CITYADOS NO URBANO: A TRIALÉTICA DAS FRONTEIRAS (IN) VISÍVEIS AOS CORPOS NEGROS-PERIFÉRICOS

  • Ana Carolina Paula Basílio Universidade Federal de São Carlos - campus Sorocaba

Resumo

O presente artigo propõe-se a discutir o direito à cidade à luz de reflexões acerca dos Fluxos (bailes funk), realizados por jovens nas periferias paulistanas e o Programa Ruas Abertas, materializada na abertura da Avenida Paulista aos finais de semana. Desenvolve-se um esquema trialético do direito à cidade, a saber: conquista do direito – negação direcionada – estratégia à negação. A partir dessas três dimensões, busca-se pensar as disparidades e abismos socioespaciais que marcam a produção do espaço urbano da cidade de São Paulo, a fim de responder ao problema: o direito à cidade tem cor e classe?

Biografia do Autor

Ana Carolina Paula Basílio, Universidade Federal de São Carlos - campus Sorocaba
Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba (2017). Mestranda em Geografia pela Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: relações étnico-raciais, feminismos, educação, periferia e funk.

Referências

BARBOSA, F.; ARAÚJO, H. E.; CODES, A. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Sistema de Indicadores de Percepção Social – SIPS: Cultura. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea. Brasília, 2010. 16 p. Disponível em: www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/SIPS/101117_sips_cultura.pdf Acesso em: 20 dez. 2018.

BURGOS, R. Espaços públicos e o direito à cidade: contribuições teórico-conceituais a partir de estudos sobre o uso de parques urbanos em contextos de segregação espacial nas cidades de São Paulo e Sorocaba. Revista Cidades, São Paulo, v. 12, n. 20, p. 105-140, 2015.

____. Periferias urbanas da metrópole de São Paulo: territórios da base da indústria da reciclagem no urbano periférico. 2009. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CANETTIERI, T. A cidade capitalista na produção dos excluídos e os excluídos na produção da cidade capitalista: o paradoxo da exclusão urbana. Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia Maringá, Maringá, v. 8, n. 1, p. 64-83, 2016. Disponível em: periodicos.uem.br/ojs/index.php/Geoinga/article/view/34217/0 Acesso em: 18 dez. 2018.

DAMIANI, A. L.; SEABRA, O. C. de L. Henri Lefebvre e o movimento do que está em ação. Revista GEOUSP, São Paulo, n. 7, 2000.

FERNANDES, F A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. São Paulo: Globo, 2008.

GALINDO, E. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Sistema de Indicadores de Percepção Social – SIPS: mobilidade Urbana. 2. ed. Análise preliminar dos dados coletados em 2011. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea. Brasília, 2010. Disponível em: www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/SIPS/120119_sips_mobilidadeurb ana.pdf Acesso em: 20 dez. 2018.

LEFEBVRE, H. La presencia y la ausencia: contribución a la teoría de las representaciones. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

____. La producción del espacio. Madrid: Capitán Swing – (Colección Entrelineas), 2013.

____. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

PEDRO, Thomaz. É o fluxo: “baile de favela” e funk em São Paulo. PROA – Revista de Antropologia e Arte, Campinas, n.7, v.2, p. 115 – 135, jul./dez., 2017.

ROLNIK, R. São Paulo, início da industrialização: o espaço é político. In: KOWARICK, L. (Org.). As Lutas Sociais e a Cidade. São Paulo: Paz e Terra/UNRISD, 1988.

____. O lazer humaniza o espaço urbano. In: SESC SP. (Org.). Lazer numa sociedade globalizada. São Paulo: SESC São Paulo/World Leisure, 2000.

____. São Paulo, 450 anos. Colóquio São Paulo 450 anos. São Paulo, 2004.

SCHIMID, C. A teoria da produção do espaço de Henri Lefebvre: em direção a uma dialética tridimensional. GEOUSP – espaço e tempo, São Paulo, nº. 32, pp. 89-109, 2012.

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-11: Os lazeres na (re)produção do urbano