CARACTERIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO SOCIOESPACIAL A PARTIR DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS: O CASO DE MARINGÁ (PR)

  • Afonso Muzzo Alves Universidade Estadual Paulista - UNESP - Campus de Ourinhos

Resumo

O processo de formação, estruturação e as respectivas tendências de diferenciação socioespacial deixaram marcas peculiares no espaço  urbano de Maringá (PR). O objetivo desse trabalho é identificar dinâmicas comtemporâneas que agravam e conferem novas formas aos problemas intrínsecos ao surgimento das cidades, buscando compreender os  novos elementos que acirram as desigualdes e as rupturas socioespaciais. Para isso foram adotados procedimentos metodologicos que se apoiam na análise da qualidade de sociabilidade no âmbito urbano.

Biografia do Autor

Afonso Muzzo Alves, Universidade Estadual Paulista - UNESP - Campus de Ourinhos
Curso de Geografia, bacharelado e licenciatura. Universidade Estadual Paulista- UNESP Campus de Ourinhos.

Referências

AGUIAR, S. Redes Sociais e tecnologias digitais de informação e comunicação. Relatório final de pesquisa, 2006. Disponível em: < http://www.observatoriodaimprensa.com.br/download/Redes_sociais_e_tecnologias_ digitais%20.pdf >. Acesso: 23 abr. 2019.

AMORIN, E. M. J. C. As cidades médias e suas múltiplas particularidades: produção e consumo do espaço urbano em Marília - SP e Mossoró - RN. 2016. 246 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente.

AMORIM, W. V. A produção imobiliária e a reestruturação das cidades médias: Londrina e Maringá/PR, 2015. 413 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2015.

BARROS, F. P; RODRIGUES, A. L. Análise da Fragmentação Social do Espaço Urbano de Maringá PR) Em Relação à Oferta De Equipamentos Urbanos e Sociais. Rev. Geoingá. Maringá. n. 1. p. 3-27, 1998. Disponível em: , acesso: 14 mar. 2018.

BOURDIEU, P. A Distinção: Crítica Social do Julgamento. 1. Ed. São Paulo: Edusp, 2007.

BOVO, C. R. M. A contribuição da teoria da rede social, de Mark Granovetter, para a compreensão do funcionamento dos mercados e da atuação das empresas. Revista Pensamento & Realidade. São Paulo, v. 29, n. 3. p.135-151, 2014. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/pensamentorealidade/index >, acesso: 20 mai. 2019.

CASA CIVIL. Sistema Estadual de Legislação. 2005. Disponível em:<http://www.legislacao.pr.gov.br>, acesso: 18 fev. 2018.

CATALÃO, I.; MAGRINI, M. A.; LINDO, P. Urbanização, (Contra)Desenvolvimento e Direito à Cidade. Boletim de Geografia, Maringá, v. 37, n. 1, p. 199-213, 2019. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr>, acesso: 28 mai. 2019.

CORRÊA, R. L. O espaço Urbano. 7. ed. São Paulo: Ática, 2005.

DAL POZZO, C. F. Fragmentação Socioespacial em Cidades Médias Paulistas, 2015. 400 f. Tese (Doutorado em Geografia)-Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2015.

. Fragmentação Socioespacial: Práticas Espaciais do Consumo Segmentado em Ribeirão Preto e Presidente Prudente. Revista da Anpege, Nº 16, p. 279-324, 2015b. Disponível em: <http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege>. Acesso em: nov. 2018.

. Territórios de autossegregação e de segregação imposta: fragmentação socioespacial em Marília e São Carlos. Presidente Prudente, 2011. 316 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2011.

EDA, M. G. et al. Consumo Crédito e Direito à Cidade. 1 ed. Curitiba: Appris, 2019.

GALVÃO, A. A. Condomínios Horizontais Fechados: Segregadores ou Segregados? Um Estudo de Caso no Município de Maringá, 2007. 142 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Maringá, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Disponível em: <https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/ censo2010/default.shtm>, acesso: 1 mar. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estimativas de população 2018. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=downloads>, acesso: 3 set. 2018.

KAUFMAN, D. A força dos “laços fracos” de Mark Granovetter no ambiente do ciberespaço. Galaxia, São Paulo, n. 23, p. 207-218, 2012. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/galaxia>, acesso: 14 mar. 2019.

LAHIRE, B. A fabricação social dos indivíduos: quadros, modalidades, tempos e efeitos de socialização. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1393-1404, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022015001001393&script=sci_abstract&tlng=pt>, acesso: 10 jun. 2019.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. 2.ed. São Paulo: Centauro, 2001.

MAGRINI, M. A. Vidas em enclaves. Imaginário das cidades inseguras e fragmentação socioespacial em contextos não metropolitanos, 2013. 482 f. Tese. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2013.

MARINGÁ, Prefeitura Municipal. Nossa Cidade. Maringá 2019. Disponível em:< http://www2.maringa.pr.gov.br/turismo/?cod=nossa-cidade/3>, acesso: 20 mai. 2019.

MARQUES, E, C, L. Redes Sociais, Segregação e Pobreza em São Paulo, 2007. 176 f. Tese (Livre docência em Ciência Política)-Univesidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2007.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Estatuto da Cidade. Disponível em:<http://www.cidades.gov.br/>, acesso em: 4 jan. 2018.

NEGRI, S. M. Segregação Sócio-Espacial: Alguns Conceitos e Análises. Coletâneas Do Nosso Tempo. Rondonópolis, 2008. n. 8. p. 129-153. Disponível em:<http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/coletaneas/article/view/108>. Acesso: 12 nov. 2018.

PRÉVÔT-SCHAPIRA, Marie-France; PINEDA, Rodrigo. Buenos Aires: la fragmentación en los intersticios de una sociedad polarizada. Eure, vol. XXXIV, n.103, p. 73-92, 2008. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0250-71612008000300004>, acesso: 23 ago. 2018.

RODRIGUES, A. L. A Ocupação Urbana da Região Metropolitana de Maringá: uma história de segregação. Rev. Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba. n.108, p. 61-86, 2005. Disponível em: <http://www.ipardes.pr.gov.br/ojs/index. php/revistaparanaense/article/view/ 96>. Acesso: 26 fev.2018.

RODRIGUES, A. L. A Pobreza Mora ao Lado: Segregação Socioespacial na Região Metropolitana de Maringá, 2004. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

RUBIRA, F. G. Análise multitemporal da expansão urbana de Maringá-PR durante o período de 1947 a 2014 envolvendo o Parque Municipal do Cinquentenário e as principais áreas verdes do município. Caderno de Geografia. Belo Horizonte. v.26, n.46, p. 333-361, 2016. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/P.23182962>, acesso: 14 janeiro. 2018.

SANTOS, M. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e Meio Técnico científico-informacional. 5ª ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SOUZA, M. L. ABC do desenvolvimento urbano. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

SPOSITO, M. E. B. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri; SOUZA, Marcelo Lopes; (org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p. 123-145.

SPOSITO, M. E. B: GÓES, E. M. Espaços Fechados e Cidades: Insegurança Urbana e Fragmentação Socioespacial. 1. ed. São Paulo: Unesp, 2013.

Publicado
2019-11-29
Seção
GT-3: Cidades médias e reestruturação urbana: tendências empíricas e desafios teóricos