RELAÇÕES SOCIAIS DE SEXO, “RAÇA”/ETNIA E CLASSE: UMA ANÁLISE FEMINISTA-MATERIALISTA

Autores

  • Mirla Cisne UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE (UERN)

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2014v14n28p133-149

Resumo

O objetivo do nosso artigo é analisar os fundamentos teóricos e políticos da opção pela utilização da categoria relações sociais de sexo consubstanciada com as relações sociais de “raça”/etnia e de classe nos estudos feministas. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliográfica ancorada, especialmente, na produção teórica do feminismo materialista francófono, com destaque para as autoras: Christine Delphy, Jules Falquet, Danièle Kergoat e Anne-Marie Devreux. Esperamos contribuir com o debate teórico que fundamenta o feminismo brasileiro, no intuito de aprofundarmos nossas produções teóricas sintonizadas com as lutas coletivas que nos desafiam cotidianamente na defesa da liberdade.

Biografia do Autor

Mirla Cisne, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE (UERN)

Professora Adjunta da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, membro do Núceo de Estudos Sobre a Mulher Simone de Beauvoir e do Grupo de Estudos sobre as relações patriarcais de gênero e feminismo.

Referências

ÁVILA, Maria Betânia. As mulheres no mundo do trabalho e a relação corpo e sujeito. Cadernos de Crítica Feminista, n. 4, ano V, p. 48-71, dez. 2011.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Feminismo: memória e história. In: SALES, Celecina; AMARAL, Célia; ESMERALDO, Gema. Feminismo: memória e história. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2000. p. 15-41.

BIDET-MOREL, Annie; BIDET, Jaques. Les rapports de sexe comme rapports sociaux suivi de Rapports sociaux de sexe e rapports sociaux de classe. In: BIDET-MORDREL (Org.). Les rapports sociaux de sexe. Atual Marx Confrontation. Paris: Presses Universitaires de Frances, Deuxième semestre, 2010. p. 15-43.

CRENSHAW, Kimberle. The Intersection of Race and Gender. In: CRENSHAW, Kimberle; GOTANDA, Neil; PELLER, Garry; THOMAS; Kendal (Ed.). Critical Race Theory: the Key Writings That Formed the Movement. New York: New Press, 1995. Law Review, n. 65. p. 1467-76.

DELPHY, Christine. Patriarcado. In: HIRATA, Helena et al. (Org.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. p. 173-178.

¬¬¬¬DEVREUX, Anne-Marie. A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. Cadernos de Crítica Feminista, n. 4, ano V, p. 6-28, dez. 2011.

ELSON, Diane. Commerce Internacional, Égalité des sexes et avantage compétitif. In: FALQUET Jules; HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Le sexe de la mondialisation. Paris: Presses de Sciences Po, 2010. p. 57-70.

FALQUET, Jules. Repensar as relações sociais de sexo, classe e ‘“raça”’ na globalização neoliberal. Mediações, Londrina, v. 13, n. 1-2, p. 121-142, jan./jun. – jul./dez. 2008.

______. Les mouvements sociaux dans la modialisation néolibérale: imbrication des rapports sociaux et classe des femmes (Amérique latine-Caraïbes-France). Habilitation à diriger des recherches (mimeo). Paris: Université de Paris 8, 2012.

KERGOAT, Danièle. Dynamique et consubstantialité des rapports sociaux. In: DORLIN, Elsa (Org.). Sexe, classe, race: pour une épistémologie de la domination. Paris: Editora da PUF, 2008. p. 111-125.
¬¬¬¬______. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos, n. 86, p. 93-103, mar. 2010.

______. Se battre, disent-elles... Paris: La Dispute, 2012.
PFEFFERKORN, Roland. Genre et rapports sociaux de sexe. Paris: Page deux, 2012.

PISCITELLI, Adriana. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI (Org.). A Prática Feminista e o Conceito de Gênero. São Paulo: IFCH/Unicamp, 2002. p. 7-42. Textos Didáticos.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1991.

Publicado

2014-11-30