O Kant de Nietzsche: matemática, representação e natureza em Humano, demasiado humano

Autores

  • Ricardo Bazilio Dalla Vecchia Universidade Federal de Goiás
  • Arthur Brito Neves Universidade Federal de Goiás

Resumo

Nosso objetivo é discutir o vínculo entre matemática, natureza e representação estabelecido por Nietzsche no aforismo 19 de Humano, demasiado humano, a propósito da inusitada concordância com a citação direta do parágrafo 36 dos Prolegômenos para toda metafísica futura que possa chamar-se de ciência, de Kant. Nossa hipótese de leitura é de que a recepção de Kant e da matemática em HH seguem uma estratégia de adesão parcial que se beneficia do potencial crítico, mas sem assumir o seu resíduo metafísico, o argumento transcendental ou o conceito de identidade. Para Nietzsche é falsa a pressuposição epistêmico-ontológica de que existem coisas iguais, fundamento metafísico da lei dos números, ou que os números descrevem objetivamente a natureza. A exemplo de Kant, ele também entende que a natureza não é em si constituída por propriedades numéricas e lógicas. Nossos conceitos lógico-matemáticos, bem como os ilógicos sentimentos de prazer e desprazer, são invenções e criações humanas projetadas para a explicação da natureza, melhor dizendo, de uma natureza, nomeadamente, a humana (demasiada humana).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Brito Neves, Universidade Federal de Goiás

Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal de Goiás.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Edição

Seção

Artigos