A INSERÇÃO DO CAPITAL IMOBILIÁRIO EXÓGENO NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS - RJ NO ÂMBITO DOS EMPREENDIMENTOS MINHA CASA MINHA VIDA.

Resumo

O Programa Minha Casa Minha Vida – MCMV teve início no ano de 2009 como um programa do governo federal com vistas a produção de habitação popular e a chamada habitação social de mercado. O MCMV só veio a ocorrer me Petrópolis – RJ em meados de 2012, concentrando suas atividades nas faixas 2 e 3. O Objetivo desse trabalho é justamente compreender como o MCMV, nas faixas 2 e 3, contribui para a inserção de novas empresas do setor imobiliário. Até o presente momento a pesquisa observa a ação de empresas exógenas ao município, sendo três: Andrade e Almeida, Grupo Sola e Grupo Oito. Destaca-se a centralidade do capital imobiliário para a produção do espaço urbano e da sua territorialização, isso torna-se perceptível com a concentração territorial desses empreendimentos no 2º e 3º distrito.

Referências

AMBROZIO, J. Petrópolis: O presente e o passado no espaço urbano. Uma história territorial. Editora Escrita Fina. Petrópolis – RJ, 2013.

AMORE, C.S. SHIMBO, L.Z. RUFINO, M.B.C. Minha Casa... E a Cidade? Avaliação do Programa Minha Casa Minha Vida em Seis Estados Brasileiros. Letra Capital. Rio de Janeiro, 2015.

BOTELHO, A. Urbano em Fragmentos. A produção do espaço e da Moradia pelas Práticas do Setor Imobiliário. Editora Annablume – Fapesp. São Paulo, 2007.

BRASIL. Lei nº11.977 de 7 de junho de 2009. Do Programa Minha Casa, Minha Vida PMCMV . Brasilia, DF, Junho de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11977.htm>. Acessado em 13 de out 2017.

CAIXA.Minha Casa Minha Vida – Habitação Urgana. 2019. Disponível em: <http://www.caixa.gov.br/voce/habitacao/minha-casa-minha-vida/urbana/Paginas/default.aspx>. Acesso em 23 de abr. de 2019.

CARDOSO, A.L. O Programa Minha Casa Minha Vida e Seus Efeitos Territoriais. Letra Capital. Rio de Janeiro, 2013.

CARDOSO, A.L. ARAGÃO, T.A. A Reestruturação do Setor Imobliário e o Programa Minha Casa Minha Vida. In: MENDONÇA, J.G. COSTA. H.S.M. (Org.). Estado e Capital imobiliário. Convergências atuais na produção do espaço urbano brasileiro. Belo Horizonte: Editora C/Arte. p.81 – 104. 2011.

CARLOS, A. F. A. Diferenciação Espacial. Revista Cidades, Presidente Prudente, vol. 4, n. 06, jan-dez. 2007.

CATELAN, M.J. Vida a Crédito Nas Cidades Médias/intermediárias Brasileiras: efeitos do programa Habitacional Minha Casa, Minha vida In: BELLET , C. MELAZZO, E.S. SPOSITO, M.E. LLOP, J. M. Urbanização, Produção e Consumo em Cidades Médias/Intermediárias. UEP – Presidente Prudente y Lleida. p. 441 – 470. 2015

CBIC – Participação (%) da Cadeia Produtiva da Construção no PIB Total. Camara Brasileira da Industria de Construção, 2018

______Indicadores imobiliários nacionais. 2º trimestre de 2018. Camara Brasileira da Industria de Construção, 2018

FIX, M.A.B. Financeirização e Transformações Recentes no Circuito Imobiliário no Brasil. Tese (Doutorado em Economia). Instituto de Economia. Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, 2011.

HARVEY, D. A produção Capitalista do Espaço. Annablume. São Paulo, 2005.

____________ Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Edições Loyola. São Paulo, 2011.

____________. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. Martins Fontes – Selo Martins. São Paulo, 2014.

MELAZZO, E. S. Interações, combinações e Sinergias: produção do espaço Urbano, dinâmicas imobiliárias E o programa minha casa minha Vida em cidades médias brasileiras. In BELLET, C. MELAZZO, E.S. SPOSITO, M.E. LLOP, J. M. Urbanização, Produção e Consumo em Cidades Médias/Intermediárias. UEP – Presidente Prudente y Lleida. p. 373 – 396. 2015

PAULANI. L. M. A inserção da economia brasileira no cenário mundial: uma reflexão sobre a situação atual à luz da história. Boletim de Economia e Política Internacional (IPEA), v.3, n.10, 2012.

PMP – PREFEITURA MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS. PLHIS – PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 2012 Disponível em: <http://petropolis.rj.gov.br/seh/jdownloads/Dowloads/Documentos/plano_municipal0.pdf> Acessado em 20 de abr. de 2019.

RIBEIRO, L.C.Q. Dos Cortiços aos Condomínios Fechados: as formas de produção da moradia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos Lugares. A colonização da Terra e da Moradia na Era das Finanças. Boitempo. São Paulo, 2015.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo. Edusp, 2008.

SANTOS, C.R.S., SANFELICI, D. Caminhos da Produção Financeirizada do Espaço Urbano: a versão brasileira como contraponto a um modelo. Revista Cidades, v.12, nº20 p.4 – 35, 2015.

SANFELICI, D. Financeirização e a produção do espaço urbano no Brasil: uma contribuição ao debate. EURE, v.39, nº118 p.27-46, 2013.

______________A Metrópole sob o ritmo das finanças: implicações socioespaciais da expansão imobiliária no Brasil. Tese de Doutorado em Geografia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

SHIMBO, L.Z. Habitação social, habitação de Mercado: a confluência entre Estado, empresas construtoras e capital financeiro. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos, 2010.

_____________. Empresas construtoras, capital financeiro e a constituição da habitação social de mercado. In: MENDONÇA, J.G. COSTA. H.S.M. (Org.). Estado e Capital imobiliário. Convergências atuais na produção do espaço urbano brasileiro. Belo Horizonte: Editora C/Arte. p.41 – 62, 2011

SIENGE. Minha Casa Minha Vida. Um Guia para o Construtor. Disponível em: <http://www.sienge.com.br/wp-content/uploads/ebook-minha-casa-minha-vida.pdf> Acesso em 23 de abr. de 2019.

SIENGE. Quais as Diferenças entre a ISSO 9001 e O PBQP-H? Disponível em <https://www.sienge.com.br/blog/diferencas-entre-iso-9001-e-pbqp-h/> Acesso em 23 de abr. de 2019.

VILLAÇA, F. Espaço Intra-urbano no Brasil. Studio Nobel – FAPESP. São Paulo, 2001

Publicado
2019-11-26
Seção
GT-1: Reestruturação urbana e econômica na produção do espaço: agentes e process