OS CAMELÔS DE BELO HORIZONTE/MG NA PERSPECTIVA DA TERRITORIALIDADE URBANA

  • Rafael César Costa Silva Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)
  • Thiago Fantini Fernandes Sleumer Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)
  • Giuseppe Riva Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Resumo

O presente artigo pretende analisar a correlação espacial entre os camelôs de Belo Horizonte/MG e os órgãos estatais regulamentadores do espaço urbano. Ao longo da pesquisa, tomamos como referência os conceitos de território, territorialidade e identidade cultural. Os conceitos destacados fundamentam a (re)territorialização dos camelôs e o desenvolvimento da nossa breve análise, tendo em vista que muitos “comerciantes de rua” foram deslocados para os shoppings populares, em virtude do processo de remodelação da área central da capital mineira. Logo, para a execução da pesquisa, além do material bibliográfico que abarca o tema, foram realizadas entrevistas com alguns comerciantes informais de Belo Horizonte que se encontram nas ruas e também nos shoppings para entendermos esta dinâmica do uso do espaço urbano, as retaliações sofridas pelo Estado e a busca pelo direito à cidade.

Referências

CARLOS, A. F. A.; A (re)produção do espaço urbano. São Paulo: Edusp, 1994.

CARLOS, A. F. A.; O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH, 2007, 123p.

CARRIERI, A. P.; et al; De camelô a empreendedor? O impacto da mudança espacial na identidade dos ambulantes. Gestão.Org, v. 7, p. 273-291, 2009.

CORRÊA, R. L.; O Espaço Urbano. São Paulo. Editora: Ática, 1 edição, 1989.

CORRÊA, R. L.; Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

HELD, D.; et al.; Cidadania e autonomia. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, v. 22, n. 1, 2009.

JAYME, J. G.; NEVES, M. A.; Cidade e espaço público: política de revitalização urbana em Belo Horizonte. Caderno CRH (UFBA. Impresso), v. 23, p. 605-617, 2010.

JORNAL HOJE EM DIA; Camelôs voltam às ruas de BH em novo protesto contra proibição da atividade; Disponível em: <https://www.hojeemdia.com.br/horizontes/camel%C3%B4s-voltam-%C3%A0s-ruas-de-bh-em-novo-protesto-contra-proibi%C3%A7%C3%A3o-da-atividade-1.540501>, acesso: 05 jul. 2019.

RAFFESTIN, C.; Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RODRIGUES, L. O.; Identidade cultural; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/identidade-cultural.htm, acesso: 29 jun. 2019.

SANTOS, M.; A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2006.

SANTOS, M.; O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SILVA, M. V.; et al; O Comércio Informal, Políticas Públicas e Território Urbano Mossoroense. Revista Geotemas, V. 8, P. 42-56, 2018.

SIQUEIRA, L. P. R.; Proposta metodológica para a identificação de subcentros urbanos: estudo de caso na Região Metropolitana de São Paulo. Economia Aplicada (Impresso), v. 18, p. 139-165, 2014.

SOARES, S. A.; PEREIRA, L. C.; Dos Camelôs aos Shoppings Populares: a mudança de comportamento do consumidor final - caso Shopping Oiapoque. Mediação (Belo Horizonte), v. 12, p. 00-00, 2010.

SOUZA, M. J. L.; O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In Geografia: Conceitos e Temas. Orgs.: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L.; 15ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. 352p.;

Publicado
2019-12-05
Seção
GT-6: Território e ativismos sociais urbanos