O PENSAMENTO PÓS-MODERNO E OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS AO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL

Bismarck Oliveira da Silva, Maria Tereza de Oliveira

Resumo


Este artigo analisa os impactos das teorias pós-modernas e de suas estratégias na realidade brasileira, no processo de implementação e consolidação dos projetos societários e profissionais. A metodologia utilizada para a concretização deste estudo foi a abordagem qualitativa, com caráter exploratório, e, para isso, foi necessária a utilização da revisão literária. O objetivo geral é desvelar elementos que expliquem, hoje, o direcionamento social estratégico do projeto profissional do Serviço Social brasileiro, mesmo com a aderência de alguns seguimentos profissionais às perspectivas pós-modernas e à descrença em metanarrativas que dão significado social à profissão. Os objetivos específicos pretendem: a) analisar como as teorias pós-modernas se expressam nos projetos societários e profissionais; b) discriminar o conjunto de estratégias utilizado pela categoria profissional na construção de uma direção social estratégica; e c) refletir acerca de uma contribuição expressiva do fenômeno da vontade potência na estruturação e articulação de projetos societários ou profissionais. Em tempos de estratégias neoconservadoras e de crise orgânica, através da ampliação de poderes político-econômico patriarcais, patrimonialistas e segregadoras, a agenda do projeto societal burguês tem ocasionado retrocessos no âmbito das políticas públicas e setoriais. Nessa perspectiva, é possível identificar vitórias da direção ético-política da categoria dos assistentes sociais frente aos projetos societários convergentes. Nas considerações finais, espera-se proporcionar ao leitor um melhor entendimento dos processos de resistências às investidas do modelo político-econômico vigente.

Palavras-chave


Projeto profissional; Projeto societário; Neoconservadorismo; Pós-modernismo; Pós-neoliberalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 2ª ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

ABRAMIDES, Maria Beatriz Costa. O projeto ético-político profissional do Serviço Social brasileiro. Tese (Doutorado em Serviço Social) Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Pontifícia Universidade Católica. São Paulo: PUC/SP, 2006.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

BARROCO, Maria Lucia Silva. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. Revista Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 106, p. 205-218, abr./jun. 2011.

BRAZ, Marcelo et al. A hegemonia em xeque. Projeto ético-político do Serviço Social e seus elementos constitutivos. Revista Inscrita. Brasília: CFESS, Ano VII, nº X, p. 05-10, 2007.

BRAZ, Marcelo; TEIXEIRA, Joaquina Barata. O projeto ético-político do Serviço Social. In: BOSCHETTI, Ivanete Salete et al. (Org.). Serviço Social: direitos e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, p. 185-200, 2009.

BRASIL. Conselho Federal de Serviço Social. Carta de Maceió. Alagoas: CFESS, 2000. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/encontronacional_cartas_maceio.pdf. Acesso em: 03 de março de 2018.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete S. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2011.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Serviço Social e política Social: 80 anos de uma relação visceral. In: SILVA, Maria Liduína de Oliveira (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

BUCI-GLUCKSMANN, Christinne. Gramsci e o estado: por uma teoria materialista da filosofia. Tradução de Angelina Peralva. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CARDOSO, Priscila Fernanda Gonçalves; TORRES, Andrea Almeida. Rupturas, desafios e luta por emancipação. In: SILVA, Maria Liduína de Oliveira (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

CARVALHO, Alba Pinheiro de; GUERRA, Eliane Costa. Brasil no século XXI na geopolítica da crise: para onde apontam as utopias? Revista Políticas Públicas. São Luiz: número especial, p. 267-280, 2016.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na Política de Assistência Social. Brasília: CFESS, 2011.

DINIZ, Eli; Boschi, Renato R. A difícil rota do desenvolvimento: empresários e a agenda pós-neoliberal. Belo Horizonte: Ed. UFMG; IUPERJ, 2007.

DURIGUETTO, Maria Lúcia. Sociedade civil e democracia: um debate necessário. Revista Libertas, Minas Gerais: Juiz de Fora, v. 8, n. 2, p.83-94, 2008.

DURIGUETTO, Maria Lúcia; MARRO, Katia. Serviço Social, lutas e movimentos sociais: atualidade de um legado histórico que alimenta os caminhos de ruptura com o conservadorismo. In: SILVA, Maria Liduína de Oliveira (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

GRUPPI, Luciano. O conceito de hegemonia em Gramsci. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 2ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

HARVEY, David. Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loiola,1992.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de Capital Fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2015.

JAMESON, Fredric. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática, 1996.

LUKÁCS, György. Ontologia do Ser Social: o Neopositivismo. Revista Teoria e Política, nº 9, São Paulo, 1988.

MARX, Karl. A guerra civil na França. Rocket Edition, 1999. Disponível em: . Acesso em: 22 de março de 2018.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MONTAÑO, Carlos; DURIGUETO, Maria Lúcia. Estado, Classe e Movimento Social. São Paulo: Cortez, 2011.

MOTA, Ana Elizabete. A centralidade da Assistência Social na Seguridade Social brasileira nos anos 2000. In: MOTA, Ana Elizabete (Org.). O mito da Assistência Social: ensaios sobre Estado, Política e Sociedade. São Paulo: Cortez, 2010.

______. Seguridade Social pública ainda é possível! Revista Inscrita. Brasília: CFESS, Ano VII, nº X, p. 31-36, 2007.

______. Serviço Social Brasileiro: insurgência intelectual e legado político. In: SILVA, Maria Liduína de Oliveira (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

MOTA, Ana Elizabete; AMARAL, Ângela. Projeto profissional e projeto societário. Revista Inscrita. Brasília: CFESS, ano VIII, n. XII, p. 49-55, 2009.

MOURA, Jackeline da Silva. Atualização contemporânea sobre o debate da crise de hegemonia do projeto ético-político do Serviço Social. Anais do 3º encontro internacional de política social e 10º encontro nacional de política social. Espirito Santo: ENPS, 2015. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/EINPS/article/view/9967/6981. Acesso em: 11 de março de 2018.

NETTO, J. P. Transformações societárias e Serviço Social: notas para uma análise

prospectiva da profissão no Brasil. In: Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 50, p. 87-132, 1996.

______. A construção do Projeto Ético-Político do Serviço Social. In: MOTA, Ana Elizabete et al. (Org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 1999.

______. Das ameaças a crise. Revista Inscrita. Brasília: CFESS, V. 7, nº 10, p. 37-40, 2007.

______. Para uma história nova do Serviço Social no Brasil. In: SILVA, Maria Liduína de Oliveira (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro. São Paulo: USP, 1985.

OLIVEIRA, Maria Tereza de. O senso comum como ponto de partida para a filosofia da práxis em Gramsci. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Recife, 1996.

PINHEIRO, Armando Castelar. Uma agenda pós-liberal de desenvolvimento para o Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2003.

RAMOS, Sâmya Rodrigues. Limites e possibilidades históricas do Projeto Ético-Político. Revista Inscrita. Brasília: CFESS, ano VIII, n. XII, p. 41-48, 2009.

SANTOS, Wanderley Guilherme. Cidadania e justiça: a política social na ordem brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

SALVADOR, Evilasio. Fundo Público e o financiamento das políticas sociais no Brasil. Serviço Social em Revista. V. 14, nº 2, p.04-22, 2012.

SOUZA, Jamerson Murillo Anunciação de. Tendências ideológicas do conservadorismo. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco. CCSA, 2016.

SILVA, Frederico Barbosa; JACCOUD, Luciana; BEGHIN, Nathalie. Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. In: Políticas sociais no Brasil: participação social, conselhos e parcerias. Brasília: IPEA, 2005.

TERNAS, Richard. A epopeia do pensamento ocidental: para compreender as ideias que moldaram a nossa visão de mundo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

VIANNA, L. W. Caminhos e descaminhos da revolução passiva à brasileira. Revista Scielo Brasil, Rio de Janeiro, v. 39, n. 3, 1996.

VIOLA, Eduardo; FANCHINE, Matias. Sistema internacional de hegemonia conservadora: o fracasso da Rio + 20 na governança dos limites planetários. Revista Ambiente & Sociedade, [versão on-line], V.15, nº 3. São Paulo: 2012.

YAZBEK, Maria Carmelita. O Sistema Único de Assistência Social: uma realidade em movimento. São Paulo: Cortez, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p65-93

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/