Espaço Urbano e Religião: sobre a espacialidade Evangélica e a dinâmica pentecostal na Baixada Fluminense

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar o processo de expansão religiosa dos evangélicos na Baixada Fluminense, enfatizando no segmento pentecostal. Buscando apontar suas origens e sua espacialidade no espaço urbano, a partir de uma investigação bibliográfica e dados oficiais disponibilizados IBGE - Censo 2000 e 2010.  Entendemos que o espaço e a religião se tornaram um binômio cada vez mais nítido na organização espacial das cidades, em especial, em áreas de extrema carência de infraestrutura. Tais manifestações se propagam via uma simbiose entre práticas sociais e perspectivas simbólicas, que apoiadas em uma reestruturação econômica e política na cidade abrem espaço para o aparecimento de novos templos. Nas últimas décadas do século XX presenciamos o avanço surpreendente dos evangélicos no Brasil bem como em vários países da América Latina, África e Ásia.  O que torna de suma importância o reconhecimento da lógica espacial da constituição de templos, bem como entender a evolução dos evangélicos, em especial dos pentecostais na periferia urbana do Rio de Janeiro [a Baixada Fluminense], uma vez que esta é uma das principais áreas de concentração de evangélicos pentecostais no Brasil 

Biografia do Autor

ANDRE Santos da ROCHA, UFRRJ
DOCENTE PERMANENTE DO PPGGEO-UFRRJ

Referências

ALMEIDA, Abraão de. História das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro, 2ªed: CPAD, 1982.

ALVES, José Cláudio Sousa. Dos barões ao Extermínio: uma história de violência na Baixada Fluminense. Duque de Caxias: APPH CLIO, 2003.

ALVES, J. E.D; CAVENAGHI, S.; BARROS, L.F.W. Estradas da fé: os caminhos da difusão das filiações evangélicas no Rio de Janeiro. XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em São Pedro/SP – Brasil, de 24 a 28 de novembro de 2014. Disponível em

http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/download/2128/2084> Acesso. 2 jul.2019.

BIRMAN, Patricia; MACHADO, Carly. Violência dos Justos: Evangélicos, mídia e periferia da Metrópole. RBCS Vol. 27 n° 80, pp.55-69, outubro/2012.

CORREA, R. L. A.; ROSENDAHL, Z. . Cultura, Espaço e o Urbano. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2006. v. 1. 165p .

CORREA, A. M.. Festa da Irmandade da Boa Morte: a disputa pelo seu sentido. In: Zeny Rosendahl; Roberto Lobato Corrêa. (Org.). Espaço e Cultura: Pluralidade Temática. 1ed.Rio de Janeiro: EdUerj, 2008, v. 15, p. 249-278.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 16ª ed. Petrópolis: Vozes, 2009

DAVIS, Mike. Planet of Slums. New Left Review, n.26, março/abril de 2004.

ELIADE, M. O Sagrado e o Profano. A essência das religiões. Lisboa: Editora Livros do Brasil, 1962.

ENNE, Ana Lúcia Silva. “Lugar, meu amigo, é minha Baixada”: Memória, representações sociais e identidades. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional/UFRJ (Tese de Doutorado), 2002

GIL, S. F. F. e GIL, A. H. C. “Identidade Religiosa e Territorialidade do Sagrado: notas para uma teoria do fato religioso”. In: Rosendahl, Z e Corrêa, R. L. (orgs.). Religião, Identidade e Território. Eduerj: Rio de Janeiro, 2001. pp. 39-56

GRACINO JUNIOR, Paulo; MARIZ, Cecília L. As igrejas pentecostais no censo de 2010. In. TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata. Religiões em movimento: o Censo de 2010. Rio de Janeiro: Vozes, 2013

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA. Censo 2000. Disponível em <http://www.ibge.gov.br> Data do acesso 27/julho/2005

LAGO, Luciana Corrêa. A "periferia" metropolitana como lugar do trabalho: da cidade-dormitório à cidade plena. In: Cadernos IPPUR/UFRJ/Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ano XXI, nº 2, p. 9 – 28, ago-dez 2007

LÉFÈBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: EDUFMG, 2004.

MACHADO, Mônica Sampaio. A Territorialidade Pentecostal: uma contribuição à dimensão territorial da religião.. Revista espaço e cultura . Rio de Janeiro: Uerj. V.n°4, p. 37-51, 1997(a)

_________________________.“A Lógica da reprodução pentecostal e sua expressão espacial”.In: SANTOS, Milton. O novo mapa do mundo: Fim de século e globalização. 3ªed. São Paulo: Hucitec. 1997(b)

OLIVEIRA, Leandro Dias. A emersão da região logístico-industrial do Extremo Oeste Metropolitano fluminense: reflexões sobre o processo contemporâneo de reestruturação territorial-produtiva, Espaço e Economia , 7 | 2015. Disponível emhttp://journals.openedition.org/espacoeconomia/1814 ; DOI : 10.4000/espacoeconomia.1814

OLIVEIRA. Rafael. da S. Baixada Fluminense novos estudos e desafios. Rio de Janeiro: Ed. Paradigma. 2004.

RODRIGUÉZ, Jean Carlos. A segregação urbana e o papel das igrejas evangélicas. VII colóquio Internacional de Geocrítica. Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/7-colrodrigues.htm>. Acesso 25 jun, 2005

ROCHA, André Santos da. Os efeitos da reestruturação econômica metropolitana na Baixada Fluminense: Apontamentos sobre o “novo” mercado imobiliário da região. Espaço e Economia: Revista Brasileira de Geografia Econômica, Ano 3, n.º 6, Janeiro / Junho de 2015. Disponível em:http://espacoeconomia.revues.org/1677. Acesso em: 10 de dezembro de 2015.

DOI : 10.4000/espacoeconomia.1677

_____________________. “Nós não temos nada a ver com a Baixada” - problemáticas de uma representação hegemônica na composição do território. Recôncavo: Revista de História da UNIABEU. Ano 3 Número 4, pp. 1-22 Janeiro – Julho, 2013.

_____________________. A expasão religiosas das Igrejas Protestantes pentecostais na Baixada Fluminense. In: MORAES. Marcio. V.; CAVALCANTE, Gilene M.. (Org.). Globalização e Marginalidade. Transformações Urbanas.. 01ed.NATAL/RN: EDUFRN, 2008.

ROSENDAHL,Zeny. Espaço e Religião: uma abordagem geográfica. Rio de Janeiro: 2ª ed. EdUERJ,2002

RIVEIRA, Paulo Barreira. Pluralismo Religioso e Secularização: Pentecostais na periferia da cidade de São Bernardo do Campo no Brasil. Revista de Estudos da Religião. pp. 50-76, março, 2010.

SEGADA SOARES, Maria Teresinha de . “Nova Iguaçu: absorção de uma célula urbana pelo Grande Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, vol. 2, n. 24, 1962

SIMÕES, Manoel Ricardo. A cidade Estilhaçada – Reestruturação Econômica e Emancipações Municipais na Baixada Fluminense. 2006. 290f. Tese (Doutorado em Geografia) – Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense, 2006.

SOUZA SANTOS, Douglas. “Não determinados” ? a pulverização evangélica e o problema metodológico do Censo Brasileiro. Diversidade Religiosa, João Pessoa, v. 8, n. 1, p. 03-23, 2018

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-10: Práticas culturais na produção da cidade