A TERRITORIALIZAÇÃO DO CAPITAL NO BRASIL E O RISCO AMBIENTAL E EXISTENCIAL PARA OS PESCADORES ARTESANAIS: O INÍCIO DE UM DEBATE

  • Vinicius Francisco Marchese
  • Viviane Mozine Rodrigues Doutora em Ciências Sociais com ênfase em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, mestre em Planejamento Regional e Gestão de Cidades pela Universidade Cândido Mendes - RJ e graduada em Economia pela Universidade Vila Velha - ES. Exerce o cargo de Coordenadora Geral no projeto Redes de Cidadania. O projeto é uma medida de mitigação exigida pelo processo de licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama e formalizado por meio do convênio 5400.0107359.18.04 firmado entre a Universidade Vila Velha UVV-ES e a Petrobras.
  • Suelem Simão Alves Celante

Resumo

A territorialização do capital vem assumindo novos contornos em meio ao desenvolvimento neoliberal pós década de 1980, especialmente no que tange a sua faceta neoextrativista, que se alastra pelas mais recônditas regiões brasileiras. Sendo assim, o intuito deste artigo perpassa a compreensão de alguns mecanismos presentes na relação político-econômica, bem como a forma com que essa territorialização se manifesta em meio às comunidades de pescadores artesanais, promovendo perdas territoriais e danos ambientais para estes, os quais se consubstanciam em riscos e danos existenciais à reprodução de seu gênero de vida. Portanto, tais abordagens, aqui firmadas, visam ser um primeiro passo para debates que tendem a se aprofundar em futuros trabalhos sobre essa realidade e como ela se materializa nas comunidades presentes no Estado do Espírito Santo.

Biografia do Autor

Vinicius Francisco Marchese
Doutorando em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo, graduado e mestre em Geografia pela mesma instituição. Exerce o cargo de Coordenador Pedagógico no projeto Redes de Cidadania. O projeto é uma medida de mitigação exigida pelo processo de licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama e formalizado por meio do convênio 5400.0107359.18.04 firmado entre a Universidade Vila Velha UVV-ES e a Petrobras.
Suelem Simão Alves Celante
Mestre em Sociologia Política pela Universidade Vila Velha - ES, graduada em Relações Internacionais pela mesma instituição e História pela Universidade Federal do Espírito Santo. Exerce o cargo de Coordenadora Pedagógica no projeto Redes de Cidadania. O projeto é uma medida de mitigação exigida pelo processo de licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama e formalizado por meio do convênio 5400.0107359.18.04 firmado entre a Universidade Vila Velha UVV-ES e a Petrobras.

Referências

BRAGA, Gustavo Bastos; FIÚZA, Ana Louise C. & REMOALDO, Paula Cristina A. (2017). O conceito de modo de vida: entre traduções, definições e discussões. In.: https://seer.ufrgs.br/sociologias/article/view/65878/42672 Acesso em 07 de julho de 2019.

FREITAS, Carlos Machado de; et al. (2012). Vulnerabilidade socioambiental, redução de riscos de desastres e construção da resiliência: lições do terremoto no Haiti e das chuvas fortes na Região Serrana, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), 1577-1586.

GARCIA, Fernando Murílo Costa. Dano Ambiental Existencial: Reflexos do Dano aos Pescadores Artesanais. Juruá, 2015.

HARVEY, David. O Neoliberalismo: História e Implicações. São Paulo: Editora Loyola, 2014.

IBASE. Pescadores e Pescadoras Artesanais. A invisibilidade de quem vive do mar. Rio de Janeiro: Ibase, s/d.

JATOBÁ, Sérgio Ulisses Silva; CIDADE, Lúcia Cony Faria e VARGAS, Glória Maria. Ecologismo, Ambientalismo e Ecologia Política: diferentes visões da sustentabilidade e do território. Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 1, p. 47-87, jan./abr. 2009.

KURZ, Robert (2017). A falta de autonomia do Estado e os limites da política: quatro teses sobre a crise da regulação política. In.: https://revistas.fee.tche.br/index.php/indicadores/article/view/921/1204 Acesso em 04 de julho de 2019.

MASSARDIER, Gilles. Politiques et actions publiques. Paris: Armand Colin, 2008.

MILANEZ, Bruno & DOS SANTOS, Rodrigo Salles P. Neoextrativismo no Brasil? Uma análise da proposta do novo marco legal da mineração. In.: http://www.ufjf.br/poemas/files/2014/07/Milanez-2013-Neoextrativismo-no-Brasil.pdf Acesso em 07 de julho de 2019.

PACHECO, Tania (2017). Breve radiografia dos conflitos ambientais no Brasil tendo por base o Mapa da Fiocruz. Disponível em: http://govamb.iee.usp.br/?q=not%C3%ADcia/breve-radiografia-dos-conflitos-ambientais-no-brasil-tendo-por-base-o-mapa-da-fiocruz Acesso em: 12 de jun. de 2019.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

QUINTAS, José Silva. Educação no processo de gestão ambiental pública: a construção do ato pedagógico. In.: Redes de Cidadania. II Encontro de Formação de Equipe. Vitória: UVV, 2019.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Editora Ática, 2011.

RATZEL, Friedrich. O povo e seu território. In.: Coleção Grandes cientistas sociais. São Paulo: Editora Ática, 1990

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SASSEN, Saskia. Expulsões. Brutalidade e complexidade na economia global. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2016.

SORRE, Maximilien. A noção de gênero de vida e sua evolução. In: Coleção Grandes Pensadores. São Paulo: Editora Ática, 1984.

______. Migrações e mobilidade do ecúmeno. In: Coleção Grandes Pensadores. São Paulo: Editora Ática, 1984a.

Publicado
2019-12-08
Seção
GT-17: Geografia e Apropriação Urbana: Ensino de Cidade e das Comunidades Tradicionais