O AVANÇO DAS “NOVAS” DIREITAS EM NOVA IGUAÇU/RJ: A CIDADANIA COMO OPORTUNISMO POLÍTICO

  • Bernardo Bispo Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ (Campus Seropédica)

Resumo

O presente trabalho se compromete em discutir acerca da insurgência de grupos do espectro político de direita e como este acontecimento está relacionado a lógica territorial do município de Nova Iguaçu/RJ, tendo ênfase ao recorte da Zona Eleitoral Nº84. Essa lógica se expressa quando nos comprometemos em trazer um resgaste a constituição territorial da região. Tal ascensão está ligada totalmente ao atual panorama da conjuntura da política brasileira, tendo como perspectiva um recorte temporal que abrange desde 2013 ao ano atual. Tentamos trazer a ligação de momentos cruciais e as suas ligações, como as últimas duas eleições gerais presidenciais (2014 e 2018). No âmbito da relação entre os momentos eleitorais e as condições da conjuntura política do município, utilizamos da Geografia Eleitoral, um ramo da Geografia Política. Tal metodologia abre nossas possibilidades ao analisar momentos não necessariamente eleitorais, porém sempre políticos.

Biografia do Autor

Bernardo Bispo Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ (Campus Seropédica)
Graduando em Licenciatura Plena em Geografia, tendo como grande área a Geografia Política, em seu subrumo a Geografia Eleitoral. Também tem conhecimentos em Geografia Urbana, Planejamento Urbano e Mobilidade Urbana.

Referências

ALVES, José Claudio. Dos barões ao Extermínio: uma história de violência na Baixada Fluminense. Duque de Caxias: APPH CLIO, 2003.

BAITZ, Ricardo. Implicação: um novo sedimento a se explorar na Geografia? In: Boletim Paulista de Geografia, nº 84, jul. 2016.

BARRETO, Alessandra Siqueira. Notícias de uma Guerra: estratégias, ameaças e orações. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre. Ano 13, n.27, p.183-212, jan-jun. 2007.

HAESBAERT, Rogério. Dos múltiplos territórios á multiterritorialidade. Porto Alegre, 2004.

OZÓRIO, Elaine Cristina. O Processo de Reprodução do Espaço Urbano Na Cidade de Nova Iguaçu - RJ (1900 – 2007). Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Rio de Janeiro, 2007

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

ROCHA, André Santos da. “As representações ideais de um território”: dinâmica econômica e política, agentes e a produção de sentidos na apropriação territorial da Baixada Fluminense”. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Geociências, PPGG, Rio de Janeiro, 2014.

ROCHA, André Santos da. Geografia Política das Representações – Projetos e Jogos de Poder na Apropriação da Baixada Fluminense. 2015. Rio de Janeiro.

SANGUIN, A. L. Geografia Política. Barcelona: Ed. Oikos-Tau, 1981.

SANTOS, Milton. O Espaço do Cidadão. São Paulo: EDUSP, 1987.

SAVIANI, Demerval. Instituições Escolares: Conceito, História, Historiografia e Práticas, Cadernos De História Da Educação, 4. Uberlândia, Minas Gerais. 2008. Acesso em jun de 2019. <:http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/382:>

SILVA, Nathan Ferreira da. A ação dos agentes sociais na produção do espaço urbano. I Congresso de Geografia e Atualidades – UNESP. São Paulo, 2015.

SIMÕES, Manoel Ricardo. A cidade Estilhaçada – reestruturação econômica e emancipações municipais na Baixada Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Geografia UFF. (Tese de doutorado), 2006.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Território e (des)territorialização. In: M. L. Souza. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

TRINDADE, Adriana de Alburqueque. O estilo político da Bica D’Água: O chaguismo da Guanabara 1969-1974. Biblioteca Digital da Função Getulio Vargas – CPDOC-FGV. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em <: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/6580/801.pdf.txt?sequence=2:> Acesso em dez, 2018.

Publicado
2019-12-05
Seção
GT-6: Território e ativismos sociais urbanos