CONSERVADORISMO E LAICIDADE DE ESTADO: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE NO SERVIÇO SOCIAL

Priscila Fernanda Gonçalves Cardoso, Luciano Alves

Resumo


O presente artigo apresenta a relação entre conservadorismo, laicidade do Estado e do exercício profissional, a partir de revisão bibliográfica e análise documental, apontando os desafios postos ao Projeto Ético-Político no enfrentamento deste debate e na luta contra o conservadorismo na atualidade.

Considera-se que o componente ético-político trabalhado na perspectiva de resgatar a laicidade de Estado e do exercício profissional, compreende um grande facilitador no processo de contraposição ao conservadorismo e à lógica burguesa de dominação. Demonstra-se, portanto, a necessidade de aprofundamento deste debate no interior do Serviço Social como coerência ética com o Projeto Ético-Político, assumindo a perspectiva da defesa da liberdade e dos direitos humanos em sua radicalidade.

Palavras-chave


Conservadorismo, Laicidade do Estado, Religião, Serviço Social, Ética Profissional

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. História e desventura: o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos. REVISTA NOVOS ESTUDOS – CEBRAP. Número 86. São Paulo, 2010, pp. 05-20. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/nec/n86/n86a01.pdf >. Acessado em 05 de set. de 2018.

ALVES, Luciano. Trabalho Voluntário no Serviço Social: Precarização sob roupagem ética da caridade. REVISTA EMANCIPA: O Cotidiano em Debate/Revista do Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo – CRESS 9ª Região. Número 2. São Paulo, 2017, pp. 44-65.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ASSISTENTES SOCIAIS - ABAS. Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais (1947). São Paulo, 1947. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_1947.pdf >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

BARROCO, Maria Lúcia. Não passarão! Ofensiva neoconservadora e Serviço Social. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE, n. 124, São Paulo, Cortez, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n124/0101-6628-sssoc-124-0623.pdf. Acesso em 17 de Mar. de 2018.

_________________. Ética e Serviço Social: Fundamentos ontológicos. São Paulo, Cortez, 2001.

BARROCO, Maria Lúcia; TERRA, Sylvia Helena. Código de Ética do Assistente Social comentado. Organização do CFESS. São Paulo: Cortez, 2012.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil (de 10 de novembro de 1937). Casa Civil, nov. 1937. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao37.htm >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

BRASIL. Decreto nº 7107 de 11 de fevereiro de 2010. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e a Santa Sé relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, firmado na Cidade do Vaticano, em 13 de novembro de 2008. Brasília, 2010. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7107.htm >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

BURKE, Edmund. Reflexões sobre a revolução na França. Weffort, Francisco (org.). Os clássicos da política Vol. 2. 10ª edição. São Paulo: Editora Ática, 2001.

CABRAL, Alex Ian Psarski. A Proteção Internacional ao Direito à Liberdade de Consciência: O Sistema da ONU e o Sistema Europeu de Proteção aos Direitos do Homem. Revista Eletrônica de Direito Internacional, vol. 5. São Paulo, 2009, pp. 01-33. Disponível em: < http://centrodireitointernacional.com.br/static/revistaeletronica/volume5/arquivos_pdf/sumario/alex_cabral.pdf>. Acessado em 05 de setembro de 2018.

CARDOSO, Priscila F. G. O projeto ético-político em tempos de radicalização do conservadorismo: resistência e intransigência na luta por emancipação. Emancipa: o cotidiano em debate – Revista do Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo – CRESS 9ª região. N.1, maio 2016. São Paulo: CRESS 9ª Região, 2016.

____________. A perspectiva conservadora e o Serviço Social. Ética e Projetos Profissionais: os diferentes caminhos do Serviço Social no Brasil. Campinas: Papel Social, 2013.

CARLI, Ranieri. György Lukács e a Crítica à Necessidade da Religião. In Revista Crítica Marxista – CEMARX/IFCH/UNICAMP. Número 41. Campinas, 2015, pp. 89-103. Disponível em:. Acessado em 05 de setermbro de 2018.

CARVALHO, Raul de & IAMAMOTO, Marilda V. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil - esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 25ª Edição. São Paulo: Editora Cortez, 2008.

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL 9ª REGIÃO/SP- CRESS/SP. Instrução Normativa nº 001/2015. Ed. 2017. São Paulo, 2015. Disponível em: < http://cress-sp.org.br/wp-content/uploads/2016/08/IN-001_2015-consolidada.pdf >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

____________. Jornal Ação. Ed. 82. São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS - CFAS. Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais (1965). Rio de Janeiro, 1965. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

______________. Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais (1975). Rio de Janeiro, 1975. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

_____________. Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais (1986). Rio de Janeiro, 1986. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL - CFESS. CFESS Manifesta: Em Defesa do Estado Laico. Ed. Especial. Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

_______________. Código de Ética dos/as Assistentes Sociais (1993). Ed. 2011. Brasília, 1993. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

______________. Relatório do 46º Encontro Nacional do Conjunto CFESS/CRESS. Brasília, 2017. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/Relatorio-46nacional2017Final.pdf >. Acesso em: 28 de setembro de 2018.

______________. Resolução CFESS nº 627/2012. Brasília, 2012. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/Res.Cfess.627-2012.pdf >. Acesso em: 06 de setembro de 2018.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociológica. 5.ed. 4.reimp. Rio de Janeiro, Globo, 2005.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções. Europa 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

IOTTI, Paulo. Supremo Rasga Estado Laico ao Permitir Ensino de Dogmas Religiosos em Escolas Públicas. Página “Justificando”, Portal Carta Capital, 2017. Disponível em: . Acessado em 05 de setembro de 2018.

KINZO, Maria D´Alva Gil. Burke: a continuidade contra a ruptura. Weffort, Francisco (org.). Os clássicos da política Vol. 2. 10ª edição. São Paulo: Editora Ática, 2001.

LÖWY, Michael. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Revista Serviço Social e Sociedade, n. 124, São Paulo, Cortez, 2015. Disponível em: . Acesso em 28 de Setembro de 2018.

MARICATO, Ermínia [et al.]. Cidades Rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. 1 ed. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2013.

MARX, Karl. A questão judaica. São Paulo: Moraes, 1991.

RANQUETAT Jr, Cesar A. Laicidade, Laicismo e Secularização: Definindo e Esclarecendo Conceitos. Revista Sociais e Humanas - UFSM, [S.l.], v. 21, n. 1, p. 67-75, dez. 2009. ISSN 2317-1758. Disponível em: . Acesso em: 06 de setembro de 2018.

SILVA, Maria Ozanira Silva e. O Comunidade Solidária: o não-enfrentamento à pobreza no Brasil. 1ª Edição. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

TONET, Ivo. Marxismo, Religiosidade e Emancipação Humana. 1 ed. Maceió: Coletivo Veredas, 2016.

ZUBER, Valentine. A Laicidade Republicana em França ou os Paradoxos de um Processo Histórico de Laicização (séculos XVIII-XXI). Revista Ler História - ISCTE-IUL, v. 59, p. 161-180, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 de setembro de 2018.




DOI: https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p45-64

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/