ESTADO, HABITAÇÃO E AUTOGESTÃO: ENTRE A COLONIZAÇÃO E O DIREITO À CIDADE

  • Guilherme da Costa Meyer Universidade de São Paulo (USP)

Resumo

O objeto desse artigo é a autogestão na habitação. Os objetivos desse trabalho são: 1) abordar as relações entre as transformações do capitalismo contemporâneo e a produção do espaço; 2) refletir sobre o papel do Estado na produção de habitação de interesse social na América Latina; 3) problematizar as experiências de alguns movimentos sociais latino-americanos que propõem a autogestão das moradias. A investigação foi organizada em duas etapas: 1) revisão bibliográfica: urbanização e habitação; 2) pesquisa comparativa sobre movimentos sociais que defendem o direito à moradia e à cidade. Apesar das demandas serem, do ponto de vista ideológico, potencialmente disruptivas, observa-se que, na experiência brasileira, os programas de habitação autogestionários tornaram-se uma política pública residual e de pouca visibilidade.

Biografia do Autor

Guilherme da Costa Meyer, Universidade de São Paulo (USP)
Gestor ambiental (USP) e mestrando do programa de pós-graduação em Mudança Social e Participação Política (EACH/USP).

Referências

ALVAREZ, I. P. Produção do espaço em tempos de crise. In: CARLOS, A. F. A. et al (org). Justiça espacial e o direito à cidade. São Paulo: Contexto, 2017, 192 p.

ALVES, G. Privação, justiça espacial e direito à cidade. In: CARLOS, A. F. A. et al (org). Justiça espacial e o direito à cidade. São Paulo: Contexto, 2017, 192 p.

CARLOS, A. F. A. A metrópole de São Paulo no contexto da urbanização contemporânea. Estudos Avançados, v. 23, p. 303-314, 2009.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2007, 116 p.

BONDUKI, N. Habitação e autogestão: construindo territórios de utopia. Rio de Janeiro: FASE, 1992, 181 p.

BOTELHO, A. Capital volátil, cidade dispersa, espaço segregado: algumas notas sobre a dinâmica do urbano contemporâneo. Cadernos Metrópole, v. 14, p. 297-315, 2012.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997, 238 p.

FERREIRA, R. F. Movimentos sociais, autogestão e a construção da política nacional de habitação no Brasil. In: LAGO, L. C. (org). Autogestão habitacional no Brasil: utopias e contradições. Rio de Janeiro: Letra Capital: Observatório das Metrópoles, 2012, 256 p.

_____________. Autogestão e habitação: entre a utopia e o mercado. 2014. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

LAGO, L. C. (org). Autogestão habitacional no Brasil: utopias e contradições. Rio de Janeiro: Letra Capital: Observatório das Metrópoles, 2012, 256 p.

_______________. Economia solidária e reforma urbana: caminhos para uma interação político territorial das práticas associativas. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 16, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, MG: ANPUR, 2015.

_______________. A produção autogestionária do habitat popular e a requalificação da vida urbana. In: CARDOSO, A. L. et al (org). Vinte e dois anos de política habitacional no Brasil: da euforia à crise. Rio de Janeiro: Letra Capital: Observatório das Metrópoles, 2016, 368 p.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014, 294 p.

MARICATO, E. . O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, 214 p.

____________. Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão Popular, 2015, 112 p.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013, 856 p.

PEREIRA, P. C. X. Dinâmica imobiliária e metropolização: a nova lógica do crescimento urbano em São Paulo. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales (Online), v. 9, nº 194 (10), 2005.

________________. Agentes imobiliários e reestruturação: interesses e conflitos na construção da cidade contemporânea. In: PEREIRA, P. C. X. Negócios imobiliários e transformações sócio-territoriais em cidades da América Latina. São Paulo: FAUUSP, 2011, 386 p.

ROLNIK, R. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015, 424 p.

RUFINO, M. B. C., PEREIRA, P. C. X. Segregação e produção imobiliária na metrópole latino-americana: um olhar a partir da cidade de São Paulo. In: LENCIONI, S. et al (org). Transformações sócio-territoriais nas metrópoles de Buenos Aires, São Paulo e Santiago. São Paulo: FAUUSP, 2011, 304 p.

SANTO AMORE, C. Assessoria e assistência técnica: arquitetura e comunidade na política pública de habitação de interesse social. In: II Seminário Nacional de Urbanização de Favelas, 2016, Rio de Janeiro.

STRECK, D. R.. Entre emancipação e regulação: (des) encontros entre educação popular e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação (Online), v.15, p. 300-310, 2010.

TATAGIBA, L.; TEIXEIRA, A. C. C. Efeitos combinados dos movimentos de moradia sobre os programas habitacionais autogestionários. Revista de Sociologia e Política (Online), v. 24, p. 85-102, 2016.

USINA. Luta por moradia e autogestão na América Latina: uma breve reflexão sobre os casos do Uruguai, Brasil, Argentina e Venezuela. In: Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES). Movimentos sociais, trabalho associado e educação para além do capital. São Paulo: Outras Expressões, 2012, 502 p.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-16: Produção e reprodução do espaço urbano- teoria e prática