ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL A INUNDAÇÃO COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO URBANO

Resumo

O adensamento urbano e os graves problemas da falta de moradia das camadas baixas e médias da população vêm se agravando e, hoje, processos de risco associados à dinâmica fluvial têm gerado gastos significativos e preocupações à gestão pública. Em vista disso, o objetivo principal deste trabalho consiste no desenvolvimento de um procedimento de análise de vulnerabilidade social a inundação, com base em ferramentas simples, que dê suporte para a solução de alguns desses inconvenientes, de forma acessível mesmo a cidades com menor capacidade técnica e de investimento. Trata-se de uma análise multicritério, representada por um índice quantitativo, denominado Índice de Vulnerabilidade Social a Inundação (IVULSI), variável de 0 a 100, capaz de conjugar fatores relacionados  às características socioeconômicas da população da afetada.

Referências

ACSELRAD, H. Justiça ambiental e construção social do risco. Desenvolvimento e Meio ambiente, v. 5, p. 49-60, 2002.

ANAUT, Marie. A Resiliência. Ultrapassar os traumatismos. Climepsi Editores. Lisboa, 2005.157p.

BEZERRA, José Fernando Rodrigues. Geomorfologia e reabilitação de áreas degradadas por erosão com técnicas de bioengenharia de solos na bacia do rio Bacanga, São Luís – Ma. Rio de Janeiro: UFRJ/PPGG, 2011. (Tese/Doutorado).

BOTELHO, R. G. M. Bacias hidrográficas urbanas. In: GUERRA, A. J. T. (Org.). Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 71-115, 2011.

BRASIL. Estatuto da Cidade: guia para implementação pelos municípios e cidadãos. 2 ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2002.

BRASIL. Assentamentos precários no Brasil urbano. Secretaria Nacional de Habitação/Ministério das Cidades e Centro de Estudos da Metrópole / Cebrap, no âmbito do Projeto PNUD BRA/00/019 -2007a.

BRITTO, A.N.L.; BESSA, E.S. Sustentabilidade na gestão da água em áreas metropolitanas: perspectivas de avaliação. Seminário Nacional APPURBANA (Disponível em CD – ROM), São Paulo, 2007.

CAMARA, Gilberto; MEDEIROS, José Simeão de. Geoprocessamento para projetos ambientais. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos, 1998.

CANHOLI, Aluísio Pardo. Drenagem urbana e controle de enchentes. 2 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2014.

CARDOSO, R. L.S. Elaboração de indicadores de desempenho institucional e organizacional no setor público. São Paulo, CEPAM, 1999.

CARVALHO, Pompeu F. de; BRAGA, Roberto (orgs.) Perspectivas de Gestão Ambiental em Cidades Médias. Rio Claro: LPM-UNESP, p. 95-109, 2001.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2012. 2. ed. rev. ampl. Florianópolis: CEPED UFSC, 2013.

DE BONIS, A. IDU – Índice de Drenagem Urbana. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Gerenciamento de Recursos Hídricos Integrado ao Planejamento Municipal, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006 (Monografia).

DE PESSÔA, J.A. A Estrutura Janus. Integrando preferências, Modelos e Dados na Gestão de Bacias Hidrográficas. D.Sc., Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Rio de Janeiro, 2005.

DINIZ, Juarez Soares. A DINÂMICA DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SÓCIO ESPACIAL EM SÃO LUIS- MA: O caso da Vila Cascavel. São Luís: UFMA, 1999. (Dissertação de Mestrado).

EASTMAN, J. Ronald. Idrisi for Windows User’s Guide. Clark University, Worcester, M.A., U.S.A., 1977.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2 ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

ESPÍRITO SANTO, J.M. (Org.). São Luís:uma leitura da cidade. Prefeitura de São Luís – Instituto de Pesquisa e Planificação da Cidade, IPLAN. São Luís: Instituto da Cidade, 2006.

FAINSTEIN, Susan S. (2016). Urban planning. Encyclopaedia Britannica. Britannica Academic. Disponível:http://cademic-eb-britannica.ez29.períodicos,capes.gov.br/EBchecked/topic/619445/urbanplanning. Acesso: 07 jul. 2016.

FEITOSA, A.C. Evolução Morfogenética do Litoral norte da Ilha do Maranhão. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP. Rio Claro, 196 p. ,1989. (Dissertação de Mestrado)

FERREIRA, A.J. de A. A urbanização e a problemática ambiental em São Luís - MA. São Luís, 1993. (Monografia de Especialização).

FERREIRA, Rafael Malheiro da Silva do Amaral. Aproveitamento da energia das marés usina maremotriz do Bacanga, MA. Programa de Engenharia Oceânica. COPPE/UFRJ, 2007 (Dissertação de Mestrado).

FIGUEIRÊDO, Maria Clea Brito. et al. Avaliação da Vulnerabilidade Ambiental de Reservatórios à Eutrofização. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 399-409, out. 2007.

FUNASA. Manual de Saneamento, Brasília, 2004.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional municipal no Brasil 2010. Centro de Estatísticas e Informações - Belo Horizonte, 2013.

GARCIA, M. Política urbana e a questão habitacional. Caderno de Direito Constitucional e Ciência Política, v.6, n.22, p. 72-96, jan/mar, 1998.

GARCIA, F. e REBELO, A.M. Déficit Habitacional e Desigualdade da Renda Familiar no Brasil. Revista de Economia aplicada, vol. 6, n.3. São Paulo, 2002.

INTISTUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INTISTUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

INTERNATIONAL STRATEGY FOR DISASTER REDUCTION - ISDR. Hyogo Framework for Action 2005-2015: Building the resilience of nations and communities to disasters. 2007.

JHA, A.K., MINER, T.W., STANTON-GEDDES, Z. Building Urban Resilience Principles, Tools and Practice. Washignton DC, 2013. Disponível em: http://www.gfdrr.org/sites/gfdrr/files/publication/Building_Urban_Resilience.pdf. Acesso: 27 abr. 2016.

JORGE, Maria do Carmo Oliveira. Geomorfologia urbana: conceitos, metodologias e teorias. In: GUERRA, José Teixeira (org.) Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 280p., 2011.

KAZTMAN, R. Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos. Revista de la CEPAL, Santiago do Chile, n.75, p.171-189. dec. 2001.

KRON, W. Keynote leture: Flood risk = hazard x exposure x vulnerability. Proceedings of Second International Symposium of Flood Defense, Beijing, pp 82-97, 2002.

KÖPPEN, W. Climatologia: com um estúdio de los climas de la tierra. Publications. In: Climatology. Laboratory of Climatology, New Gersey. 104p., 1948.

LOPES, J.A.V. São Luís: história urbana. In: LOPES, J.A.V. (Coord.). São Luís, Ilha do Maranhão e Alcântara: Guia de Arquitetura e Paisagem. ED. Bilíngue. Sevilla, Espanha: Consejería de Obras Públicas y Transportes, Dirección General de Arquitetura y Vivienda, Junta de Andalucía, 2008.

LORENZETTI, M.S.B. A moradia como objeto de política federal. Caderno Aslegis, v.3, n.8, p.26-31, mai/ago, 1999. Disponível: http://apache.camara.gov.br/portal/arquivos/camara/internet/publicações/estnottec/pdf/1070775.pdf Acesso:03 mai. 2016.

MAANTAY, J.; ZIEGLER, J. GIS for the urban enviromment. Redlands, ESRI Press., 2006.

MACEDO, Lúcio Antônio Alves de. A urbanização da ilha de São Luís e seus impactos ambientais nos recursos hídricos. São Luís: EDUEMA, 2011.

MACHADO, M.L.; NASCIMENTO, N.; BAPTISTA, M.B., et al. Curvas de danos de inundação versus profundidade de submersão: desenvolvimento de metodologia. In: Revista de Gestão de Água da América Latina - Rega, Porto Alegre, v.2,n.1,p.35-52, 2005.

MALTA, V.F. A busca de uma solução de compromisso em problemas de conflitos em recursos hídricos utilizando um Modelo de Análise de Conflito - MACPROL. D.Sc. Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Rio de Janeiro,2006.

MARANDOLA JR., E.; MARQUES, C.; DE PAULA, L.T.; CASSANELI, L. B. Crescimento urbano e áreas de risco no litoral norte de São Paulo. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 35-56, jan. /jun. 2013.

MARANDOLA JR., E. Quatro razões para não falar sobre desastres ambientais urbanos. In: MARTINE, G. et al. (Orgs.). População e sustentabilidade na era das mudanças ambientais globais: contribuições para uma agenda brasileira. Belo Horizonte: Abep, p. 151-161, 2012.

MATHER, P.M. Computer processing of remotely-sensed images. Chichester: John Wiley, 352 p., 1987.

MARANHÃO. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Diagnóstico ambiental da microrregião da aglomeração urbana de São Luís e dos Municípios de Alcântara, Bacabeira e Rosário. São Luís, 1998.

MARCELINO, E. V. Desastres Naturais e Geotecnologias: Conceitos Básicos. Caderno Didático nº 1. INPE/CRS, Santa Maria, 2008.

MAZZEI, K. Manejo de unidades de conservação em áreas urbanas: desapropriação e incorporação de novas áreas. In: Anais do III Simpósio Brasileiro de Unidades de Conservação. Vol. I. p. 177-186. Ceará, 2002.

MCNALLY, Richard; BRYANT, Richard; EHLERS, Anke. “Does early psychological intervention promote recovery from post traumatic stress? ” Psychological Science in the Public Interest Sage Journals on line, 4,p. 45-79, 2003.

MENDOZA, G.A; MACOUN, P. “The Criteria and Indicators Toolbox Series”. In: Guidelines for Applying Multi-Criteria Analysis to the Assessment of Criteria and Indicators, v.9. Center for Internacional Forestry Research, 1999.

MESSNER, F.; MEYER, V. “Flood Damage, vulnerability and risk perception-challenges for flood damage Research”. In: Floodsite discussion paper, Leipzig, Alemanha, 2005.

MICHELS, C. et al. Avaliação de risco à saúde humana em terminais de armazenamento de petróleo e derivados: estudos de casos. XIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneos. Cuiabá, 2004.

MIGUEZ, M.G. Modelo Matemático de Células de Escoamento para Bacias Urbanas. Tese de D.Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2001.

MIGUEZ, M.G.; MASCARENHAS, F.C.B.; MAGALHÃES, L.P.C. Multifunctional landscapes for urban flood control in developing countries. In: Second International Conference on Sustainable Planning & Development, Bologna/Italy. Proceedings of the Sustainable Planning/ Southampton and Boston: WItpress - Wessex Institute of Technology,2005.

MIGUEZ, M.G., MAGALHÃES, L.P.C. Urban Flood Control, Simulation and Management: an Integrated Approach, 2010.

MIGUEZ, Marcelo Gomes; VERÓL, Aline Pires; REZENDE, Osvaldo Moura. Drenagem Urbana: do projeto original à sustentabilidade. 1 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

MILLETI, Dennis. Disaster by Design. Washington, DC: Joseph Henry Press, 1999.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Anuário brasileiro de desastres naturais: 2013. Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres. Brasília: CENAD, 2014.

MONTEIRO, Simone Rocha da Rocha Pires. O marco conceitual da vulnerabilidadesocial. Sociedade em Debate, 17 (2): 29- 40. Pelotas,2011.

MORAIS, M. da. Políticas sociais: breve diagnóstico sobre o quadro atual da habitação no Brasil. IEPA: Brasília, DF, 2002.

MOREIRA, M.A. Tratamento de Dados Digitais. In: MOREIRA, A.P. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. Cap. 16 p. 263-288 .Viçosa: Editora UFV, 2003.

MONTE-MÓR, R.L.M. Planejamento urbano no Brasil: emergência e consolidação. Revista Eletrônica de Ciências Humanas e Sociais, vol. 1, nº 1 (4), p71-96, 2007

MOTTA, D. M. Gestão do Uso do Solo Disfunções do Crescimento Urbano, Volume 1: Instrumento de Planejamento e Gestão Urbana em Aglomerações Urbanas: Uma análise Comparativa, Brasília, 2002.

NAÇÕES UNIDAS (UNISDR). Estratégia Internacional para Redução de Desastres: o desastre sob o enfoque de novas lentes: para cada efeito, uma causa / Brigitte Leoni, Tim Radford, Mark Schulman; tradução Sarah Marcela Chinchilla Cartagena. São Paulo: CARE Brasil, 2012.

NASCIMENTO, N.O.; BATISTA, M.B. e DE SOUZA, V.C.B. Sistema Hidrourb para o pré-dimensionamento de soluções compensatórias em drenagem urbana. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, CD-Rom, art. 330, Vitória, ES.,1997.

NORRIS, G. A. The requirement of congruence in normalization. International Journal of Life Cycle Assessment, v. 6, n. 2, p. 85-88, 2001.

NORRIS, Fran; STEVENS, Susan; PFEFFERBAUM, Betty; WYCHE, Karen; PFEFFRBAUM. Rose Community Resilience as a Metaphor. Theory set of capacities and Strategy for disaster readiness. “ American Journal of Community Psychology 41: 127-150, 2008.

NATIONAL DISASTER EDUCATION COALITION. (2004). Talking about disaster: Guide for standard messages. Washington, D.C. Disponível: www.disastereducation.org/guide.html. Acesso: 01 ago. 2016.

NWS/NOAA - NATIONAL WEATHER SERVICE/NATIONAL OCEANIC ATMOSFERIC ADMINISTRATION. Glossary, 2004.Disponível: http://www.nws.noaa.gov/glossary/. Acesso: 10 dez. 2015.

OECD. Core Set of Indicators for Environmental Performance Reviews – a synthesis report by the Group on the State of the Environment. Environmental Monographs. n.83. Paris, OECD,1993.

OLAVE, D. C. S. “Sumário de indicadores e índices relacionados con la evaluación de la vulnerabilidad, la amenaza y el riesgo por eventos naturales”. In: Programa de Información e Indicadores de Gestión de Riesgos de Desastres Naturales, BID – CEPAL – IDEA, Operación ATN/JF-7907-RG, Manizales, Colombia, 2003.

OLIVEIRA, Fernanda A.; MELLO, Eloy L.; CALIJURI, Maria L.; GUIMARÃES, André O. Identificação e discriminação de áreas urbanas no entorno urbano de Ipantiga, Brasil. Revista Internacional de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. vol.7 (1) 59,2006.

ONU HABITAT. Estado de las ciudades de América Latina y el Caribe, 2012. Programa de las Naciones Unidades para los Asentamentos Humanos, ONU HABITAT, 2012.

PRASAD, N.; RAHGHIERI, F.; SHAH, F.; TROHANIS, Z.; KESSLER, E.; SINHA, R. Climate resilient cities: a primer on reducing vulnerabilities to disasters. Washington: The World Bank, 2009.

PARDALOS, P. M.; SISKOS, Y.; ZOPOUNIDIS, C. Advances in multicriteria analysis. Nonconvex Optimization and its Aplications, v. 5. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 249p, 1995.

PARDO, Johana Andrea Rodriguez. Metodologia para análise e gestão de riscos em pavimentos ferroviários. Dissertação (Mestrado) - Escola de Minas, NUGEO, Universidade Federal de Ouro Preto, MG, 2009.

PEREIRA, AMS. Resiliência, personalidade, stress e estratégias de coping. In: Tavares J, (org.). Resiliência e educação. 2ª ed. p. 77-94. São Paulo: Cortez; 2001.

PEREIRA, E. D. Avaliação da vulnerabilidade natural à contaminação do solo e do aquífero do reservatório Batatã – São Luís (MA). Rio Claro: UNESP. 2006. (Tese de Doutorado).

PEREIRA, E.D.; ZAINE, J.E. Mapa Geológico - Geotécnico da bacia do rio Bacanga, São Luís (MA). São Paulo: UNESP, Geociências, v.26, n.1, p.45-54, 2007.

POMPERMAYER, Raquel de Souza. Aplicação da análise multicritério em gestão de recursos hídricos: simulação para as bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, SP: [s.n.], 2003.

POMPÊO, C.A. Drenagem Urbana Sustentável. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.5, n.1, p.15-23, 2000.

PORATH, S. L. A paisagem de rios urbanos: a presença do Rio Itajaí-Açu na cidade de Blumenau. 150f. Mestrado em Arquitetura e Urbanismo – UFSC. Santa Catarina, 2004. (Dissertação de Mestrado).

PREFEITURA DE SÃO LUÍS. Plano Diretor do Município de São Luís: Lei 4669 de 11 de outubro de 2006. São Luís: Secretaria Municipal de Governo, 2006.

PREFEITURA DE SÃO LUÍS. Zoneamento, Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo Urbano: Lei 3.253 de 29 de dezembro 1992. São Luís: Secretaria Municipal de Governo, 1992.

RANGEL, M.E.S. Contribuição dos dados integrados dos sistemas sensores TM/Landsat-5 e ERS-1/SAR para o estudo de uso e cobertura da terra no nordeste da ilha do Maranhão. São José dos Campos: INPE, 112p., 2000.

REINALDO JUNIOR, B. Formação do espaço urbano de São Luís: 1612 – 1991. 2ª Ed.: Editora do Autor, FUNC., São Luís, 2001.

RICHARDS, J.A. Remote sensing digital image analysis: an introduction. 3.ed. Berlin: Springer-Verlag, 340 p., 1995.

ROBAINA, L.E.S Espaço urbano: relação com acidentes e desastres naturais no Brasil. Ciências e Natureza, UFSM, 30 (2): 93-105, 2008.

ROCHA, C. H. B. Geoprocessamento: Tecnologia Transdiciplinar. Juíz de Fora, MG: Ed. Do Autor, 220p., 2000.

SAATY, T. L. The Analytic Hierarchy Process. McGraw-Hill, New York, 1980.

SANTOS, Orlando Alves dos; MONTANDON, Daniel Todtmann (orgs.). Os planos diretores municipais pós -estatuto da cidade: balanço crítico e perspectivas. Rio de Janeiro: Letra Capital: Observatório das Cidades: IPPUR/UFRJ, 2011.

SANTOS, R.N.C. Enquadramento das Análises de Risco em Geotecnia. Laboratório Nacional de Engenharia Civil – LNEC: Dissertação (Mestrado). Lisboa, 2007.

SHUTZER, J. Cidade e Meio ambiente: a apropriação do relevo no desenho ambiental urbano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

SINGER, Paul. Economia Política da Urbanização. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SILVA, Q.D. da. Dinâmica do processo de periferização em São Luís - MA. São Luís, 1995. (Monografia de Graduação).

STARR, C. "Social benefit versus technological risk: what is our society willing to pay for safety?" Science, 165:1232-38,1969.

TECLE, A.; DUCKSTEIN, L. Concepts of Multicriterion Decision Making. In: Bogardi, J. J.; Nachtnabel, H.-P. (eds) Multicriteria Decision Analysis in Water Management, 1st ed, Chap.3, Paris, Unesco, 1994.

TOBIN, G. A; MONTZ, B. E. Natural hazards: explanation and integration. New York: The Guilford Press. 388 p, 1997.

TORONTO AND REGION CONSERVATION. Water Budget Discussion Paper, Gartner Lee Ltd, Toronto. 37p., 2006. Disponível em: http://www.sustainabletechnologies.ca. Acesso em: 02 mai. 2016.

TROVÃO, J.R. Transformações sociais e econômicas no espaço rural da Ilha do Maranhão. Doutorado em Organização do Espaço - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP. Rio Claro, 235 p.,1994.

TUCCI, C.E.M. Aspectos Institucionais no Controle de Inundações. I Seminário de Recursos Hídricos do Centro Oeste. Brasília, 1999.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: ciência e aplicação. 2. ed. Porto Alegre, RG: UFRGS, 2001.

TUCCI, C.E.M. Inundações Urbanas na América do Sul. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2003.

TUCCI, C.E.M. Gestão das inundações urbanas. Porto Alegre, 2005.

TUCCI, C. E. M. Urban Flood Management. Global Water Partnership, WMO – World Meteorologic Organisation, Cap-Net. Maio, 2007

UFMA/LABOHIDRO. Zoneamento costeiro do Estado do Maranhão. (Relatório Técnico). São Luís, 286 p, 2003.

UNITED NATIONS. World Urbanization Propects: The 2009 Revision. New York, NY: UM Department of Economic and Social Affairs, Population Division, 2009.

UN-ISDR. International Strategy for Disaster Reduction. Terminology on Disaster Risk Reduction, 2009. Disponível em http://www.unisdr.org. Acesso: 27mar 2016.

UNISDR (United Nations Internacional Strategy for Redution). Global Assessment Reporton Disaster Risk Redution: Revealing Risk. Redefininng Development Geneia, 2011. Disponível: http://www.unisdr.org/we/inform/Publications/19846. Acesso: 15 mar 2016.

UNISDR (2012) Como Construir Cidades Mais Resilientes - Um Guia para Gestores Públicos Locais, United Nations International Strategy for Disaster Reduction, Geneva.

VULNERÁVEL. In: SÉGUIER, Jaime de. Dicionário prático ilustrado. Porto: Chardron, 1935. p., 1779.

XAVIER DA SILVA. Jorge. Geomorfologia, Análise Ambiental e Geoprocessamento. Revista Brasileira de Geomorfologia.vol.1, nº1, p.48-58, 2000.

ZANIRATO, S. H. et al. Sentidos do risco: interpretações teóricas. Biblio 3W, Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, v.XIII, n.785, 2008. Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/b3w-785.htm> Acesso em: nov. de 2016.

ZONENSEIN, J. Índice de risco de cheia como ferramenta de gestão de enchentes. Dissertação de Mestrado em Ciências em Engenharia Civil. COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

ZUFFO, A. C. Seleção e aplicação de métodos multicriteriais ao planejamento ambiental de recursos hídricos. 301p. Tese de Doutorado – Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Engenharia Civil, São Carlos. 1998.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-14: Geotecnologias e Análise Espacial no espaço urbano