Temporalis http://periodicos.ufes.br/temporalis pt-BR sandralourencofortuna@gmail.com (Sandra Lourenço Fortuna) sandralourencofortuna@gmail.com (Sandra Lourenço Fortuna) Seg, 23 Dez 2019 16:21:32 -0300 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 EXPEDIENTE http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28263 <p>Expediente</p> Eugenia Magna Broseguini Keys Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28263 Seg, 23 Dez 2019 00:00:00 -0300 EDITORIAL http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28190 Sandra Lourenço de Andrade Fortuna Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28190 Qui, 19 Dez 2019 16:33:02 -0300 MOVIMENTOS SOCIAIS E SERVIÇO SOCIAL: A VIRADA DE 1979 http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27804 <p>Nestes 40 anos do “Congresso da Virada”, resgatamos elementos do processo histórico da relação das organizações sindicais do Serviço Social com o movimento operário e popular e seu impacto para a ruptura com o conservadorismo na profissão simbolizada na “virada” de 1979.</p> Maria Lúcia Duriguetto, Juliano Zancanelo Rezende Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27804 Qui, 19 Dez 2019 16:52:17 -0300 MOVIMENTOS SOCIAIS E SERVIÇO SOCIAL: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES SOBRE O TEMA http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24175 <p>O presente artigo aborda os movimentos sociais como objeto de pesquisa do Serviço Social. Resulta da análise das pro­duções sobre esta temática, tendo por base as publicações nos anais dos Encontros Nacionais de Pesquisadores em Serviço Social (ENPESS), nos anos de 2014 e 2016. O conjunto desta produção revela tanto uma abordagem majoritariamente vinculada à teoria crítica, como um reflexo dos elementos conjunturais de maior efervescência à luta de classes – as jornadas de junho de 2013 e a ascensão dos movimentos sociais urbanos (suas bandeiras de luta, estratégia de organização e mobilização, avanços e entraves no cotidiano da organização política). Destaca-se também a maior ênfase à pesquisa acerca da relação do Serviço Social com os movimentos sociais, a partir de dois aspectos: o vínculo entre o Projeto Ético Político/lutas sociais e a articulação do conjunto CFESS-CRESS com os movimentos sociais; bem como, a compreensão dos movimentos sociais como espaço sócio ocupacional dos assistentes sociais.</p> Maria Clariça Ribeiro Guimarães, Morena Gomes Marques Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24175 Seg, 15 Jul 2019 00:00:00 -0300 40 ANOS DO MOVIMENTO ESTUDANTIL DE SERVIÇO SOCIAL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA ATUALIDADE http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24093 <p>O presente ensaio, aborda a trajetória histórico-política dos 40 anos do Movimento Estudantil de Serviço Social (MESS) e 30 anos da Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social (ENESSO), focando nos desafios contemporâneo da sua organização política, com recorte na Região II. Resulta de sucessivas aproximações com a totalidade social, fruto da nossa trajetória e experiência no movimento, à luz do método materialista histórico-dialético, constituindo objeto de análise crítica por meio de revisão de literatura e pesquisa documental. As análises tecidas permitem afirmar que diversos desafios são recorrentes e constantes ao longo dos anos, principalmente a partir do advento dos ideais neoliberais. Contudo, nenhum desafio (im)posto ao MESS/ENESSO, pode ser compreendido de forma isolada do seu tempo histórico. Neste sentido, é preciso apostar nas contradições que surgem de todo processo determinado pela luta de classes, e utilizar-se da nossa inteligência e aptidão de mobilização para produzir, em conjunto com sujeitos coletivos e individuais, estratégias com potencial de enfrentar esse processo.&nbsp;</p> Isabelle Cristina Custodio de Lima Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24093 Qui, 19 Dez 2019 16:57:44 -0300 MOVIMENTOS SOCIAIS URBANOS, EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E SERVIÇO SOCIAL: A EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR DA ASSESSORIA TÉCNICA http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27806 <p>Este artigo é produto das reflexões das autoras na condição de docentes vinculadas ao Programa de Extensão “A Universidade pública e o direito à cidade: assessoria a movimentos sociais do Estado do Rio de Janeiro” da Universidade Federal Fluminense. Pretende-se apresentar considerações sobre a experiência da extensão universitária interdisciplinar vinculada a movimentos sociais, onde a assessoria técnica se faz presente no <em>Fórum de Luta por Moradia de Niterói/RJ. </em>Parte-se de uma concepção de extensão universitária que, ao dialogar com os movimentos sociais, coloca-os como protagonistas dos processos desenvolvidos, estabelecendo uma relação diferenciada com a sociedade no sentido de potencializar sua capacidade organizativa na luta por direitos sociais ora negados pelo poder público.</p> Ana Cristina Oliveira, Francine Helfreich Coutinho dos Santos, Regina Bienenstein Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27806 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 AS POLÍTICAS INDIGENISTAS E AS LUTAS SOCIAIS INDÍGENAS: MANIFESTAÇÕES DA QUESTÃO SOCIAL http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28307 <p>O artigo discorre sobre as lutas sociais indígenas como forma de resistência diante das violações de seus direitos e como sendo expressão da questão social. Procura dar visibilidade às políticas indigenistas uma vez que os ataques a esses povos também têm relação à destituição de um conjunto de legislações no âmbito da proteção social brasileira. Destaca a emergência desta discussão no âmbito do Serviço Social.</p> Rosa Maria Castilhos Fernandes, Mariana Martins Maciel Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28307 Seg, 23 Dez 2019 16:04:10 -0300 VIOLÊNCIA, DISCRIMINAÇÃO, RACISMO E CONFLITOS ENVOLVENDO OS POVOS INDÍGENAS DO BAIXO TAPAJÓS http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24212 <p>Neste artigo apresenta-se dados sobre os conflitos vivenciados pelos povos indígenas da região do baixo rio baixo Tapajós no estado do Pará. Através da revisão bibliográfica e observação participante, foi possível identificar que os povos indígenas sofrem casos de ameaças, violências diversas, criminalização e racismo.</p> Solange Maria Gayoso da Costa Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24212 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 MOVIMENTOS SOCIAIS E O DEBATE SOBRE A COMUNICAÇÃO NA ATUALIDADE http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27424 <p>Este artigo resulta de uma pesquisa empírica<a title="" href="file:///C:/Users/UserDELL3440/Desktop/TEMPORALIS_BARBOSA_BERNARDES_Revisado.docx#_ftn1">[1]</a>, qualitativa, que visa conhecer como movimentos sociais feministas consolidados têm se apropriado das tecnologias da informação e comunicação (TICs) como ferramentas de mobilização e organização política. Busca verificar a proximidade com uma tendência movimentalística anunciada com a eclosão de protestos massivos e movimentos sociais a partir de 2011, que centralizam o uso das TICs. Apesar dos movimentos analisados terem encontrado na internet um espaço para a organização política, esse ambiente não se torna central e nem substitui os mecanismos tradicionais de mobilização e divulgação, como o contato pessoal, telefônico, o uso cartazes, faixas, distribuição de panfletos, entre outros. Ademais, tais tecnologias são apropriadas por esses movimentos, levando em conta suas potencialidades e limitações.</p><div><br clear="all" /><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><p><a title="" href="file:///C:/Users/UserDELL3440/Desktop/TEMPORALIS_BARBOSA_BERNARDES_Revisado.docx#_ftnref1">[1]</a> Este trabalho foi submetido no Comitê de Ética da Universidade Federal do Espírito Santo e utiliza de todos os procedimentos éticos exigidos. Número CAAE: 66051917.4.0000.5542, submetido em 20 de março de 2017.</p></div></div> Célia Barbosa da Silva Pereira, Franciani Bernardes Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27424 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 O INTELECTUAL ORGÂNICO E AS CLASSES SUBALTERNAS: A ELABORAÇÃO DA NOVA CULTURA PARA O NOVO BLOCO HISTÓRICO http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27729 <p>O presente artigo objetiva indicar caminhos para a investigação da categoria “intelectual orgânico” a partir da elaboração gramsciana.&nbsp; Consideramos que esta categoria é fundamental porque exerce a função de direção consciente capaz de reproduzir ou de transformar a elaboração da cultura dominante e da subjetividade presente. Os intelectuais orgânicos são responsáveis pela produção do consenso, condição necessária para a manutenção do bloco histórico que se pretende fazer dominante. Por esse motivo é que a possibilidade da transição rumo ao ordenamento socialista só se torna possível na medida em que a classe operária e seus aliados se dedicam a construção de um novo bloco histórico mediado pelo processo de elaboração de uma nova cultura: neste interim, o Estado em seu sentido integral, a produção do imaginário coletivo popular pelos intelectuais orgânicos e a unificação das classes subalternas se revelam como expressão de uma elaboração teórico-prática carcerária que, imbuída de um salto qualitativo pelo processo de maturação política, se instaura como um fundamento teórico-metodológico marxista em que Gramsci é, notadamente, refundador comunista.</p> Mirele Hashimoto Siqueira, Alfredo Aparecido Batista Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27729 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 A REALIDADE BRASILEIRA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ASSISTENTES SOCIAIS http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24091 <p>Este ensaio discute a dimensão político-pedagógica do estudo da realidade brasileira na formação profissional de assistentes sociais. Contextualiza elementos da formação social do Brasil, reiterando a importância de intérpretes clássicos do pensamento social brasileiro. Apresenta a ideia de que a preocupação formativa e investigativa na área do Serviço Social acerca da realidade nacional constitui um elo para deslindar as exigências históricas profissionais e macrossociais do tempo presente.</p> Lucas Bezerra, Evelyne Medeiros Pereira, Leonardo Nogueira Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24091 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 CRÍTICA ÀS METODOLOGIAS ATIVAS NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SERVIÇO SOCIAL http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27023 <p>Este artigo tem por objetivo problematizar, em uma perspectiva crítica, a relação entre os fundamentos das metodologias ativas e a formação profissional em Serviço Social. Através dos dados do INEP/2016 e do Censo EaD Brasil/2016, indicamos o crescimento das Instituições de Ensino Superior (IES) &nbsp;privadas no Brasil, apoiado no processo de mercadorização e transnacionalização da educação em tempos de crise do capital, neoliberalismo e contrarreforma do Estado, contribuindo para o aumento dos cursos e de matrículas em Serviço Social e para a entrada das metodologias ativas, com a finalidade de responder as demandas urgentes da racionalidade do mercado. Essa uniformização na nova forma de ensinar na formação profissional em Serviço Social propicia o imediatismo, o fortalecimento do pragmatismo profissional e provoca confusões teóricas sobre a relação entre teoria e prática, conforme observamos na análise de 05 Projetos Pedagógicos de Cursos (PPCs) de Serviço Social.</p> Everton Melo da Silva Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27023 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 OS SUSPIROS DE UMA DÉCADA: NOTA CRÍTICA SOBRE O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UFG http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27433 <p>O artigo tem como objetivo registrar, sumariamente, a trajetória que demarca os dez anos de criação do primeiro curso de graduação público em Serviço Social do estado de Goiás, inserido na Universidade Federal de Goiás – UFG. Abordam-se as determinações sócio-históricas vinculadas ao contexto de emersão e a contraditoriedade presente na sua consolidação e explicita um balanço dos desafios que permeiam sua existência. O procedimento investigativo pautou-se através de uma pesquisa bibliográfica e documental nas plataformas públicas de acesso à informação, assim como em documentos do curso. Os resultados alcançados apontam para o caráter contraditório de avanço político e social da educação superior pública, em particular do Curso de Serviço Social e dos desafios enfrentados diante da ofensiva material do capital sob direitos sociais conquistados historicamente. &nbsp;&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <pre>&nbsp;</pre> Alison Cleiton Araújo Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/27433 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 ANTE À RADICALIZAÇÃO HETERO-PATRIARCAL: RESISTÊNCIAS E POSSIBILIDADES ÉTICO-POLÍTICAS NO SERVIÇO SOCIAL http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24119 <p>Considerando-se o recrudescimento do conservadorismo na sociabilidade brasileira, este artigo objetiva, a partir de uma pesquisa do tipo teórica e documental, identificar as resistências e possibilidades ético-políticas do Serviço Social no antagonismo ao ultraconservadorismo hetero-patriarcal estruturante das relações sociais no Brasil. À luz dessa análise, não se suprime, todavia, a consubstancialidade e coextensividade das relações de gênero, raça/etnia e classe. Nada obstante, esta investigação foca nos desdobramentos do ultraconservadorismo hetero-patriarcal que colocam, contemporaneamente, desafios reais à viabilização e efetivação do projeto ético-político do Serviço Social. Em que pese as ingerências ultraconservadoras, algo se verifica: somente quando se apreende o real é que se pode transformá-lo. Por esse ângulo, as entidades representativas do Serviço Social buscam materializar e viabilizar o direcionamento ético-político profissional no cotidiano de suas ações, uma vez que reconhecem e se propõem contrárias às formas de dominação, exploração e opressão sexistas, patriarcais e homo-lebo-bi-trans-fóbicas. É irrefutável, portanto, que a direção ético-política da profissão é efetuada, sobretudo, a partir de campanhas, seminários temáticos, movimentos estudantis, conferências, resoluções e, em especial, através da articulação com os movimentos feministas e da incorporação de seus anseios.</p> Poliana Machado Gomes da Silva Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24119 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 MULHERES E SELETIVIDADE PENAL: “RAÇA” E CLASSE NO ENCARCERAMENTO FEMININO http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24073 <p>O presente artigo tem como centralidade compreender alguns elementos das atuais condições e conjuntura do aprisionamento de mulheres no Brasil. Para isso, traz as principais características da população prisional feminina, visando refletir sobre os determinantes sociais e históricos que marcam estas mulheres. Conjuntamente, aborda-se temas relevantes para o desvelamento dos conceitos sustentados pelo Estado penal, demonstrando a contradição dos processos de criminalização de sujeitos. Busca-se suscitar uma reflexão sobre a seletividade penal do Estado, onde a criminalização perpassa marcadores de classe social, gênero, sexualidade, “raça”, entre outros. Esta seletividade demarca sujeitos puníveis e a perpetuação do encarceramento em massa da população negra. Tendo por base teórica o materialismo histórico, tal qual a compreensão de demais estruturas que compõe a sociabilidade capitalista, como o racismo, sexismo e outras opressões que marginalizam corpos não hegemônicos, o artigo intenciona contribuir com o debate sobre o tema, no campo do Serviço Social.</p> Ana Clara Gomes Picolli, Silvana Marta Tumelero Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/24073 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300 ENTREVISTA À REVISTA TEMPORALIS - PROFA. DRA. MARIA BEATRIZ COSTA ABRAMIDES http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28151 <p>Entrevista</p> Comissão editorial Copyright (c) 2019 Temporalis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/28151 Qui, 19 Dez 2019 00:00:00 -0300