Da profissionalização à desprofissionalização? Desafios e perspectivas do serviço social na contemporaneidade

Aline Soares Nomeriano

Resumo


Muitos são os desafios enfrentados pelos profissionais do Serviço Social em tempos de crise e transformações na ordem social capitalista, seja no âmbito do exercício, da formação, no plano da regulação da profissão, da produção do conhecimento, assim como também na esfera das lutas sociais mais amplas. Neste sentido, este trabalho trata-se de um estudo bibliográfico que pretende analisar as teses da profissionalização versus desprofissionalização, bem como a polêmica relacionada ao processo de proletarização de certas categorias, e de que forma essa discussão tem se dado em torno do Serviço Social. Para tanto, o artigo teve como principal aporte teórico as contribuições de Guerra (2016, 2017), Netto (2011, 2013), Iamamoto (2015, 2017), Trindade (2001, 2014) e Braverman (1987). À guisa de conclusão, pode-se sintetizar em três as dimensões básicas da profissionalidade: qualificação especializada, credenciamento profissional e autonomia técnica; sendo possível sugerir que a referida profissão não está sendo desprofissionalizada, mas sim, passando por processo de precarização, como outras profissões liberais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. J. Contributos da Sociologia para a compreensão dos processos de profissionalização. Mediações, Revista OnLine da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, v. 1, n. 2, 2010.

BEHRING, E; BOSCHETTI, I. Política social: fundamentos e história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Biblioteca básica de serviço social, v. 2).

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

CUNHA, M. I. da. Profissionalização docente: contradições e perspectivas. In: CUNHA, M. I. da; VEIGA, I. P. A. (org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999.

DINIZ, M. Repensando a teoria da proletarização dos profissionais. Tempo Social, São Paulo: Revista Sociologia da USP, v. 10, n. 1, p. 165-184, maio 1998.

ENGUITA, M. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, 1991, pp. 41-61.

FELIPPE, J. M. S. Contribuições da sociologia das profissões para a reflexão sobre a autonomia e os monopólios interventivos do serviço social. Sociedade em Debate, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 9-32, 2015.

GUERRA, Y. A instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2014.

GUERRA, Y. Transformações societárias, Serviço Social e cultura profissional: mediações sócio-hitóricas e ético-políticas. In: MOTA, E.; AMARAL, A. (org.). Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social brasileiro. São Paulo: Cortez, 2016.

GUERRA, Y. A dimensão técnico-operativa do exercício profissional. In: SANTOS, C. M. et al. (org.). A dimensão técnico-operativa no Serviço Social: desafios contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

HYPOLITO, A. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus, 1997.

IAMAMOTO, M. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 26. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

IAMAMOTO, M. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 128, p. 13-38, jan./abr. 2017.

IAMAMOTO, M.; CARVALHO, R. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-sociológica. São Paulo: Cortez; Celats, 2009.

JÁEN, M. J. Os docentes e a racionalização do trabalho em educação. Elementos para uma crítica da teoria da proletarização dos docentes. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 74-90, 1991.

LAWN, M.; OZGA, J. “Trabajador de la ensenãnza? Uma nueva valoración de los pofesores”. Revista de Educación, Madri, n. 285, p. 191-215, jan-abr.1988.

MANDEL, E. Tratado de economía marxista. 7. ed. México: Era, 1977, tomo I e II.

MARX, K. Teorias da mais-valia: história crítica do pensamento econômico (Livro 4 e vol. 1, de O capital). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980

MIOTO, R. C. T.; NOGUEIRA, V. M. R. Política Social e Serviço Social: os desafios da intervenção profissional. Katálysis, Florianópolis, v. 16, n. especial, p. 61-71, 2013.

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

NETTO, J P. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

NETTO, J P. Uma face contemporânea da barbárie. In: COSTA, G; SOUZA, R. O social em perspectiva: políticas, trabalho, serviço social. Maceió: EDUFAL, 2013.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.

OLIVEIRA, D. A. Os docentes no Plano Nacional de Educação: entre a valorização e a profissionalização. Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 447-461, jul./dez. 2014.

PAPI, S. de O. G. Professores: formação e profissionalização. São Paulo: Junqueira & Marin, 2005.

RODRIGUES, M. de L. Sociologia das profissões. Oeiras-Portugal: Celta Editora, 2002.

SÉRON, A. G. Professorado, educação e sociedade: enfoques teóricos e estudos empíricos em sociologia do professorado. In: VEIGA, I. P. A.; CUNHA, M. I. da (org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999.

SILVA, M. S.; CARIA, T. H. Para além da ‘desprofissionalização’: que futuro para o saber profissional em trabalho social e em organizações neo-burocráticas? In: CARIA, T. H. et al (org.). Saber e formação no trabalho profissional de relação. Salvador: Editora da UFBA, 2013.

TUMOLO, P. S.; FONTANA, K. B. Trabalho Docente e Capitalismo: um estudo crítico da produção acadêmica da Década de 1990. Trabalho Necessário, Niterói, ano 6, n. 6, 2008.

TRINDADE, R. L. P. Desvendando as determinações sócio-históricas do instrumental técnico-operativo do Serviço Social na articulação entre demandas sociais e projetos profissionais. Temporalis, Brasília (DF), n. 4, ano 2, jul./dez. 2001.

TRINDADE, R. L. P. O serviço social no Brasil. In: FERRIZ, A. F. P. et al. O curso de Serviço Social da UEPB: elementos para uma análise histórica e teórico-metodológica. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2014.

VERDÈS-LEROUX, J. Trabalhador Social: práticas, hábitos, ethos e formas de intervenção. São Paulo: Cortez, 1986.

WEBER, S. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, p. 1125-1154, dez. 2003.




DOI: https://doi.org/10.22422/temporalis.2019v19n37p65-83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/