DESAFIOS E IMPLICAÇÕES DA COMUNICAÇÃO TRANSVERSAL DOS ESTUDOS DE CIDADES

Resumo

A produção e a comunicação do conhecimento sobre os fenômenos urbanos é concentrada na interlocução entre pares, de acordo com os mecanismos convencionais do fazer científico acadêmico. A comunicação transversal, que abrange uma interlocução ampla com a sociedade, também deveria ocupar tempo e esforços dos investigadores científicos, a exemplo do que ocorre com os documentos científicos – teses, artigos –, posto que ela influencia as demais formas de comunicação científica, incluindo a que acontece na escola, e, muitas vezes, pauta o que circula socialmente a respeito das cidades.

Biografia do Autor

Daniella Barroso, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Mestre em Geografia pela Universidade de São Paulo e doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora de ensino médio no Centro Paula Souza, em São Paulo (SP).

Referências

ANCORI, Bernard. Vulgarisation scientifique, increasing knowledge gap et épistémologies de la comunication. Nouvelles perspectives en sciences sociales, Canada, v. 11, nº 2, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2019.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

BOTELHO, Adriano. O urbano em fragmentos: a produção do espaço e da moradia pelas práticas do setor imobiliário. São Paulo: Annablume, 2007.

COOPER, Becky. Mapping Manhattan: a love (and sometimes hate) story in mapas by 75 new yorkers. Nova York: Abrams Books, 2013.

ENTEL, Alicia. La ciudad y los miedos: la pásion restauradora. Buenos Aires: La Crujía, 2007.

EVANS, David S. Théorie et pratique de la vulgarisation scientifique. Paris: Unesco, 1950. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001542/154255fb.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

FRÚGOLI JR., Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez/Edusp, 2000.

GONZÁLEZ, Xosé M. Souto. Didáctica de la Geografía: problemas sociales y conocimiento del medio. 2. ed. Barcelona: Ediciones del Serbal, 1999. (Coleção La estrella polar, 11.)

JURDANT, Baudouin. A colonização científica da ignorância. Líbero, São Paulo, ano IX, nº 18, dez. 2006, p. 87-91. Disponível em: <http://seer.casperlibero.edu.br/index.php/libero/article/view/716>. Acesso em: 20 jun. 2019.

__________. Ciências e Comunicação. Grupo de Investigação do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa. Disponível em: <http://cfcul.fc.ul.pt/GI/EM/LI/EFC>. Acesso em: 20 jun. 2019.

__________. Falar a ciência? In: VOGT, Carlos (org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: Edusp, 2006. p. 44-55.

__________. Les problèmes théoriques de la vulgarisation scientifique. Strasbourg: Université Louis Pasteur (tese de doutorado), 1973.

__________. Science dite et interdite. Strasbourg: GERSULP, 1994. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2019.

KOWARICK, Lúcio. A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 13. ed. Campinas: Papirus, 2007.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Secretaria da Educação Básica, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2019.

NAVARRO PASTOR, Manuel. Um modelo pedagógico para la caracterización de las actividades de enseñanza de la ciencia. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, número extra VII Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias. Disponível em: <https://ddd.uab.cat/pub/edlc/edlc_a2009nEXTRA/edlc_a2009nExtrap186.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

__________. Um modelo taxonómico de las actividades de enseñanza de la ciencia como instrumento de formalización del metalenguaje del diseño didáctico. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, nº 36, v. 12, set.-dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2019.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Metrópole: sentidos de fragmentação. In: SILVA, Cátia Antonia da; OLIVEIRA, Anita Loureiro de; RIBEIRO, Ana Clara Torres (org.). Metrópoles: entre o global e as experiências cotidianas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012. p. 93-109.

SANTOS, Milton. Metrópole corporativa fragmentada. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2009.

SEABRA, Odette Carvalho de Lima. Os meandros dos rios nos meandros do poder - Tietê e Pinheiros: valorização dos rios e das várzeas na cidade de São Paulo. São Paulo: FFLCH-USP (tese de doutorado), 1987.

________. Urbanização: bairro e vida de bairro. Travessia: revista do migrante, ano XIII, nº 38, São Paulo, Centro de Estudos Migratórios, set./dez. 2000a, p. 11-17.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

TAYLOR, Peter J. World City Network: a global urban analysis. Londres: Routledge, 2004.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 2001.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-17: Geografia e Apropriação Urbana: Ensino de Cidade e das Comunidades Tradicionais