El oro o la vida: la cultura anfibia como resistencia a la Locomotora Minera en Caucasia (Colombia)

Autores

  • Paola Carolina Tabares San Martín Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

DOI:

https://doi.org/10.24305/cadecs.v4i1.14744

Resumo

Este artículo tiene como objetivo mostrar que la permanencia de las formas de vida de la cultura anfibia, se han convertido a su vez en una forma de resistir al modelo extractivista de las empresas que realizan extracción de oro de aluvión en Caucasia (Colombia). Paralelamente, evidenciar los conflictos por la tierra y el agua; además de esto, este estudio busca entender como las comunidades anfibias se han pensado social y políticamente por medio de los comités y organizaciones, para enfrentar las problemáticas que trae el ideal de desarrollo extractivista que propone e impone el gobierno estatal por medio de la Locomotora Minero-Energética que termina por afectar las formas de vida de dichas comunidades. Este estudio buscó en fuentes de información primaria y secundaria, además de la realización del trabajo de campo participativo en el área rural y urbana del municipio de Caucasia, apoyándose en entrevistas tanto individuales como en grupos, entre personas pertenecientes a las comunidades anfibias como a la población civil en general.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Vania Carvalho de. O tempo integral na educação infantil: uma análise de suas concepções e práticas. In: ARAÚJO, V. C. de (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. Vitória/ES: Edufes, 2015.

ARAÚJO, Vania Carvalho de. A criança socialmente desvalida: entre o trabalho e a ameaça da lei. In: FARIA FILHO, L. M. de.; ARAÚJO, V. C. de (Org.). História da educação e da assistência à infância no Brasil. Vitória: Edufes, 2011.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Ed. extra. Brasília, 26 jun. 2014. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº

, de 17 e dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, 18 dez. 2009.

CAMPOS, Maria Malta. Educação e políticas de combate à pobreza. Revista Brasileira de Educação, n. 24, Rio de Janeiro set. / dez. 2003.

CASTEL, Robert. As armadilhas da exclusão. In: CASTEL, R.; WANDERLEY, L. E. W.; BELFIORE-WANDERLEY, M. (Orgs.). Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 2000.

FREITAS, Mônica S. de. Sobre a ética em Homero. 2007. ...f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

GONDRA, José Gonçalves. Higienização da infância no Brasil. In: GONDRA, José Gonçalves (Org.). História, infância e escolarização. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002.

HARDMAN, Francisco F. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

KISHIMOTO, Tizuko M. A pré-escola em São Paulo (Das origens a 1940). 1986. 348 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica.

Porto Alegre: Mediação, 1998.

QVORTRUP, Jens. A dialética entre a proteção e a participação. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 1, p. 11-30, jan. / abr. 2015.

RIZZINI, I.; PILOTTI, F. (Org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

FERREIRA, M. e SARMENTO, M. J. – Subjectividade e bem-estar das crianças: (in) visibilidade e voz. Revista Eletrônica de Educação São Carlos, SP: UFSCar, v.2,

no. 2, p. 60-91, nov. 2008. Disponível em http://www.reveduc.ufscar.br.

SPOSATI, Aldaíza. Vida urbana e gestão da pobreza. São Paulo: Cortez, 1988.

SPOSATI, Aldaíza. Assistência social: de ação individual a direito social. Revista Brasileira de Direito Constitucional, São Paulo, n. 10, p. 435-458, jul./dez. 2007. STEIN, Stanley J. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil – 1850/1950.Rio de Janeiro: Campus, 1979.

TELLES, Vera. Direitos sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

Downloads

Publicado

2016-12-15