A GEOGRAFIA DAS FAMÍLIAS NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS NOS ANOS 2000

Resumo

O presente trabalho visa propor um olhar sobre a geografia das famílias no Brasil metropolitano, considerando seus espaços de residência ao longo da estrutura urbana das grandes metrópoles nos anos 2000. Sabe-se que a população brasileira passa por mudanças importantes tais como a queda da fecundidade e a maior diversidade dos arranjos domiciliares. Os processos de formação de domicílios tornam-se mais complexos, com o crescimento de domicílios com um só morador, dos arranjos monoparentais e da corresidência de pais com filhos e netos. As metrópoles brasileiras, por sua vez, ao mesmo tempo em que apresentam espaços de vanguarda para alguns desses processos de mudanças demográficas, ainda acumulam uma importante dívida social, impondo novas complexidades para o entendimento da dinâmica das famílias e domicílios, o que justifica uma leitura mais apurada da geografia dos espaços intrametropolitanos de residência. Para isso, o trabalho serviu-se dos dados dos Censos Demográficos 2000 e 2010, o que permitiu uma leitura unificada, entre os diferentes contextos metropolitanos considerados, da composição dos arranjos domiciliares no Brasil metropolitano.

Biografia do Autor

Cimar Alejandro Prieto Aparicio, Universidade Estadual de Campinas.
Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó". Demografia.
Luiz Antonio Chaves de Farias, Universidade Estadual de Campinas
Núcleo de Estudos de População "Elza Berquó". Demografia

Referências

APARICIO, C. A. P. Família e pobreza segundo a “perspectiva das capacidades”: uma análise dos dados da PNAD e da PCV 2006. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Campinas, SP, 2012.

APARICIO, C. A. P.; BRUSSE, G. P. L. Demanda demográfica de viviendas: proyección de los arreglos residenciales hasta 2030 a partir de la población destinataria de un programa de vivienda social de la Compañía de Desarrollo Habitacional y Urbano (CDHU) en el estado de São Paulo. Notas de Población n. 107, 2018. p. 103-129.

BERQUÓ, E.; CAVENAGHI, S. Fecundidade em declínio: breve nota sobre a redução no número médio de filhos por mulher no Brasil. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 74, 2006. p. 11-15.

BILAC, E. D. Famílias de trabalhadores: estratégias de sobrevivência. São Paulo: Símbolo, 1978.

BILAC, E. D. Estruturas familiares e padrões de residência. Mimeografado. Campinas: Nepo/Unicamp, 2003.

BILAC, E. D. Trabalho e família: articulações possíveis. Tempo Social, v. 26, n. 1, 2014.

CALDEIRA, T.; Cidades de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo, Ed. 34-Edusp. 2000.

COSTA, H. (Org.) Novas periferias metropolitanas: a expansão metropolitana em Belo Horizonte: dinâmica e especificidades no Eixo Sul. Belo Horizonte: C/Arte, 2006.

CUNHA, J. M. P. da; FARIAS, L. A. C.; SILVA, K. A. A.; SILVA, D. S. F. Dinâmica Demográfica e Socioespacial no Brasil Metropolitano: convergências e especificidades regionais. Organizador: José Marcos Pinto da Cunha. São Carlos, EduFSCar, 2018. p. 299-319.

ELDER, G. H. Families and lives: some developments in life-course studies. Journal of Family History vol. 12 no. 1, March 1987. p. 179-199.

ELDER, G. H. The Life Course Paradigm: Social Change and Individual Development. In: Examining Lives in Context: Perspectives on the Ecology of Human Development, edited by Phyllis Moen, Glen H. Elder, Jr., and Kurt Lüscher. Washington: APA Press, 1995. p. 101-139.

FARIA, V. Cinquenta anos de urbanização no Brasil: tendências e perspectivas. Novos Estudos CEBRAP 29, São Paulo, 1991.

GEIST, C.; MCMANUS, P. Geographical Mobility over the Life Course: Motivations and Implications. In: Population, Space and Place 14, 2008. p. 283–303.

ITABORAÍ, N.R. Introdução. Revolução nas famílias, revolução das mulheres e desigualdade de classe. e Contextualização histórica: o passado e presente da “revolução das mulheres” no Brasil de uma perspectiva de longa duração. In: Mudanças nas famílias brasileiras (1976-2012). Uma perspectiva de classe e gênero. Rio de Janeiro: Garamond, 2017. p. 27-32; 125-170.

JANNUZZI, P. M. Indicadores sociais no Brasil. Campinas: Editora Alínea, 2001.

MACEDO, C. C. A Reprodução da desigualdade: o projeto de vida familiar de um grupo operário. IBGE, 1978.

MARTINE, G. A redistribuição espacial da população brasileira durante a década de 80. Rio de Janeiro: Ipea, 1994. (Texto para Discussão, 329).

MEDEIROS, M. A importância de se conhecer melhor as famílias para a elaboração de políticas sociais na América Latina. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, v. 22, 2000. p. 47-71.

MONTALI, L.; TAVARES, M. Família, pobreza e acesso a programas de transferência de renda nas regiões metropolitanas brasileiras. In: Revista Brasileira de Estudos de População, Campinas, v. 25, n. 2, p. 211-231, 2008.

OLIVEIRA, M.C.F.A.; MARCONDES, G.S; VIEIRA, J.M. Cinquenta anos de relações de gênero e geração no Brasil: mudanças e permanências. In: ARRETHE, M. (Org.). Trajetórias das Desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos 50 anos. São Paulo: Ed. Unesp, 2015. p. 309-334.

ROCHA, S. Transferência de renda no Brasil – O fim da pobreza? Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

RODRIGUEZ, J. Vulnerabilidad demográfica: una faceta de las desventajas sociales. Santiago de Chile: CEPAL, 2000.

SASSEN, S. The Global City. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2001.

SCOTT, A. J. Global city regions. Trends, theory, policy. Oxford University Press, 2001.

WAJNMAN, S. Demografia das famílias e dos domicílios brasileiros. 2012. Tese (Professor Titular) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2012.

Publicado
2019-11-28
Seção
GT-2: Metrópole, metropolização e dinâmica espacial contemporânea