RIDE – GRANDE TERESINA: A CONFORMAÇÃO DE UM ARRANJO URBANO NÃO METROPOLITANO

  • José Maria Marques de Melo Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Resumo

As transformações ocasionadas pelo dinamismo socioespacial implicam o surgimento, na rede urbana brasileira, de novas configurações territoriais, tais como: as metrópoles; as cidades dispersas; as aglomerações urbanas, dentre outras. Dentro desse universo, o foco de análise desse trabalho foram as denominadas Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE’s), mais especificamente, a RIDE – Grande Teresina. Foi realizada uma análise sobre a dinâmica urbana do referido arranjo, visto que o mesmo apresenta características distintas daquelas empreendidas em espaços metropolitanos. Foi evidenciado, com o estudo, que o arranjo urbano da RIDE apresenta dinâmica urbana capitaneada pela capital regional (Teresina) e a área conurbada entre Teresina (PI) e Timon (MA) contribui para uma maior interdependência entre as cidades. Contudo, persiste a baixa integração entre os entes federados que a compõem. 

Referências

ANDRADE. Pacto Federativo Brasileiro: Mesorregiões, Rides e Consórcios Públicos. Scripta Nova. v. XIV, p. 1-17, 2010.

ASCHER, F. Metápolis ou l’avenir des villes. Paris: Odile Jacob. 1995. 240p.

AZEVEDO, Heloisa P.; ALVES, Adriana M. Rides – por que criá-las? Revista Geografias (UFMG). Belo Horizonte 06(2), p. 87-101, julho-dezembro, 2010.

CODEVSAP. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do Parnaíba e São Francisco. Plano de Ação Integrado e Sustentável para a RIDE Grande Teresina. Produto II: Diagnóstico Situacional Participativo. 2013.

CORRÊA, R. L. As pequenas cidades na confluência do urbano e do rural. GEOUSP Espaço e Tempo. n. 30, p. 5-12. 2011.

________, R. L. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand brasil. 2006. 332p.

EGLER. Claudio A. G. Apontamentos sobre a rede urbana e políticas públicas. In: MATOS, Ralfo; WEBER, Soares (Orgs.). Desigualdades, redes e espacialidades emergentes no Brasil. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 91-114.

FERREIRA, A. Caminhando em direção à metropolização do espaço. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 20, n. 3, p. 441-450. 2016.

FIRKOWSKI, O. L. C. Por que as Regiões Metropolitanas no Brasil são regiões mais não são metropolitanas. Revista Paranaense de Desenvolvimento. n. 122, p. 19-38. 2012.

GOTTMANN, J. Megalopolis: the urbanized northeaster seaboard of the United States. New York: The Twentieth Century Fund. 1961. 810p.

GURGEL, A. P. C. As metrópoles do interior do Nordeste: a caracterização de um tipo metropolitano regional. Cadernos Metrópole, v. 19, n. 40, p. 841-864. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Arranjos populacionais e concentrações urbanas no Brasil. IBGE. Coordenação de Geografia. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

__________(IBGE). Divisão Urbano-Regional. IBGE. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

__________(IBGE). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

__________(IBGE). Região de Influência das cidades 2007 (REGIC). Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Configuração atual e tendências da rede urbana do Brasil. Brasília. (Série caracterização e tendências da rede urbana do Brasil, 1). Convênio IPEA, IBGE, UNICAMP/IE/NESUR, IPEA. 2002.

LENCIONI, S. A metamorfose de São Paulo: o anúncio de um novo mundo de aglomerações difusas. Revista Paranaense de Desenvolvimento. v. 120, p. 133-148, 2011.

__________, S. Metrópole, Metropolização e Regionalização. São Paulo: Consequência. 2017. 262 p.

LIMONAD, E. (2007). Nunca Fomos Tão Metropolitanos! In: Nestor Goulart Reis; Martha S. Tanaka. (Org.). Brasil - Estudos sobre Dispersão Urbana. 1ed.São Paulo: Via das Artes - FAPESP, v. 1, p. 183-212.

MARTINS, Rafael D'Almeida; VAZ, José Carlos; CALDAS, Eduardo de Lima. A gestão do desenvolvimento local no Brasil: (des) articulação de atores, instrumentos e território. Rev. Adm. Pública [online]. vol.44, n.3, p.559-590. 2010.

MOURA, R. A dimensão urbano-regional na metropolização contemporânea. EURE (Santiago), Santiago, v. 38, n. 115, p. 5-31. 2012.

NOGUEIRA, L. L. F.; ESPINDOLA, G. M. D.; CARNEIRO, E. L. N. D. C. Análise da ocupação urbana na zona Centro-Norte de Teresina: considerações sobre a região do Encontro dos Rios. Revista Equador, v. 5, n. 3, p. 25-42, 2016.

OBSERVATÓRIO DAS METROPOLES. Analise das Regiões Metropolitanas do Brasil: identificação dos espaços metropolitanos e construção de tipologias. Rio de Janeiro: Observatório. 2004.

RODRIGUES, Rodrigo da Silva; VELOSO FILHO, Francisco de Assis. A ação dos agentes produtores do espaço urbano em Teresina-PI: um diagnóstico a partir dos planos diretores urbanos. Geosaberes. Fortaleza. v. 6, número especial (2), p. 230 - 242, Novembro. 2016.

SASSEN, S. El reposicionamiento de las ciudades y regiones urbanas en una economía global: ampliando las opciones de políticas y gobernanza. EURE (Santiago), 33(100), 9-34. 2007. https://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612007000300002

SCOTT, A.; Agnew, J.; Soja, E. e Storper, M. (2001). Cidades-regiões globais. Espaço e Debates: Aliança e competição entre cidades. São Paulo, n. 41, 11-25.

SILVA, Silvana de Sousa; FAÇANHA, Antonio Cardoso. (Re) Produção espacial e área central de Teresina (PI): Preposições da Agenda 2015. Caminhos da Geografia. v. 17, n. 58. 2016. p. 01-15. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/viewFile/28278/18468.> Acesso em: 07 dez. 2016.

SOJA. E. W. Postmetropolis: Critical Studies of Cities and Regions. Oxford: Blackwell Publishing. 2000. 440p.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-15: Brasil Não-Metropolitano: Temporalidades e Espacialidades Urbanas