OS LIMITES DO PROGRAMA “MINHA CASA MINHA VIDA”: PRODUÇÃO ESPACIAL E SEGREGAÇÃO

  • Clara Ribeiro Ribeiro Silva UNIFAL-MG (Universidade Federal de Alfenas)

Resumo

As abordagens referentes à construção de moradia nas áreas periféricas urbanas, por meio da implementação de políticas habitacionais, estão diretamente relacionadas com a produção espacial desigual e contraditória das cidades. O ramo habitacional pode ser representado historicamente pelas disputas entre diferentes interesses e atores: os movimentos populares por moradia, o ramo empresarial de empreiteiras e aos próprios gestores dessa política. Esse artigo identifica os problemas, limitações e desafios de dois Conjuntos Habitacionais, “Residencial Jardim das Alterosas” e “Residencial Vale do Sol”, ambos localizados no bairro Recreio Vale do Sol, município de Alfenas, sul de Minas Gerais. A pesquisa empregou análise de importantes teóricos referenciais acerca do tema, coleta de dados primários e secundários, entrevistas semiestruturada e aplicação de questionários.

Palavras-chave: Minha Casa Minha Vida; segregação; produção espacial.

Referências

ARANTES, P. F.; FIX, M. Como o governo Lula pretende resolver o problema da habitação. Alguns comentários sobre o pacote habitacional Minha Casa, Minha Vida. Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, p. 151-160, 2009. Disponível em: <http://web.observatoriodasmetropoles.net/download/gthab/text_ref_outros/fix_e_arantes_MCMV.pdf>. Acesso em: dez. 2018.

BOLAFFI, Gabriel. Habitação e urbanismo: o problema e o falso problema. In: MARICATO, Ermínia (Org.). A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. Prefácio de Francisco de Oliveira. 2.ed. São Paulo: Alfa-omega, 1982. 116p., cap.2, p.37-70.

BONDUKI, N. G. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. 7ª ed. São Paulo: Estação Liberdade. FAPESP, 2017. 350p.

BOULOS, G. Por que ocupamos?: uma introdução à luta dos sem-teto. 2. ed. São Paulo: Scortecci, 2014.

CALDEIRA, T. P. do R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora Edusp, 2000.

CARLOS, A. F. A. A prática espacial urbana como segregação e o “direito a cidade” como horizonte utópico. In.: VASCONCELOS. Pedro A.; CORRÊA, Roberto L.; PINTAUDI, Silvana M. (orgs.) A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013. p. 95-110.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. 5ª ed. 5ª reimpressão. São Paulo: Centauro, 2001

__________. Revolução Urbana. 1ª ed. 3ª reimpressão. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 2008 [1970] 178 p.

LIMA, Márcia. O uso da entrevista na pesquisa empírica. In: Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais: Bloco Qualitativo. Sesc São Paulo/CEBRAP. São Paulo, 2016. p. 24-41.

ROLNIK, R. Guerra dos Lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

SACHS, C. São Paulo: Políticas Públicas e Habitação Popular. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1999. 121p.

SAMPAIO JUNIOR, P. A. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Revista Serviço Social e Sociedade. ed. nº 112. Cortez Editora: São Paulo, 2012. p.672-688.

SANTOS, M. Espaço e Método. 5ª ed. São Paulo: Edusp, 2014 [1985]. 118p.

SPOSITO, M. Encarnação B. Segregação socioespacial e centralidade urbana. In.: VASCONCELOS. Pedro A.; CORRÊA, Roberto L.; PINTAUDI, Silvana M. (orgs.) A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013. p. 61-93.

VASCONCELOS, P. de A. Contribuição para o debate sobre processos e formas socioespacias nas cidades.: VASCONCELOS. Pedro A.; CORRÊA, Roberto L.; PINTAUDI, Silvana M. (orgs.) A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013. p. 17-37.

VILLAÇA, F. O espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Nobel, 2001.

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-12: Estado, grandes projetos e planejamento corporativo