Grandes periferias e a centralidade periférica : consumo, economia urbana e vida de relações.

  • Daniel Pereira Rosa PCRJ_SME

Resumo

Atualmente uma das características da urbanização brasileira em regiões metropolitanas que merece destaque é a consolidação de centralidades para além do núcleo metropolitano. Estas ­– a qual chamamos centralidades periféricas, são caracterizadas pela instalação de equipamentos de consumo que tem se expandido nos últimos 20 anos. Cabe então salientar a relação entre centralidade, consumo e a vida de relações destas cidades. A premissa aqui apresentada é de que a oferta de bens e serviços tem condicionado a consolidação de centralidades fora do núcleo metropolitano e é neste sentido que pensar este processo nos compele pensar as centralidades não apenas como um conjunto de fixos na cidade, mas principalmente como elementos da economia urbana que fazem a ligação entre a circulação, centralidade e a vida de relações nas grandes periferias o que faremos tomando como exemplo, a cidade de São Gonçalo ­­– RJ.   

Biografia do Autor

Daniel Pereira Rosa, PCRJ_SME

Professor da rede Municipal do Rio de Janeiro .

Mestre em Geografia pela Universidade do EStado do Rio de Janeiro e Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo.

Desenvolve pesquisas com foco em grandes cidades periféricas, aglomerações urbanas, economia urbana e planejamento urbano.

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

CARLOS, A.F.A A. O consumo do espaço. In: Novos caminhos da Geografia, São Paulo: Editora Contexto, 1999.

CASTELLS, M. A questão urbana. Paz e Terra S.A, 1983.

CHRISTALLER, Walter. Central places in Southern Germany. New Jersey: Prentice Hall, 1933.

CONTEL, F. B. Território e Finanças: Técnicas, Normas e Topologias Bancárias No Brasil. Tese de Doutorado. FFLCH-USP, São Paulo, 2006.

LAGO, L. C. O mercado de trabalho na metrópole do Rio de Janeiro: a “periferia” que virou “centro”. ABEP. Caxambu, 2008.

_________. Olhares sobre a Metrópole do Rio de Janeiro: Economia, Sociedade e Território. 1ed.Rio de Janeiro: Letra Capital, 2010.

LENCIONI, Sandra. Observações sobre o conceito de cidade e urbano. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), (24), 109-123. 2008.

MONTENEGRO, Marina Regitz . Globalização, trabalho e pobreza no Brasil metropolitano. O circuito inferior da economia urbana em São Paulo, Brasília, Fortaleza e Belém. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

OJIMA, Ricardo, et al. Cidades-dormitório e a mobilidade pendular: espaços da desigualdade na redistribuição dos riscos socioambientais. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxmbú, 2008

PALMIER, L. São Gonçalo cinquentenário: história, geografia e estatística. Rio de Janeiro: IBGE, 1940.

RIBEIRO. A.C.T. Territórios da sociedade. Por uma cartografia da ação. In: Silva (org) Território e ação social: sentidos da apropriação urbana. Lamparina, Rio de Janeiro. 2011.

REYNAUD, Alain. Société, espace et justice. Paris, PUF, 1981.

ROSA, Daniel Pereira. De cidade – dormitório à centralidade da grande cidade periférica: trabalho, consumo e vida de relações de São Gonçalo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ). Tese de doutorado. FFLCH. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SANTOS, Milton. O Espaço Dividido. Os Dois Circuitos da Economia Urbana nos Países Subdesenvolvidos. Rio de Janeiro. Francisco Alves Editora. 1979.

______________. A urbanização brasileira. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

______________. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

______________. O espaço dividido. Os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: Edusp, 2004.

___________. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Edusp, 2007.

______________. Manual de geografia urbana. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS , E.C.B. e JÚNIOR,W.M.L. Centralidades na perspectiva da relação centro-periferia. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 21 (3): 351-359, dez. 2009

SANTOS, M; SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e Sociedade no Início do Século XXI. Editora Record. Rio de Janeiro, 2001

SENNET, R. A cultura do Novo Capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2011.

SILVEIRA, Maria Laura. UM país, uma região. Fim de século e modernindades na Argentina. FAPESP, São Paulo, 1999

_______________. Globalización y circuitos de la economia urbana en ciudades brasileñas. Cuadernos del Cendes. 2004

_______________. Finanças, Consumo e Circuitos da economia urbana na cidade de São Paulo. CADERNO CRH, Salvador, v. 22, n. 55, p. 65-76, Jan./Abr. 2009

________________. Circuitos de la economia urbana (org). Ensayos sobre Buenos Aires y São Paulo. Buenos Aires, Café de las ciudades, 2016.

SINGER, P. A economia dos serviços. Estudos CEBRAP. São Paulo ; CEBRAP, n.24, p. 127-135, 1979. Disponível em http: // www.cebrap.org.br /v2/files /upload /biblioteca_virtual / a_ economia_dos_servicos.pdf

SOBRAL, B.L.B . Ciclo de investimentos e o papel das estratégias de grandes agentes econômicos: O caso da periferia da Região Metropolitana do Rio de Janeiro – 1995- 2010. Universidade Estadual de Campinas. Tese de Doutorado, 2012.

SOJA, E. Geografias pós-modernas. Zahar, São Paulo, 1993.

WEINBERGER, David. A nova desordem digital: os novos princípios que estão reinventando negócios, a educação, a política, a ciência e a cultura. Campus Editora. Rio de Janeiro, 2007.

TAVARES, A. M. P. C. Centralidades Periféricas. Revista Iberoamericana de Urbanismo, nº10, 2013.

Publicado
2019-11-29
Seção
GT-4:­ Economia urbana, trabalho, comércio e consumo