DIMENSÃO ESPACIAL DA SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL URBANA

  • Letícia Xavier Corrêa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Clarice Maraschin Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Este artigo desenvolve uma análise espacial baseada em modelagem urbana e seu objetivo é analisar a dimensão espacial da segregação residencial urbana. Em termos específicos, aborda a cidade de São Leopoldo/RS, visando identificar a distribuição espacial da população por grupos de renda, identificar hierarquias espaciais através da metodologia da Sintaxe Espacial e comparar o desempenho espacial das áreas de moradia das altas e baixas rendas. Os resultados demonstram que São Leopoldo tem um padrão de distribuição de renda que ainda valoriza o centro como local de moradia, e que de forma geral os bairros de maior renda possuem privilégios de localização com maior integração configuracional. Pretende-se, contribuir com estudos sobre a segregação residencial, fornecendo subsídios metodológicos para o planejamento e o projeto urbano, na direção de políticas públicas voltadas à equidade.

Biografia do Autor

Letícia Xavier Corrêa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestranda em Planejamento Urbano e Regional (PROPUR) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pela linha de pesquisa Sistemas Configuracionais Urbanos. Arquiteta e Urbanista graduada pela Unisinos São Leopoldo (2016) e especialista em Cidades: Gestão Estratégica do Território Urbano pela Unisinos Porto Alegre (2018). Integra o Grupo de Pesquisa em Sistemas Urbanos (https://www.ufrgs.br/sistemas-urbanos/)
Clarice Maraschin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Departamento de Urbanismo, desde 2010. Possui doutorado em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009), mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela mesma instituição e graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Realizou pós-doutorado na Texas A&M University, Texas, EUA entre 2015-2016. Atualmente coordena o Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e regional PROPUR-UFRGS. Seus interesses de pesquisa são: estrutura espacial urbana, análise espacial, impactos urbanos, morfologia urbana, uso do solo, comércio, centros urbanos. Integra o Grupo de Pesquisa em Sistemas Urbanos (https://www.ufrgs.br/sistemas-urbanos/) 

Referências

BARROS, Ana Paula Borba Gonçalves, et al. A CONFIGURAÇÃO ESPACIAL PARA O DIAGNÓSTICO DOS ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL, 2009. In: Caracterização e Tipologia de Assentamentos Precários: Estudos de Caso Brasileiros. Brasília: IPEA, 2016.

BURGESS, E. The growth of the city: An introduction to a research project. In: PARK, R.; BURGESS, E. The city: Suggestions for investigation of human behaviourin the urban environment. Chicago: UniversityofChicago Press, 1925

DEPTHMAPX Development Team. (2017). DepthmapX (Versão 0.6.0) [Computer software]. Disponível em: https://github.com/SpaceGroupUCL/depthmapX/

GUIA do Censo 2010, Operação Censitária. IBGE Brasil, [S.I., 2010?]. Disponível em:<https://censo2010.ibge.gov.br/materiais/guia-do-censo/operacao-censitaria.html> Acesso em: 03 junho. 2019.

HILLIER, B e HANSON, J. The Social Logic of Space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

HOYT, H. The structure and growth of residential neighborhoods in American cities. Washington D.C.: United States Government Printing Office, 1939

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Resultados do Universo Agregados por Setor Censitário. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2011. Revisão de 02/22/2013. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Resultados_do_Universo/Agregados_por_Setores_Censitarios/>. Acesso: 25 de maio de 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades: São Leopoldo. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/sao-leopoldo/historico >, acesso: 23 jun. 2019.

KRAFTA, R. Notas de Aula de Morfologia Urbana. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2014.

LEGEBY, A. From housing segregation to integration in public space. In: Proceedings of the 7th International Space Syntax Symposium, Stockholm: Royal Institute of Technology. 2009.

QGIS. (2018). QGis (Versão 3.4-6 Madeira) [Computer software]. Disponível em: <https://www.qgis.org/pt_BR/site/forusers/download.html>

SCHELLING, T. C. Dynamic models of segregation. Journal of mathematical sociology, v. 1, n. 2, p. 143-186, 1971.

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul.. Disponível em: <https://atlassocioeconomico.rs.gov.br/regiao-metropolitana-de-porto-alegre-rmpa>, acesso: 23 jun. 2019.

VAUGHAN, L. The Spatial Syntax of Urban Segregation. Progress in Planning 67 (2007) 205–294

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. Studio Nobel: FAPESP: Lincoln Institute, 2001.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-14: Geotecnologias e Análise Espacial no espaço urbano