ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS E O CONTEXTO NEOLIBERAL: O CASO DO TETO

  • Marta Barbieri Machado Universidade Estadual de Campinas

Resumo

O presente trabalho visa discutir o papel das organizações do terceiro setor que propõem a transformação do espaço e se colocam como alternativa de desenvolvimento para áreas pobres e periféricas. Sendo assim, recairemos o olhar no caso da organização internacional TETO, que atua no Brasil desde 2007. Após apresentarmos o seu histórico e atuação, faremos uma análise do contexto neoliberal e do impulsionamento do terceiro setor no país a partir de 1990. Para tanto, utilizaremos seus documentos oficiais de prestação de contas e visitas a campo. Até essa etapa da pesquisa foi possível notar que as periferias tornam-se laboratório de intervenção dessas organizações, que por conta do discurso técnico, aparecem como especialistas na resolução dos problemas sociais.

Biografia do Autor

Marta Barbieri Machado, Universidade Estadual de Campinas
Mestranda do Programa de Pós Graduação em Sociologia da Universidade Estadual de Campinas (IFCH - Unicamp).

Referências

BERRÍOS, Felipe. Todo Comenzó en Curanilahue. Chile: Aguilar, 2006. (Versão traduzida do livro foi cedida por Bárbara Figueiredo).

CALIXTRE, André; FAGNANI, Eduardo. A política social nos limites do experimento desenvolvimentista (2003-2014). In: CARNEIRO, Ricardo; BALTAR, Paulo; SARTI, Fernando. Para além da política econômica. São Paulo: Unesp, 2018. p. 327-362

CARDOSO, Ruth. (1996). Fortalecimento da Sociedade Civil. Em Ioschpe, E. B. (Org.), 3º Setor: desenvolvimento social sustentável. São Paulo: Paz e Terra.

CARDOSO, Ruth. (2002). Prefácio. Em Ferrarezi, Elisabete (2002). OSCIP — Organização da Sociedade Civil de Interesse Público: a lei 9.790/99 como alternativa para o terceiro setor. Brasília: Comunidade Solidária. 2º Edição 116p.

COMBESSIE, Jean Claude. O método em sociologia: O que é, como se faz. São Paulo, SP: Loyola, 2004.

GOHN, Maria da Gloria Marcondes. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2. ed. São Paulo, SP: Cortez, [2005] 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2000 [1936].

LEGUIZAMÓN, Sonia A. Los discursos minimistas sobre las necesidades básicas y los umbrales de ciudadanía como reproductores de la pobreza. In: Trabajo y producción de la pobreza en Latinoamérica y el Caribe: estructuras, discursos y actores. Buenos Aires: Clacso, 2005.

LEITE, Marco Antônio Santos. O terceiro setor e as organizações da sociedade civil de interesse público — Oscips. Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Disponível em: <https://www.almg.gov.br/export/sites/default/educacao/sobre_escola/banco_conhecimento/arquivos/pdf/terceiro_setor.pdf>

MONTENEGRO, Thereza. O que é ONG. São Paulo, SP: Brasiliense, 1994. (Coleção Primeiros Passos)

OLIVEIRA, Francisco de. O vício da virtude: Autoconstrução e acumulação capitalista no Brasil. Novos Estudos: CEBRAP, São Paulo, n. 74, p.67-85, mar. 2006.

OLIVEIRA, Francisco de. Critica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo, SP: Boitempo Editorial, 2013 [2003].

PAOLI, Maria Célia. O mundo indistinto: sobre gestão, violência e política. In: A era da indeterminação. Organização de Francisco de Oliveira, Cibele Saliba Rizek. São Paulo, SP: Boitempo, 2007.

QUERIDO, Fábio Mascaro. Um capítulo da sociologia crítica paulista: a trajetória do Cenedic (1995-2015), mimeo, 2018, 40p.

TELLES, Vera da Silva. “Transitando na linha de sombra, tecendo as tramas da cidade (anotações inconclusas de uma pesquisa)”. In: A era da indeterminação. Organização de Francisco de Oliveira, Cibele Saliba Rizek. São Paulo, SP: Boitempo, 2007.

TELLES, Vera da Silva. Pobreza e cidadania. São Paulo: Editora 34, 2001.

Publicado
2019-12-05
Seção
GT-6: Território e ativismos sociais urbanos