METROPOLIZAÇÃO DO ESPAÇO E DESCONCENTRAÇÃO METROPOLITANA, NO RIO GRANDE DO SUL, UM ENFOQUE SOBRE A CIDADE-REGIÃO DE PORTO ALEGRE

  • Leonardo Oliveira Sassi Universidade Federal Do Rio Grande do Sul

Resumo

A metrópole de Porto Alegre e os núcleos urbanos do seu entorno conformam-se desde o final da década de 1960 como “área metropolitana”, influenciando e polarizando a organização territorial do estado do Rio Grande do Sul. Este artigo busca refletir sobre as transformações sócio-espaciais ocorridas nas primeiras décadas do século XXI no recorte espacial da cidade-região de Porto Alegre, composto pelas regiões metropolitanas e aglomerações urbanas que se estruturam no seu entorno. Baseamo-nos para essa análise nos dados socioeconômicos do Valor Adicionado Bruto (VAB) dos setores econômicos e no Índice de Potencial de Consumo Urbano (IPC). As conclusões da análise estatística e espacial apontam a permanência de centralidades urbanas tradicionais, ao mesmo passo que observamos uma desconcentração metropolitana através da tercearização que permeia todas as atividades produtivas.

Biografia do Autor

Leonardo Oliveira Sassi, Universidade Federal Do Rio Grande do Sul
Graduando em Geografia-Bacharelado, Bolsista de Iniciação Científica, Labaoratório do Espaço Social, Universidade Federal Do Rio Grande do Sul, Observatório das Metrópoles - Núcleo Porto Alegre.

Referências

BRENNER, N. Teses sobre a urbanização. e-metropolis. Ano 5, nº 19, 2014, p. 6-26. Disponível em: <http://emetropolis.net/system/edicoes/arquivo_pdfs/000/000/019/original/emetropolis_n19.pdf?1447896381>, acesso: 20 jun. 2019.

CARGNIN, A. P. et al. A ilusória desconcentração industrial gaúcha após a recente crise econômica. Geosul, Florianópolis, v. 34, n. 70, 2019, p. 113-131. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5007/2177-5230.2019v34n70p113>, acesso em: 03 mai. 2019.

GUDYNAS, E. Diez tesis urgentes sobre el nuevo extractivismo: Contextos y demandas bajo el progresismo sudamericano actual. In C.A.A.P. & C.L.A.E.S. (Eds.), Extractivismo, política y sociedad. Quito: Centro Andino de Acción Popular; Centro Latino Americano de Ecología Social, 2009. p. 187-225.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Regiões de influência das cidades. Rio de Janeiro: 2008. 207 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=240677>, acesso em: 14 mar. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Análise Detalhada sobre os Setores de Atividade Econômica 2010 - 2015. Rio de Janeiro: 2017. 18 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101579>, acesso em: 08 out. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Divisão Regional do Brasil em Regiões Geográficas Imediatas e Regiões Geográficas Intermediárias. Rio de Janeiro: 2017. 83 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produto Interno Bruto dos Municípios 2016. Rio de Janeiro: 2018. 30 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101630> acesso em: 17 mar. 2019.

LACERDA, N. Fragmentação e integração, movimentos de (re)estruturação das metrópoles brasileiras. In: RIBEIRO, A, C, T; LIMONAD, E; GUSMÃO, P, P. (Org.) Desafios ao planejamento, produção da metrópole e questões ambientais. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p. 21-42.

LENCIONI, Sandra. A emergência de um novo fato urbano de caráter metropolitano em São Paulo. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 82, 2005, p. 45-64.

LENCIONI, S. A Metrópole e Sua Lógica Capitalista Atual Face ao Regime de Acumulação Patrimonial. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 4, 2015, p. 149-158. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/1778>. Acesso em: 25 out. 2017.

MARICATO, E. É a questão urbana, estúpido! In: Cidades Rebeldes. Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013. p. 25 -34.

MARICATO, E. Metrópoles desgovernadas. Estudos Avançados, São Paulo v. 25, n. 71. 2011, p. 7-22. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142011000100002&lng=pt&nrm=iso>, acesso em 17 jun. 2018.

MOURA, R.; KLEINKE, M. L. U. Espacialidades de concentração urbana na rede urbana da Região Sul. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n. 95, 1999, p. 3-25. Disponível em <http://www.ipardes.gov.br/publicacoes/revista_pr/revista_pr_95.htm>, acesso em 10 jun. 2018.

RIBEIRO. L. C. Q. As metrópoles e o direito à cidade na inflexão ultraliberal da ordem urbana brasileira. Observatório das Metrópoles, Rio de Janeiro: 2017. 74p.

RIBEIRO, A. C. T.; SILVA, C. A. Impulsos globais e espaço urbano: sobre o novo economicismo. In: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (org.) El rostro urbano de América Latina. Buenos Aires, 2004. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/gt/20100930022258/16p6art3.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2018. p. 347-371.

ROLNIK, R. et al. O Programa Minha Casa Minha Vida nas regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas: aspectos socioespaciais e segregação. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 17, n. 33, 2015, p. 127-154. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S223699962015000100127&lng=pt&nrm=iso>, acesso em 23 nov. 2017.

SOARES, P. R. R.; SCHNEIDER, L. P. Notas sobre a desconcentração metropolitana no Rio Grande do Sul. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 39, n. 1-2, 2012, p. 113-128. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/37318/24100>, acesso em 20 nov. 2017.

SOARES, P. R. R; SCHNEIDER, M.; COSTA, A. M. F. De metrópole regional a cidade região: trajetórias sócio-espaciais da região metropolitana de Porto Alegre. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, 12. , Anais... Montevideu: 2009. Disponível em: <http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Geografiasocioeconomica/Geografiaurbana/176.pdf>, acesso em 20 ago. 2018.

Publicado
2019-11-28
Seção
GT-2: Metrópole, metropolização e dinâmica espacial contemporânea