APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO NA PERIFERIA FLUMINENSE: A PRAÇA COMO EQUIPAMENTO DE LAZER

  • Daiana Novaes Gouvêa Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia UERJ

Resumo

A formação territorial de São João de Meriti sofreu influência do processo migratório de residentes cariocas que buscavam menor custo de vida, acarretando na conurbação com a atual capital fluminense, essa representada por um núcleo hipertrofiado e concentrador. Por compor a periferia metropolitana, o munícipio meritiense vivencia a escassez de recursos e investimentos. A Praça Getúlio Vargas é um exemplo remanescente de espaço público oferecido a esta população, onde a sociedade obtinha espaço para o lazer, manifestações culturais e políticas. Entretanto, a referida praça foi recentemente modificada no que tange à sua forma, alterando suas funções. Sendo este um município periférico, questionamos a atuação do Estado nesta porção do espaço carente de investimentos em lazer e de que maneira a intervenção ocorrida na praça agrega a população residente e conserva o patrimônio histórico do município.

Referências

ABREU, Maurício de Almeida. A evolução urbana do Rio de Janeiro. 4. Ed. Rio de Janeiro: IPP, 2008.

CALDEIRA, Júnia Marques. A praça brasileira -Trajetória de um espaço urbano: origem e modernidade. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de História do Instituto de Filosofia e História do Instituto de Filosofia e história do

Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2007.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. Sobre a gestão democrática da cidade: questões para o debate. GeoTextos, Salvador, v. 6, n.1, p. 179-189, 2010.

COSTA, M. C. Orçamento público e democracia local: entre o real e o Mito – Um estudo de caso sobre o município de São João de Meriti. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional), Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

FUNDREM. Unidades integradas de oeste: plano diretor de São João de Meriti. Cadernos de Estudos da FGV:IBGE, Rio de Janeiro, v.5, 1975.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA –IBGE. Censo

demográfico 1940-2010.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. MACEDO, S.S.; ROBBA, F. Praças brasileiras. São Paulo: Edusp, 2002.

MARAFON, Glaucio José et al. Geografia do Estado do Rio de Janeiro: da compreensão do passado aos desafios do presente. Rio de Janeiro: Gramma, 2011.

MARICATO, Ermínia. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias. ARANTES, Otília; VAINER, Carlos e MARICATO, Ermínia (Org.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Rio de Janeiro: Vozes, 3ª Ed, 2000.

MARX, Murilo. Cidade brasieira. São Paulo: Melhoramentos: Edusp, 2002.

PIRES, Hindenburgo. Planejamento e intervenções urbanísticas no Rio de Janeiro: a utopia do plano estratégico e sua inspiração catalã. Revista bibliográfica de geografia y ciências sociales, Vol. XV, nº 895 (13), 2010.

Prefeitura Municipal de São João de Meriti. Plano Diretor. 2006.

RIBEIRO, Miguel Angelo. Atividades terciárias e prostituição nos logradouros da cidade do Rio de Janeiro: os exemplos da Passos, Men de Sá e Graça Aranha. In: RIBEIRO, Miguel Angelo; OLIVEIRA, Rafael da Silva (orgs.). Território sexo e prazer –olhares sobre o fenômeno da prostituição na geografia brasileira. Rio de Janeiro: Gramma, 2011. p.103–126.

SANTOS, Angela Moulin Simões Penalva. Município, Descentralização e Território. Forense, 2008.

SEBRAE/RJ. Informações Socioeconômicas do Município de São João de Meriti. Rio de Janeiro, 2011.

TOURINHO, A. O. Centro e centralidade: uma questão recente. In: CARLOS, A. F. A; LIVEIRA, A. U. (ORGS.). Geografia das Metrópoles. 1ªed. São Paulo: Contexto, 2006, v. 01, p. 277-299.

VIERO, Veronica Crestani; FILHO, Luiz Barbosa. Praças públicas: origem, conceitos e funções. Jornada de pesquisa e extensão, 2009.

VILLAÇA, F. Espaço Intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/FAPESP/Lincoln Institute, 2001.

Publicado
2019-12-07
Seção
GT-11: Os lazeres na (re)produção do urbano