A negação dos papéis civilizatórios do Estado e da Seguridade Social: o caso brasileiro no contexto de reformas do Governo Temer

Autores

  • Elizabeth Cardoso de Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

DOI:

https://doi.org/10.24305/cadecs.v5i2.2017.19435

Resumo

O presente ensaio propõe discutir, tomando a experiência brasileira ante a conjuntura recente de reformas apresentadas pelo Governo Temer, a negação dos papéis civilizatórios do Estado e da Seguridade Social e, em consequência, a redefinição das funções e do lugar do Estado e da política social, que tais reformas impõem. Para isso, serão abordados: i) o papel do Estado capitalista e da proteção social, ii) o lugar e as funções que ocuparam e desempenharam historicamente no capitalismo em oposição ao processo atual e iii) os impactos gerados na Seguridade Social brasileira, diante das reformas propostas. Estas, em última instância, negam os papéis civilizatórios que, historicamente, o Estado e a proteção social exerceram no capitalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, E.B.C; FERREIRA, A.T.B.F. & MORAIS, A.G. As práticas cotidianas de alfabetização: o que fazem as professoras? Anais da 28ª. Reunião Anual da ANPED. Disponível em www.anped.org.br/28/textos/gt10/gt101128int.rtf, maio de 2006.

FERREIRO, E. A escrita antes das letras. In SINCLAIR, H (org.) Produção de notações na criança. São Paulo: Cortez, 1989.

FERREIRO, E. Escrita e oralidade: unidades, níveis de análise e consciência metalinguística. In FERREIRO, E. (org.). Relações de (in)dependência entre oralidade e escrita. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FERREIRO, E. & TEBEROSKY, A. Los sistemas de escritura en el desarrollo del nino. México: Siglo XXI, 1979.

FREITAS, G. C. M. Consciência fonológica e aquisição da escrita: um estudo longitudinal. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 2004 .

Downloads

Publicado

2018-04-03