ARRANJOS MULTIESCALARES NO PROCESSO DE REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA PORTUÁRIA NO RECIFE

Resumo

Os processos de requalificação e revalorização das áreas centrais em têm sido recorrentes em diversas metrópoles mundo a fora. Trata-se de uma dinâmica de desvalorização-revalorização das áreas centrais com a implantação de megaprojetos de grife, com investimentos de grandes grupos empresariais. Muitos desses projetos estão atrelados à área portuária, como é o caso do Recife, onde está sendo reproduzido o modelo de implantação de equipamentos de turismo, negócios e lazer nas instalações do porto e adjacências. Trata-se de um movimento a ser desvelado, visto que a lógica produção deste espaço não é compreendida pelo cidadão comum. Assim sendo, o objetivo neste artigo é analisar o atual processo de requalificação e revalorização da área central do Recife, com a implantação do projeto Porto Novo. Esta análise baseia-se em uma perspectiva crítica, orientada metodologicamente sob o materialismo histórico dialético.

Biografia do Autor

Mariana Zerbone Alves de Albuquerque, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Doutora em Geografia, Professora do Departamento de História da Universidade Federal Rural de Pernambuco
Edvânia Torres Aguiar Gomes, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Geografia

Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Pernmabuco

Referências

BERNARDES, Denis. Recife: O caranguejo e o viaduto. Recife: Ed. UFPE, 2002.

CARLOS, A.F.A. A cidade. São Paulo: Contexto, 2005

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

___________. A Arte como renda: globalização e transformação da cultura em commodities. In: Revista Desígnio, n. 4, set/2005. P. 27 – 40, 2005b.

LEFEBVRE, H. Espaço e Política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

LEITE, R. Patrimônio e enobrecimento no Bairro do Recife. Revista CPC, São Paulo, v.1, n.2, p.17-30, maio/out. 2006.

LUBAMBO, C. O Bairro do Recife: Entre o Corpo Santo e o Marco Zero. Recife: CEPE, 1991.

MARTINEZ, C. A. F. Entrevista com Erik Swyngedouw .Geosul, Florianópolis, v. 33, n. 67, p. 277-287, maio 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/2177-5230.2018v33n67p277>. Acesso em: 18 jun. 2019.

MENESES, U. A cidade como bem cultural. In: Mori, V.; Souza, M. et alli (org.), Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: 9ª SR/IPHAN, 2006. pp.33-76.

MESZAROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

___________. A montanha que devemos conquistar. São Paulo: Boitempo, 2015.

PORTO DO RECIFE. Conheça os Projetos. Disponível em <http://www.portodorecife.pe.gov.br/conheca_portonovo.php >, acesso em Acesso em 20 de maio de 2019.

PORTO DO RECIFE. Terminal marítimo de passageiros, 15 de agosto de 2014. Disponível em <http://www.portodorecife.pe.gov.br/releases-int.php?id=terminal-maritimo-de-passageiros-1> , Acesso em 20 de maio de 2019.

RECIFE. Revisão do Plano Diretor do Recife. Recife: Prefeitura do Recife, 2004.

REZENDE, A. P. O Recife: Histórias de uma cidade. Recife: Fundação de Cultura do Recife, 2002.

SILVA, J. G. Do ancoradouro ao porto: uma análise do espaço portuário do porto do Recife. 2018. 63 f. Monografia (Bacharelado em Geografia). Departamento de Geografia. Universidade Federal da Pernambuco. Recife, 2018.

SWYNGEDOUW, E. A Cidade Pós-Política. e-metropolis, Revista Eletrônica de Estudos Urbanos e Regionais, nº 08, ano 3, março de 2012 [Online]. Disponível em: http://www.emetropolis.net/pt/component/edicoes/?task=edicao&id=8 Acesso em 28 abril de 2015

http://portonovorecife.com.br/responsabilidade, acesso em 28 abril de 2015

Publicado
2019-12-06
Seção
GT-7: Produção do espaço urbano numa perspectiva crítica