TRANSFORMAÇÕES DA MORFOLOGIA URBANA NO CONTEXTO DO PROJETO PORTO MARAVILHA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA ENVOLVENDO SIG

  • Renato da Silva Lopes ENCE/IBGE

Resumo

Com o neoliberalismo, as cidades passam a competir entre si a fim de adentrar o mercado global de cidades. Entre as estratégias construídas para tal finalidade, está a revitalização de zonas portuárias, o mesmo aconteceu na cidade do Rio de Janeiro Este trabalho desenvolveu uma metodologia que se apoia na utilização de SIG, foram escolhidos alguns logradouros da zona portuária da cidade e verificadas as transformações processadas nos mesmos entre 2010 e 2017, por meio de visitas de campo e da função Street View do Google Earth. Três categorias foram construídas para essa análise: uso, situação e idade dos imóveis O que se pôde concluir é que o projeto se materializou até o momento de forma diferente entre os logradouros analisados. Ressalta-se a importância do trabalho ao construir uma metodologia que pode ser replicada em outros contextos de revitalização.

Referências

CARDOSO, Isabel Cristina da Costa. O papel da Operação Urbana Consorciada do Porto do Rio de Janeiro na estruturação do espaço urbano: uma “máquina de crescimento urbano”? O Social em Questão, ano XVI, n. 29, 2013a, p. 69-100.

COMPANS, Rose. Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

GIANNELLA, Letícia. Revirando o Porto Maravilha: luta pelo espaço e contradições urbanas na zona portuária do Rio de Janeiro. Tese de doutoramento. Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Niterói, 2015a, 308p.

______. A luta pelo espaço no contexto do projeto Porto Maravilha: novos sujeitos e contradições. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 17, n. 3, 2015b, pp. 150-171.

HARVEY, David. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debates, n. 39, 1996, p. 48-64.

MIAN, Marcela Larissa Apolinário. A relação entre capital e Estado na OUC do porto do Rio de Janeiro. Monografia de especialização. Escola Nacional de Ciências Estatísticas, Curso lato sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território, 2018, 60p.

SASSEN, Saskia. A cidade global. In: LAVINAS, Lena; CARLEIAL, Lina Maria da Frota; NABUCO, Maria Regina (orgs.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1993 [1991].

SILVA, Caroline Rodrigues. A dinâmica de apropriação do espaço urbano pelo capital: a expropriação da terra pública como uma chave de interpretação do projeto Porto Maravilha. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Rio de Janeiro, 2013.

TEIXEIRA, Eduardo Tomazine. A antítese da reforma urbana e sua atualização na Operação Consorciada Porto Maravilha. Tese de doutoramento. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Rio de Janeiro, 2018, 288p.

VAINER, Carlos. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 5ª ed. Petrópolis: Vozes, 2009 [2000], p. 75-104.

WERNECK, Mariana. A falácia do Porto Maravilha: PPPs, CEPACs e o ônus para o poder público. In: Observatório das Metrópoles

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-14: Geotecnologias e Análise Espacial no espaço urbano