SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL NA PERIFERIA DE SÃO PAULO: Análise da vulnerabilidade social em enclave fortificado por meio de geotecnologias

Resumo

Em vista dos novos padrões espaciais no urbano, bem como as novas formas de representar esses fenômenos através das geotecnologias, um novo âmbito de estudos urbanos se abre. Esse trabalho tem como objetivo traçar um panorama da segregação socioespacial em São Paulo, por meio da análise de um condomínio de alta renda cercado por favelas na região do Campo Limpo, distrito de São Paulo. Para isso caracterizou-se a formação das periferias na cidade, entendendo como técnicas de análise espacial podem tornar mais clara a visualização dessas desigualdades. Utilizando-se do método IDW (Inverse Distance Weighting), foram construídos mapas que otimizam a visualização dos dados de vulnerabilidade social, constatando-se a presença de níveis extremos em locais muito próximos, bem como a omissão do poder público na realização de melhorias e políticas para diminuição da desigualdade social.

Biografia do Autor

Thiago Vital do Carmo, Universidade de São Paulo
Departamento de Geografia
Mateus Menegossi Porto, Universidade de São Paulo
Departamento de Geografia
Giovanne Russo Dell'Aquila, Universidade de São Paulo
Departamento de Geografia.

Referências

BONDUKI, N. Habitação popular: contribuição para o estudo da evolução urbana de São Paulo. In: VALLADARES, L. P. Repensando a Habitação no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. pp. 135-168.

BONDUKI, N. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. 5 ed. São Paulo: Estação Liberdade, Fapesp, 2007.

CALDEIRA, T. P. do R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. 3 ed. São Paulo: Editora 34, Edusp, 2011.

D'OTTAVIANO, M. C. L. Condomínios fechados na Região Metropolitana de São Paulo: fim do modelo centro rico versus periferia pobre? Tese (Doutorado em Habitat) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

JAKOB, A. A. E.; YOUNG, A. F. O uso de métodos de interpolação espacial de dados nas análises sociodemográficas. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 15, 2006, Caxambu. Anais… Caxambu-MG: Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), 2006. 22 p. Disponível em: <http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/viewFile/1530/1494>. Acesso em 12/06/19.

KOWARICK, L.; BONDUKI, L. Espaço urbano e espaço político: do populismo a redemocratização. In: KOWARICK, L. (Org.). São Paulo Passado e Presente: As Lutas Sociais e a Cidade. São Paulo: Paz Terra, 1994.

PADUA, R. F. Produção estratégica do espaço e os “novos produtos imobiliários” (2011). In: CARLOS, Ana Fani A.; VOLOCHKO, Danilo; ALVAREZ, Isabel Aparecida Pinto (Org.). A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2018. pp. 145-163.

PEREIRA, G. C.; SILVA, B. C. N. Geoprocessamento e urbanismo. In: GERARDI, L. H. de O.; MENDES, I. A. (Org.). Teoria, Técnica, Espaços e Atividades. Temas de Geografia Contemporânea. Rio Claro: UNESP; AGTEO, 2001. pp. 97-137.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-14: Geotecnologias e Análise Espacial no espaço urbano