A SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL COMO CONDIÇÃO PARA A MOBILIADE PENDULAR: UMA ANÁLISE DO DISTRITO DE BENFICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.

  • Alex Baima Amaral Junior Universidade da Amazônia - UNAMA Graduando de Licenciatura em Geografia
  • Tainara Carvalho Garcia Miranda Filgueiras
  • Claudia do Socorro Carvalho Miranda

Resumo

A segregação residencial é decorrente das condições socioeconômicas dos indivíduos e está intrinsecamente relacionada a fatores históricos e culturais. Neste sentido a mobilidade pendular se apresenta como um meio para que os grupos sociais segregados tenham acesso à cidade. Assim, a presente pesquisa objetiva analisar as dificuldades encontradas pelos moradores das três localidades do distrito de Benfica, no município de Benevides, estado do Pará, na realização da mobilidade pendular dentro da Região Metropolitana de Belém. Desse modo a obtenção de dados se deu através de pesquisa de campo, que partiu da observação a fim de admitir a realidade da população que devido a segregação dos meios de vida urbana realiza diariamente a mobilidade pendular. Em seguida efetivou-se a aplicação de um questionário a 120 residentes do distrito de Benfica que diariamente utilizam o transporte público como meio de locomoção na Região Metropolitana de Belém em que a categoria de análise do fluxo pendular foi o trabalho. Dessa maneira, a partir da análise dos dados constatou-se que o movimento pendular diário ocorre pois os sujeitos da pesquisa estão inseridos em um contexto socioeconômico ao qual estão submetidos aos deslocamentos devido a possibilidade de moradia em áreas da região metropolitana com menor disponibilidades de equipamentos e serviços urbanos.

Referências

AMARAL, M. D.; SABINO, T. A metrópole e a região na Amazônia: uma análise da centralidade de Belém - DOI 10.5216/ag.v9i1.22674. Ateliê Geográfico, v. 9, n. 1, p. 138-162, 14 jul. 2014.

BEAUJEU-GARNIER, J. Geografia da população. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1980.

BENKO, G. Mundialização da economia, metropolização do mundo. Revista do departamento de geografia da USP, São Paulo, n. 15, p. 45-54, 2002.

CARLOS, Ana Fani alessandri. Da “organização” à “produção” do espaço no movimento do pensamento geográfico. In: A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios / Ana Fani Alessandri Carlos, Marcelo Lopes de Souza, Maria Encarnação Beltrão Sposito (organizadores). – 1 ed., 5ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2017.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH, 2007, 123p. Inclui bibliografia. 1. Espaço 2. Cidade 3.

CARMO, Monique Bruna Silva do; COSTA, Sandra Maria Fonseca da. A Expressão Metropolitana da Região Metropolitana de Belém: ainda há a Cidade Primaz? In: Anais do XVII ENANPUR, São Paulo, 2017.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo. Editora Ática S.A. 1989.

CORRÊA, R. L. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 2000.

CORRÊA, Roberto Lobato. Sobre Agentes Sociais, Escala e produção: um texto para discussão. In: A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios / Ana Fani Alessandri Carlos, Marcelo Lopes de Souza, Maria Encarnação Beltrão Sposito (organizadores). – 1 ed., 5ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2017.

COSTA, Marco Aurélio; TSUKUMO, Isadora Tami Lemos. Quarenta Anos de Regiões Metropolitanas no Brasil: um breve balanço exploratório. Brasília: IPEA 2013. Disponível em: Acesso em: junho de 2019.

CUNHA, J.M.P.; PESSINI, D. A metrópole e seus deslocamentos populacionais cotidianos: o caso da mobilidade pendular na Região Metropolitana de Campinas em 2000. Revista Latinoamericana de Poblácion. Año 1, No. 2. Enero/Junio, 2008. Disponível em: . Acesso em 16 de novembro de 2018.

DI MÉO, G. Introdução ao debate sobre a metropolização. Confins, São Paulo, n. 4, p. 2-11, 2008.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, Amazônias. 3. ed., 1ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2015.

HARVEY, D. L'urbanisation du capital. Actuel Marx, v. 1, n. 35, p. 41-70, 2004.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana / David Harvey; tradução Jeferson Camargo. – São Paulo: Martins Fontes – selo Martins, 2014.

MANSUR, Andressa V. et al. An assessment of urban vulnerability in the Amazon Delta and Estuary: a multi-criterion index of flood exposure, socio-economic conditions and infrastructure. Sustainability Science, p. 625–643, 2016.

MARICATO, Ermínia. Brasil, Cidades. Alternativas para a Crise Urbana. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOREIRA, Eidorfe. Belém e sua expressão geográfica. Belém: Imprensa Universitária/UFPA, 1966.

OLIVEIRA, José Ademir de. As pequenas cidades da Amazônia: espaços perdidos e

reencontrados. São Paulo: Contexto, 1999.

PACHECO, J. B.. O CONCEITO GEOGRÁFICO DE BAIRRO: uma aplicação à questão do Sítio Campinas/Basa e da Ilhinha. Revista de Políticas Públicas, v. 5, n. 1.2 (2001). Disponível em: <http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/3702>. Acesso em: 20 de março de 2019.

SAMSON, A. Le Rôle et les Instruments de la Planification Urbaine Face aux Mécanismes Fonciers et Immobiliers de Villes du Tiers-Monde. In: Durand-lasserv, Alain (org.) La croissance périphérique des villes du Tiers-Munde: le rôle de la promotion foncière et immobilière. Talence: GEGET – Travaux et Documents de Géografie Tropicale, 1980.

SILVA, A. L. de A..O uso do solo e a vulnerabilidade socioespacial no bairro do Montese belém-pa.In: XIII Simpósio Nacional De Geografia Urbana, 13, 2013, Rio de Janeiro – RJ. ANAIS XIII

SIMPURB - Simpósio Nacional De Geografia Urbana, Rio de Janeiro: UERJ, 2013. Disponível em: <https://docplayer.com.br/7612245-Uso-do-solo-e-a-vulnerabilidade-socio-espacial-no-bairro-do-montese-belem-pa-1.html>. Acesso em: 15 de março de 2019.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios / Ana Fani Alessandri Carlos, Marcelo Lopes de Souza, Maria Encarnação Beltrão Sposito (organizadores). – 1 ed., 5ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de. ABC do desenvolvimento urbano. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

TORRES, H. Medindo a segregação. In: MARQUES, E.; ______ (Org.). São Paulo: segregação, pobreza urbana e desigualdade social. São Paulo: Editora Senac, 2005.

TRINDADE JR., Saint-Clair Cordeiro. A cidade dispersa: os novos espaços de assentamentos em Belém. 1998. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

TRINDADE JÚNIOR, S.-C. Assentamentos urbanos e reestruturação metropolitana: o caso de Belém. GEOUSP: Espaço e Tempo (Online), n. 4, p. 39-52, 21 dez. 2006.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, Fapesp, Lincoln Institute, 2001.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Fapesp, Lincoln Institute, Nobel, 2000.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Fapesp, Lincoln Institute, Nobel, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado
2019-12-02
Seção
GT-5: Mobilidade, migração e espaço urbano