GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE DAS ÁREAS DE DESIGUALDADE SOCIAL E ÁREAS DE INTERESSE AMBIENTAL EM SÃO CARLOS – SP.

  • Vitor Augusto Luizari Camacho Universidade Federal de São Carlos

Resumo

As desigualdades sociais e impactos ambientais estão cada vez mais presentes nas cidades brasileiras, diante deste cenário os estudos da relação do espaço urbano com meio ambiente vêm assumindo protagonismo. As geotecnologias têm servido de ferramenta e subsídio para analisar estas relações multidimensionais. O presente artigo tem como objetivo analisar, com dados dos anos de 2010 a 2016, áreas de desigualdade social e AIA - Áreas de Interesse Ambiental na cidade de São Carlos – SP, como estas se localizam e interseccionam no espaço urbano, produzindo cartografias do indicador da exclusão social para reconhecer os aspectos sociais, econômicos e de infraestrutura. E para reconhecer os aspectos ambientais indicadores de temperatura, relevo (hispometria), hidrografia (rios e nascentes) e cobertura vegetal por meio do índice de vegetação NDVI.

Biografia do Autor

Vitor Augusto Luizari Camacho, Universidade Federal de São Carlos

Geógrafo / Especialista em Geoprocessamento

Mestrando Programa de Pós-Graduaçãoe em Ciências Ambientais

Referências

CORRÊA, R. L. Diferenciação socioespacial, escala e práticas sócio-espaciais. Revistas Cidades, v.4, n.6, 2007, p. 61-72

______________. O espaço urbano. 4ª edição, 2ª reimpressão. São Paulo, Editora Ática, 2000.

____________. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: Um texto para discussão. Em: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, E. B. S (orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. 1 ed. 4 ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2016, p. 41 – 52.

CUNHA SOUZA, M. C. Diagnóstico da qualidade ambiental nas áreas verdes públicas em Presidente Prudente (SP). Dissertação (mestrado). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia - Presidente Prudente, 2016.

CUNHA, J. M. P.; JAKOB, A. A. E.; HOGAN, D. J.; CARMO, R. L. do. A vulnerabilidade social no contexto metropolitano: o caso de Campinas. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Nepo/Unicamp, 2006. p.143-168

ESCOREL, S. Vidas ao léu: trajetórias de exclusão social. Rio de Janeiro. Fiocruz. 1999.

HOGAN, D. J.; MARANDOLA JR., E. Para uma conceituação interdisciplinar da vulnerabilidade. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Nepo/UNICAMP, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). PNAD. Disponível em: <https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php> Acesso em: 11 junho de 2019.

JATOBÁ, S. U. S. Urbanização, Meio Ambiente e Vulnerabilidade Social. IPEA. Boletim regional, urbano e ambiental. 2011. p. 141-148.

LIMA, V. A Sociedade e a natureza na paisagem urbana: Análise de indicadores para avaliar a qualidade ambiental. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente - SP, 2013.

LINDO, P. V. F. Geografia e Política de Assistência Social: territórios, escalas e representações gráficas entre políticas públicas. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente - SP 2010

MALTA, F. S. Vulnerabilidade Socioambiental: Proposta Metodológica e Diagnóstico para o Município do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Planejamento Energético), UFRJ/COPPE, Rio de Janeiro – RJ. 2018.

MARTINELLI, M. Mapas da geografia e cartografia temática. 6. Ed, 2 ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). PNUD. Disponível: <http://www.br.undp.org/> Acesso em: 11 junho de 2019.

RODRIGUES, A. M. Produção e consumo do e no espaço: problemática ambiental urbana. São Paulo: Hucitec, 1998.

RODRIGUES, A. M. A matriz discursiva sobre o “meio ambiente”: Produção do espaço urbano – Agentes, escalas e conflitos. Em: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, E. B. S (orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. 1 ed. 4ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2016, p. 207 – 230.

ROLINK, R. Cidades sustentáveis: memória do encontro preparatório. In: Conferência sustentabilidade e gestão urbana, 1997.

SÃO CARLOS. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS. Plano Diretor Municipal de 2016. LEI Nº 18.053, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2016. Disponivel em: < https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-sao-carlos-sp>. Acesso em: 11 de junho de 2019.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. Editora HUCITEC: São Paulo, 1996.

__________. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1994.

SCHUTZER, J. G. Cidade e Meio Ambiente: a apropriação do relevo no desenho ambiental urbano. São Paulo: Edusp, 2012.

SPOSITO, M. E. B. Desafios para o estudo das cidades médias In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED IBEROAMERICANA DE INVESTIGADORES SOBRE GLOBALIZACIÓN Y TERRITÓRIO, Anais. Mendoza: UNCUYO - Universidad de Cuyo, 2010, p. 01-18.

SPOSITO, E. (coord.) Sistema de Informações para Tomadas de Decisão Municipal. Relatório de pesquisa do programa de políticas públicas da FAPESP. FCT/UNESP Presidente Prudente, 2000.

STEINBERGER, M. A (re)construção de mitos sobre a (in)sustentabilidade do (no) espaço urbano. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. Recife, Norma Lacerda, n. 4, maio de 2001, p. 9-32.

VIEIRA, A. B; NUNES, M; GUIMARÃES, R. B. Desigualdade e exclusão social em cidades médias brasileiras. Exclusão social em cidades brasileiras. Um desafio para políticas públicas. São Paulo. Ed. UNESP. 2010.

VILLAÇA, F. Reflexões sobre as cidades brasileiras. São Paulo. Studio Nobel. 2012.

WANDERLEY, Mariângela B. Refletindo sobre a noção de exclusão. In: SAWAIA, B. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis. Vozes. 2000.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-14: Geotecnologias e Análise Espacial no espaço urbano