AS ÁGUAS E A MODERNIZAÇÃO URBANA: HIGIENISMO E BANHO DE MAR EM VITÓRIA, ES (DEC. 1850-1950)

  • Tatiana Caniçali Casado Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gustavo Zamproni Gomes Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender o papel do processo de modernização na relação do homem com as águas em Vitória (ES) entre meados do século XIX e meados do século XX. A partir de pesquisa bibliográfica, iconográfica, em periódicos, mensagens e relatórios de Governo, notou-se que, enquanto o higienismo estabelece ações de controle das águas no espaço urbano sob a alegação da saúde pública, o banho de mar, inicialmente difundido sob a mesma alegação, passa a assumir um caráter socioeconômico na Capital. Dessa forma, tanto o discurso higienista quanto a ressignificação do banho de mar atribuíram uma nova ordem socioespacial à relação homem-águas na Capital, marcada pelo apagamento da capilaridade hídrica, pela expansão do tecido rumo às praias e pela criação de novos hábitos urbanos de sociabilidade, tributários da modernidade.

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-10: Práticas culturais na produção da cidade