A METRÓPOLE COMO FÁBRICA DO SUJEITO EMPRESARIAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA TRÍADE ESPAÇO-COTIDIANO-TRABALHO

  • Felipe Rangel Tavares PUC Rio

Resumo

A metropolização é um processo de subjetivação. O processo de metropolização do espaço atua como produtor do sujeito empresarial e é, simultaneamente, condição e meio para o desdobramento de tal subjetivação. Desta forma, acentuamos a produção do espaço como estrutura fundamental de conformação da sociedade e, portanto, dos sujeitos. Nosso objetivo é analisar a relação entre metropolização e racionalidade neoliberal na instituição da empresa como modelo de subjetivação, a partir da tríade conceitual espaço-cotidiano-trabalho, focalizando o “empreendedorismo” – como dinâmica de autoformação do sujeito econômico, dando ênfase à dimensão da espacialidade.

Referências

DARDOT, Pierre. LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo editorial, 2016.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Bem-estar comum. 1ª edição, Rio de Janeiro: Record. 2016.

HARVEY, David. Neoliberalismo: história e implicações. 1ª edição, São Paulo: edições Loyola, 2008.

LENCIONI, Sandra. Metrópole, metropolização e regionalização. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

LIMA, Elias Lopes de. Encruzilhadas geográficas: notas sobre a compreensão do sujeito na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. 3ª edição, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

NETTO, José Paulo. CARVALHO, Maria do Carmo Brant de. Cotidiano, conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 2007.

POSTONE, Moische. Tempo, trabalho e dominação social: uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. São Paulo: Boitempo, 2014.

Publicado
2019-11-28
Seção
GT-2: Metrópole, metropolização e dinâmica espacial contemporânea