Políticas públicas e mobilidade urbana com bicicleta: a produção e espacialização da malha ciclovíária em Pelotas/RS

Resumo

 O presente trabalho, discute o reflexo da materialização das políticas públicas, no espaço urbano cicloviário de Pelotas, RS. A metodologia se propôs em identificar as ciclovias e ciclofaixas existentes, e entender quais políticas públicas estão, direta ou indiretamente ligadas na produção e fragmentação do espaço ciclável, pois entende-se que há dois níveis de políticas: nacional e local. A base teórica buscou identificar conceituar a produção e fragmentação do espaço discuti também questões ligadas ao Estado e política públicas, assim como a planejamento urbano voltado à mobilidade urbana. Posteriormente foi identificado e perioditizado a implementação das ciclovias e ciclofaixas em Pelotas. E como conclusão direciona-se em como esses processos tornaram a malha fragmentada.

Biografia do Autor

Márcio Daniel Lages Pinheiro, Universidade Federal do Rio Grande
Universidade Federal do Rio Grande, programa de pós-graduação em Geografia, Núcleo de Análises Urbanas.

Referências

BRASIL. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Lei nº 12.587. Brasília: Presidência da República, 2012.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL disponível em:http://www.brasil.gov.br/noticias/infraestrutura/2014/02/caixa-garante-mobilidade-urbana-em-pelotas-rs

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O Espaço Urbano: Novos Escritos Sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH, 2007.

CARLOS, Ana F. A.; SOUZA. M. L.; Sposito, M. E. B. A produção do espaço urbano.Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo. Ed. Contexto. 2011.

CARNOY, Martin. Estado e Teoria política. (equipe de trad. PUCCAMP) 2ª ed. Campinas: Papirus, 1988.

CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. disponível em: <http://www.denatran.gov.br/ctb.h>.

COMISSÃO EUROPÉIA. Cidades para Bicicletas, Cidades de Futuro. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2000.

CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. Ática: São Paulo, 2005.

Departamento Estadual De Trânsito Do Rio Grande Do Sul. Frota em circulação no RS. Dísponível em: http://www.detran.rs.gov.br/conteudo/27453/frota-do-rs.

FERREIRA, Mauro. Políticas Públicas de Mobilidade Urbana. Franca : UNESP-FCHS Nº 01–nov/2015.

GEHL, Jan. Cidade para pessoas. Perspectiva, São Paulo; 1ª edição, 2013.

GOTTDIENER, Mark. A produção social do espaço urbano. São Paulo: editora da universidade de São Paulo, 1997. 2ª ed.

GTZ – Deutsche Gesellschaft für technische Zusammenarbeit (Publisher) / Godefrooij, Tom; Pardo, Carlosfelipe; Sagaris, Cycling-Inclusive Policy Development. A Handbook. Eschborn, Utrecht. Lake (Editors) (2009):

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. (IBGE) https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/pelotas. Acesso em abril de 2019.

INSTITUTO DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE - IEMA. A Bicicleta e as Cidades: Como Inserir a Bicicleta na Política da Mobilidade Urbana. 2. ed. São Paulo: 2010.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

LEFEBREVE, Henri. La Produçion del Espaçio. Espanha, CAPITAN SWING II. 2013.

________________. O direito a cidade. São Paulo: Centauro. 2001.

Lei 4016/95, Pelotas Lei nº 4016 de 24 de novembro de 1995 DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO OBRIGATÓRIA DE CICLOVIAS EM VIAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/topicos/18142227/lei-n-4016-de-24-de-novembro-de-1995-do-municipio-de-pelotas

LEI Nº 5502, DE 11 DE SETEMBRO DE 2008. INSTITUI O PLANO DIRETOR MUNICIPAL E ESTABELECE AS DIRETRIZES E PROPOSIÇÕES DE ORDENAMENTO E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL NO MUNICÍPIO DE PELOTAS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Disponivel em:https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-pelotas-rs

LOJKINE, Jean . O Estado Capitalista e a Questão Urbana.

LUDD, Ned. Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. Tradução Leo Vinicius; ilustrações de Andy Singer]. 2. ed. rev. -- São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2005. -- (Coleção Baderna).

MARICATO, Erminia. Para entender a crise urbana. Expressão Popular; Edição: 1ª.2015.

SOUZA, Marcelo Lopes de.Fobópole: O medo generalizado e a militarização da questão urbana.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

PAUL, Virilío. Velocidade e Política. São Paulo: Estação Liberdade. 1995

PELOTAS, RS. Plano de Mobilidade Urbana de Pelotas. 2019.

PROGRAMA BRASILEIRO DE MOBILIDADE POR BICICLETA – BICICLETA BRASIL. Caderno de referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Brasília: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, 2007.

RAU, Sabrina Leal. Sistema Cicloviário e suas potencialidades de desenvolvimento: o caso de Pelotas / RS. Faculdade de Arquiterura e Urbanismo UFPel.Pelotas, 2013.

RODRIGUES, J. N. Políticas públicas e geografia: retomada de um debate. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 18, n. 1, p. 152-164, 2014.

SILVA, Alberto Urbani Ramos. Implementação de soluções de mobilidade suave nas ações do planeamento Caso de estudo–Cascais. Dissertação. Lisboa. 2017.

SOARES, P. R. R. (2001). Modernidade Urbana e Dominação da Natureza:o saneamento de Pelotas nas primeiras décadas do século XX. História em Revista, Pelotas, v.7.

SOJA, Edward. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 1993.

TRINDADE, Rodrigo. Avaliação do modal bicicleta para a redução da emissão de dióxido de carbono (CO2) em Curitiba/PR. Curitiba, 2016.

VASCONCELLOS, E. A. Transporte e meio ambiente: conceitos e informações para análise de impactos. São Paulo: Ed. do autor, 2006.

VILLAÇA, Flávio. A problemática do transporte urbano no Brasil. In: In.: SILVEIRA, Márcio Rogério (Org.). Circulação, transportes e logística: diferentes perspectivas. São Paulo: outras expressões, 2011.

VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo, Estação da Liberdade. 1996.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-16: Produção e reprodução do espaço urbano- teoria e prática