REMOÇÕES NO RIO DE JANEIRO DO SÉCULO XIX E O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL

  • Patricia da Silva Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

O presente artigo apresenta a demolição dos três principais morros da cidade do Rio de Janeiro. Castelo, Senado e Santo Antônio tiveram importância no início da habitação carioca. Todos concentraram uma população que dependia da proximidade do Centro para o trabalhar e causaram forte impacto na transformação urbana da cidade num período em que o Rio de Janeiro buscava se modernizar. Através de suas demolições levou a ocupação de novas áreas da cidade, os subúrbios, e propiciaram parcerias entre o setor estatal e privado na transformação do solo urbano carioca, prática recente até os dias de hoje.

Referências

ABREU, Maurício de Almeida. Da Habitação ao Habitat: a questão da habitação popular no Rio de Janeiro e sua Evolução. Revista Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 2, p 47-58, abril, 1986.

ABREU, Maurício de Almeida. Pensando a Cidade no Brasil do Passado in Brasil: Questões Atuais da Reorganização do Território. In: CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (orgs). Brasil: Questões Atuais da Reorganização do Território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

ALOI, Florinda; MORENO, Francisco. apud Paixão, Claudia Miriam Quelhas. O Rio De Janeiro e o Morro do Castelo: Populares Estratégias de Vida e Hierarquias Sociais. Tese. (História) - Universidade Federal Fluminense - Niterói. 2006.

AQUINO, Lia de. Habitações Populares. 2.ed. Rio de Janeiro: Coleção Biblioteca Carioca, 1995.

BARROS, Paulo Cezar. As Grandes Intervenções na Área Central do Rio De Janeiro: A Geografia Histórica do Morro de Santo Antônio sob a Ótica dos Projetos Urbanísticos. Revista geo-paisagem, janeiro-junho. 2014. Disponível em: <http://www.feth.ggf.br/CentroRJ.htm>. Acesso em: 28 junho 2019.

GONÇALVES, Rafael Soares. A construção jurídica das favelas do Rio de Janeiro: das origens ao Código de obras de 1937. Revista Os Urbanistas, fev-2007, Disponível em: <http://www.osurbanitas.org/osurbanitas5/rafaelsgoncalves.html> Acessado em: 11 maio 2015.

IHGB, Coleção Carlos Sampaio, Lata 642, p 25 apud Pechman, Sergio e Fritsch, Lilian. A Reforma Urbana e seu Avesso: algumas considerações a propósito da modernização do distrito federal na virada do século. p. 140

KESSEL, Carlos. A Vitrine e o Espelho. 1 ed. Rio de Janeiro: Coleção Memória Carioca, 2001.

KOK, Gloria. O Rio de Janeiro na Época da Avenida Central. 1 ed. São Paulo: Bei Comunicação, 2005.

PECHMAN, Sergio; Fritsch, Lilian. A Reforma Urbana e seu avesso: algumas considerações a propósito da modernização do distrito federal na virada do século. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.5 n.8/9, p. 139-195, set.1984-abr.1985.

PIMENTEL, A. M. A. Subsídios para o Estudo de Higiene do Rio De Janeiro. Rio de Janeiro: Tipografia e Lit. de Carlos Gaspar da Silva, 1890. p.186-7 APUD CARVALHO, Lia de Aquino. Habitações Populares. 2.ed. Rio de Janeiro: Coleção Biblioteca Carioca, 1995.

ROCHA, Oswaldo Porto. A Era das Demolições. 2.ed. Rio de Janeiro: Coleção Biblioteca Carioca, 1995.

SEGRE, Roberto e Koatz, Gilson Kimenstein. Morro de Santo Antônio: Significado dos limites de um vazio urbano. Anais: Encontro Nacionais da anpur, Vol. 15, 2013. p. 2.

Publicado
2019-12-06
Seção
GT-8: Geografia histórica urbana