Itinerários de discentes considerados de classes populares: ingresso na universidade em contexto de ações afirmativas

Autores

  • Andrea Bayerl Mongim Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

DOI:

https://doi.org/10.24305/cadecs.v3i2.13661

Resumo

Considerando o contexto de implementação de políticas de Ações Afirmativas para o ingresso no ensino superior, neste estudo, por meio de entrevistas de relatos de vida, analiso itinerários sociais de estudantes oriundos de famílias consideradas de classes populares e ingressantes em curso superior mediante programa de bolsas ou de reserva de cotas. Muitos autores, no Brasil, já produziram pesquisas relativas ao acesso a este nível de ensino por estudantes de classes populares. No entanto, o fizeram, na maior parte dos casos, em contexto anterior ao deste estudo. Demonstraram, sobretudo, a importância das configurações familiares para os itinerários considerados por eles de "longevidade" ou "sucesso escolar". Sem desconsiderar os significados das experiências construídas nas redes de relações circunscritas às famílias, neste estudo busco ampliar o debate, demonstrando que embora a escolarização seja concebida pelos familiares desses estudantes como prioritária, o projeto de ingresso no curso superior é construído de forma não naturalizada, efetivando-se, na maior parte dos casos, no processo de socialização secundária, através da interação com agentes mediadores, posicionados em quadros institucionais que ultrapassam os limites das redes de relações da família nuclear. A interação com agentes de mediação do Prouni, dos programas de reserva de vagas e dos cursos do tipo Pré-vestibular para Negros e Carentes apresenta-se como fundamental à objetivação do projeto de ingresso em curso de nível superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Justiça. Décimo Relatório Periódico Relativo à Convenção Internacional Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial. Brasília: 1996. GT1 População Negra.
BERGER, P.; LUCKMAN, T. A construção social da realidade. 22ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
BERTAUX, D. Les récits de vie: perspectives ethnosociologiques, Paris: Nathan, 1997.
BOURDIEU, P. & PASSERON, J.C. La reproduction. Paris: Ed. de Minuit, 1970.
DAUSTER, T. “Uma revolução silenciosa”: notas sobre o ingresso de setores de baixa renda na universidade. CES, set. 2004. Disponível em < www.ces.uc.pt/lab2004/pdfs/TaniaDauster.pdf >. Acesso em: 30 de março de 2009.
ELIAS, N. O processo Civilizador, 2 vols. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
ELIAS, N. Sociedade de Corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
GUEDES, S. L. Jogo de corpo. Niterói, EDUFF, 1997.
HONORATO, G. Estratégias coletivas em torno da formação universitária: Status, igualdade e mobilidade entre desfavorecidos. Dissertação (mestrado em Sociologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 2005.
LAHIRE, B. Homem plural: Os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.
LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 2004.
MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: formas e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. Volume 2. São Paulo: EDUSP, 1974.
NEVES, D. P. Mediação social e mediadores políticos. In: NEVES, D. P. (org) Desenvolvimento social e mediadores políticos. Porto Alegre: editora da UFRGS, 2008. p. 21-44
NEVES, D. P. A perversão do trabalho infantil – lógicas sociais e alternativas de prevenção. Niterói: Intertexto. 1999.
ROMANELLI, G.; NOGUEIRA, M. A.; ZAGO N. (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares. Petrópolis: Vozes, 2002.
SOUZA e SILVA, J. “Por que uns e não outros?” Caminhada de estudantes da Maré para a universidade. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, PUC-RJ, Rio de Janeiro, 1999.
TEIXEIRA, M. P. Negros na universidade: Identidade e trajetórias de ascensão social no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.
VIANA, M. B. As práticas socializadoras familiares como locus de constituição de disposições facilitadoras de longevidade escolar em meios populares. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 90, p. 107-125, jan./abr. 2005.
VIANA, M. B. Longevidade escolar em famílias de camadas populares: algumas condições de possibilidade. 1998. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.
ZAGO, N. Processos de escolarização nos meios populares. In: ROMANELLI, Geraldo; NOGUEIRA, Maria Alice; ZAGO Nadir (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares. Petrópolis: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

2016-07-23