SEGREGAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: NOTAS SOBRE O ENCARCERAMENTO E SELETIVIDADE POLICIAL

  • Mariana dos Santos Nesimi Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Resumo

Este artigo se propõe a pensar a questão do encarceramento em massa e sua utilização como um meio de controle das classes mais pobres. Em um primeiro momento, o estudo vai traçar um panorama geral sobre o início do sistema e sobre como ele foi exportado de outros países, intensificando e fixando-se, posteriormente, na periferia do capitalismo. Em seguida, apresentamos uma pesquisa elaborada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) que busca fazer uma relação entre o espaço urbano do município do Rio de Janeiro e encarceramento, abrindo uma discussão sobre a criminalização da pobreza. Por último, o artigo volta o seu olhar para o papel repressor assumido pelo estado do Rio de Janeiro, capaz de promover e intensificar processos de segregação socioespacial e marginalização de determinados grupos.

Biografia do Autor

Mariana dos Santos Nesimi, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Graduanda em Geografia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

BANCO NACIONAL DE MONITORAMENTO DE PRISÕES-BNMP 2.0. Cadastro Nacional de Presos. Conselho Nacional de Justiça, Brasília, 2018.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

CAVALLIERI, Fernando. LOPES, Gustavo Peres. Índice de Desenvolvimento Social - IDS: comparando as realidades microurbanas da cidade do Rio de Janeiro – Coleção de Estudos Cariocas, Rio de Janeiro, Nº 20080401. Abril – 2008.

COIMBRA, Cecília. Operação Rio: o mito das classes perigosas; um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro: Oficina do Autor; Niterói: Intertexto, 2001.

COSTA, Camila. 5 mapas e 4 gráficos que ilustram segregação racial no Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151109_mapa_desigualdade_rio_cc?fbclid=IwAR3jUOgg70SLOE6SyDwnjCPyIWQg7vxhGcEFVVYIctBseIDBSGBMq8wVz5s. Acesso em: 10 jun. 2019.

FERRAZ, Joana D‟Arc Fernandes. A Chacina de Vigário Geral: a violência como princípio. Rio de Janeiro, 2004.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (FBSP) e INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA (IPEA). Atlas da Violência - 2018. Rio de Janeiro, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sidra: Banco de dados. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 15 jun. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA (IPEA). Sidra: Banco de dados. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/>, acesso: 1 jun. 2019.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA – DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: Atualização - Junho de 2016. Brasília – DF, 2017.

THEODORO, Mario. A formação do mercado de trabalho e a questão racial no Brasil. In: Mário Theodoro (org). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA, 2008. P. 15-45.

WACQUANT, L. Os condenados da cidade. Rio de Janeiro: Revan Fase, 2001.

______ . Punishing the Poor. Durham, NC: Duke University Press, 2001.

______ . The curious eclipse of prison ethnography in the age of mass incarceration. Ethnography, 2002.

______ . Urban Outcasts: A comparative sociology of advanced marginality. Cambridge: Polity Press, 2008.

Publicado
2019-12-06
Seção
GT-9: A produção do urbano: abordagens e métodos de análise