Crescimento e dinâmica demográfica uma cidade média: o caso de Angra dos Reis

  • Michael Chetry Universidade Federal Fluminense

Resumo

A cidade de Angra dos Reis, localizada na região da Baía da Ilha Grande, a 150 km ao sul do Rio de Janeiro, é uma das primeiras ocupações coloniais do litoral fluminense. Durante quase 400 anos, Angra dos Reis se caracterizou por um fraco dinamismo demográfico, até os meados do século XX, data a partir da qual o município vai apresentar um ritmo de crescimento demográfico intenso e regular. Hoje a cidade conta com quase 200 mil habitantes, o que a torna estatisticamente uma cidade média. O objetivo deste artigo é descrever e analisar o crescimento demográfico de Angra dos Reis, seus componentes e seus impactos na extensão da malha urbana. Essa dinâmica é o resultado de uma forte imigração, embora seu papel venha diminuindo nos últimos anos. O crescimento urbano da cidade apresenta um aspecto fragmentado ao longo do litoral e sublinha o caráter desigual do processo de urbanização brasileira, entre melhoria geral das condições urbanas e a expansão dos aglomerados subnormais.

Biografia do Autor

Michael Chetry, Universidade Federal Fluminense
Departamento de Geografia e Politicas Públicas. Instituto de educação de Angra dos Reis.

Referências

ABREU, Cássio V. Urbanização, apropriação do espaço, conflitos e turismo. Um Estudo de Caso de Angra dos Reis. Dissertação de mestrado em arquitetura e urbanismo. Universidade Federal Fluminense. 2005.

BERTONCELLO, Rodolfo V. Processo de modernização e espaço local: o caso do município de Angra dos Reis (RJ). Dissertação de mestrado em geografia. Universidade Federal Fluminense. 1992.

CEPERJ. Anuário Estatístico do Estado do Rio de Janeiro. Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CEPERJ, 2013.

CORRÊA, Renata S. Transformações socioespaciais em Angra dos Reis e Parati (RJ) de 1960/70 a 2010. Dissertação em Geografia. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2012.

IBGE. Censo Demográfico: 1940. População e habitação. Rio de Janeiro: IBGE, 1940.

IBGE. Censo Demográfico: 1950. Rio de Janeiro: IBGE, 1950.

IBGE. Censo Demográfico: 1960. Rio de Janeiro: IBGE, 1960.

IBGE. Censo Demográfico: 1970. Rio de Janeiro: IBGE, 1970.

IBGE. Censo Demográfico 1980. Microdados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 1980.

IBGE. Censo Demográfico 1991. Microdados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

IBGE. Censo Demográfico 2000. Microdados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Microdados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE. Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

OLIVEIRA, Antônio T.R, ERVATTI, Leila R., O’NEILL, Maria M.V.C. “O panorama dos deslocamentos populacionais no Brasil: PNADs e Censos Demográficos”. In: OLIVEIRA, L. A.P.; OLIVEIRA, A.T.R. Reflexões sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, Estudos e Análises 1, 2011.

SANTOS, Luiz A. F. Relações entre território, atividade econômica e migrações –configuração espacial no Município de Angra dos Reis: um foco na escala local – a Vila do Frade. Dissertação em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais, Escola Nacional de Ciências Estatísticas, 2009.

SPOSITO, Maria. E. B. “Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana”. In: SPOSITO, M.E.B (Org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007, p. 233-253.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-15: Brasil Não-Metropolitano: Temporalidades e Espacialidades Urbanas