2011.

OJIMA, Ricardo. Novos contornos do crescimento urbano Brasileiro? O conceito de urban sprawl e os desafios para o planejamento regional e ambiental. Geographia. Niterói, v. 10, n. 19, p. 46 -59, 2008.

PINTO, Eduardo da Silva. Os loteamentos urbanos e seus impactos ambientais e territoriais: o caso do loteamento Villaggio II na cidade de Bauru-SP. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, Tupã, v. 01, n. 03, pp. 95-135, 2013.

SILVA, Pollyana Ferreira da. Avaliação da expansão urbana de Barreiras-BA. 2016. Monografia (Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental). Barreiras: Universidade Federal do Oeste da Bahia, Barreiras, 2016, 95 p.

SPOSITO, Maria Encarnação B. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In: SPOSITO, Maria Encarnação B. (org.). Cidades médias: espaços de transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 233 – 253.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-15: Brasil Não-Metropolitano: Temporalidades e Espacialidades Urbanas