SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL DA PRODUÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA FAIXA 1, NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Autores

  • Abraão Lucas Maciel Sakuma Universidade do Vale do Paraíba

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os efeitos da produção dos conjuntos habitacionais do programa MCMV, localizado nas periferias da cidade, mal inseridos na malha urbana.  A metodologia utilizada foi, elaboração de mapa ilustrativo, google maps para medir a distância dos empreendimentos ao centro e pesquisa bibliográfica considerando as contribuições de autores como VILLAÇA (2001), FERREIRA (2012), FIX (2001), LAMPARELLI (2007).  Conclui-se que a política habitacional desconectada com o planejamento urbano, produziu bairros isolados do centro, fragmentando a malha urbana, no qual são distantes do trabalho, dos serviços, dos equipamentos públicos, com carência de infraestrutura, onde os mais pobres ficam distantes do centro e dos olhos da cidade, reproduzindo o padrão de segregação socioespacial.

Biografia do Autor

Abraão Lucas Maciel Sakuma, Universidade do Vale do Paraíba

Atualmente cursa Mestrado em Planejamento Urbano e Regional no IPD - UNIVAP (2019 - 2020). MBA em gerenciamento de obras e empreendimentos pelo IBEC em São José dos Campos - SP (2018-2019), Pós-graduação em Gestão de cidades e Planejamento Urbano pela UCAM - RJ (2018-2019), graduação semipresencial em Engenharia Civil pela Universidade Anhanguera - SJC - SP (2018 - 2023) e graduação semipresencial em tecnologia em Gestão Pública pela UNIVESP em São José dos Campos - SP (2018 - 2021). Pós-graduado em MBA em gestão empresarial pela FGV unidade de São José dos Campos - SP (conclusão em 2018). Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Vale do Paraíba. Linhas de pesquisa Planejamento, População e Habitação de interesse social (conclusão em 2016). Graduado em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (conclusão em 2010), onde era Vinculado ao Grupo de Estudos de Potencialidades Produtivas Locais - POTE e ao Núcleo de Estudos de Mobilidade e Mobilização - NEMO. Linha de Pesquisa relacionada ao Desenvolvimento Local e a Economia Solidária.

Referências

Após lama, hotéis do ES registram cancelamento de reservas: queda nas reservas para o fim do ano foi de 20%, segundo ABIH. Situação é mais evidente em Colatina e Linhares. G1 ES com informações de A Gazeta, 2015. Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/11/apos-lama-hoteis-do-es-registram-cancelamento-de-reservas.html>. Acesso em: nov. 2018.

A usina: histórico. Disponível em: <http://www.candonga.com.br/a-usina/historico/>. Acesso em: fev. 2018.

Biblioteca: catálogo. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?id=439008&view=detalhes>. Acesso em: fev. 2018.

BONELLA, Mário. Dois anos após tragédia no rio Doce, vila de Regência ainda sofre com os impactos: no dia 5 de novembro de 2015, uma barragem da Samarco se rompeu e uma enxurrada de rejeitos de mineração desceu pelo rio Doce. Vitória: TV Gazeta, 2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/espirito-santo/norte-noroeste-es/noticia/dois-anos-apos-tragedia-no-rio-doce-vila-de-regencia-ainda-sofre-com-os-impactos.ghtml>. Acesso em: nov. 2018.

BRANCO, Marina; PONSO, Fabio. Maior desastre ambiental do Brasil, tragédia de Mariana deixou 19 mortos: em 2015, barragem da mineradora Samarco se rompe e afeta 39 cidades, de Minas ao Espírito Santo. Com mar de lama, rio Doce pode levar décadas para se recuperar. Disponível em: <http://acervo.oglobo.globo.com/em-destaque/maior-desastre-ambiental-do-brasil-tragedia-de-mariana-deixou-19-mortos-20208009>. Acesso em: 7 fev. 2018.

Caso Mariana: apresentação. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/para-o-cidadao/caso-mariana/apresentacao>. Acesso em: 7 fev. 2018.

CASTRO, Antônio Luiz Coimbra de (Coord.). Glossário de defesa civil: estudos de riscos e medicina de desastres. 2. ed. Brasília: Imprensa Nacional, 1998. 173 p. Disponível em: <http://www.defesacivil.mg.gov.br/images/documentos/Defesa%20Civil/manuais/GLOSSARIO-Dicionario-Defesa-Civil.pdf>. Acesso em: 25 out. 2018.

Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil - Informe 2015: encarte especial sobre a bacia do rio Doce rompimento da barragem em Mariana/MG. Brasília, 2016. 50 p. Disponível em: <http://arquivos.ana.gov.br/RioDoce/EncarteRioDoce_22_03_2016v2.pdf>. Acesso em: 6 fev. 2018.

Dengue em Barra Longa (MG) aumentou em 3.000% após desastre: o Cidades e Soluções, da GloboNews, mostra relatório do Ministério da Saúde e um estudo inédito do Instituto Saúde e Sustentabilidade. Disponível em: <http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2017/04/dengue-em-barra-longa-mg-aumentou-em-3000-apos-desastre.html>. Acesso em: 8 fev. 2018.

Denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal. 273 p. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/mg/sala-de-imprensa/docs/denuncia-samarco>. Acesso em: 25 out. 2018.

Dezenove áreas no Estado entraram na lista dos atingidos pela Samarco: localidades foram incluídas ontem e estão em quatro municípios do Estado. Disponível em: <https://www.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2017/03/19-areas-no-estado-entraram-na-lista-dos-atingidos-pela-samarco-1014040153.html>. Acesso em: fev. 2018.

Laudo técnico preliminar: impactos ambientais decorrentes do desastre envolvendo o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais. 74 p. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/phocadownload/barragemdefundao/laudos/laudo_tecnico_preliminar_Ibama.pdf>. Acesso em: 8 fev. 2018.

MARQUES, José. Após lama da Samarco, litoral do ES não recupera turistas para réveillon. Belo Horizonte: Folha de São Paulo, 2016. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/12/1845822-apos-lama-da-samarco-litoral-do-es-nao-recupera-turistas-para-reveillon.shtml>. Acesso em: nov. 2018.

MPF denuncia 26 por tragédia em Mariana (MG): alguns números do desastre. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/mg/sala-de-imprensa/noticias-mg/mpf-denuncia-26-por-tragedia-em-mariana-mg>. Acesso em: 9 fev. 2018.

O desastre: o dia da tragédia. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/para-o-cidadao/caso-mariana/o-desastre>. Acesso em: fev. 2018.

Prefeituras de 39 cidades atingidas pela lama se reúnem em Mariana. Disponível em: <https://www.hojeemdia.com.br/horizontes/prefeituras-de-39-cidades-atingidas-pela-lama-se-re%C3%BAnem-em-mariana-1.345231>. Acesso em: fev. 2018.

Rompimento da barragem de Fundão: documentos relacionados ao desastre da Samarco em Mariana/MG. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/informes/rompimento-da-barragem-de-fundao>. Acesso em: 5 fev. 2018.

Rompimento de Fundão: entenda o rompimento. Disponível em: <https://www.samarco.com/rompimento-de-fundao/>. Acesso em: fev. 2018.

RUI, Ariele. Lama de rejeitos faz Regência, no ES, enfrentar 2.º verão sem turistas: donos de pousadas, bares e casas de shows ameaçam fechar as portas. Prefeitura disse que não há proibição para banho de mar na localidade. Linhares: TV Gazeta, 2017. Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/desastre-ambiental-no-rio-doce/noticia/2017/01/lama-de-rejeitos-faz-regencia-no-es-enfrentar-2-verao-sem-turistas.html>. Acesso em: nov. 2018.

Usina de Aimorés. Disponível em: <http://aliancaenergia.com.br/br/nossas-usinas/usina-de-aimores/>. Acesso em: fev. 2018.

ZANETI JR., Hermes (Relator). Relatório painel III: água e mineração: segurança de barragens e contaminação. O caso “Mariana” (Desastre do Rio Doce). Brasília, 2017. 21 p. Acesso em: dez. 2017.

Publicado

2019-12-05

Edição

Seção

GT-7: Produção do espaço urbano numa perspectiva crítica