Eleições em São Paulo do século XIX: uma pletora de leis, votantes e votos em disputa

Autores

  • Rodrigo Marzano Munari Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.46812/e-2020310109

Palavras-chave:

Eleições, São Paulo, Cidadania

Resumo

Este artigo procurará abordar, no contexto da província de São Paulo da segunda metade do Oitocentos, alguns aspectos do problema das eleições no Brasil Império, distanciando-se da perspectiva do “falseamento institucional”. De um lado, as leis eleitorais e sucessivos regulamentos do governo imperial eram mobilizados e disputados pelos agentes partidários das localidades, que buscavam controlar os postos-chave nas juntas e mesas que organizavam e realizavam os pleitos. De outro, os votantes e seus votos, cujos significados eram muito distintos dos atuais, eram ativamente disputados por aqueles mesmos agentes, ao mesmo tempo que podiam ser participantes ativos dessas disputas, desde que canalizassem seus anseios e buscassem negociar sua participação no interior das redes que constituíam as forças eleitorais em cada localidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (APESP), Ofícios diversos.

BASTOS, A. C. Tavares. A Província: estudo sobre a descentralização no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1975.

JAVARI, Barão de. Organizações e Programas Ministeriais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1962.

SOUZA, Francisco Belisário Soares de. O sistema eleitoral no Império. Com apêndice contendo a legislação eleitoral no período 1821-1889. Brasília: Senado Federal, 1979.

Obras Gerais

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

___________. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de Sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

DIAS, Maria Odila L. da Silva. Sociabilidades sem História: Votantes Pobres no Império, 1824-1881. In: FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998.

DOLHNIKOFF, Miriam. Império e governo representativo: uma releitura. Caderno CRH, Salvador, v. 21, n. 52, p. 13-23, 2008.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2001.

FRANCO, Maria S. de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

GUERRA, François-Xavier. El soberano y su reino. Reflexiones sobre la génesis del ciudadano en América Latina. In: SABATO, Hilda (Coord.). Ciudadanía política y formación de las naciones. Perspectivas históricas de América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 1999, p. 33-61.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Do Império à República. História Geral da Civilização Brasileira. Tomo II: O Brasil monárquico, v. 7. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MANIN, Bernard. The principles of representative government. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

MATTOS, Ilmar R. de. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: Hucitec, 2004.

MOTTA, Kátia Sausen da. Eleições no Brasil do Oitocentos: entre a inclusão e a exclusão da patuleia na cidadela política (1822-1881). Tese (Doutorado em História Social). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2018.

__________. Pelo voto do cidadão: estratégias eleitorais na Província do Espírito Santo. In: CAMPOS, Adriana P.; RIBEIRO, Geisa L.; SIQUEIRA, Karulliny S.; MOTTA, Kátia S. da (Org.). Entre as províncias e a nação: os diversos significados da política no Brasil do Oitocentos. Vitória: Editora Milfontes, 2019, p. 163-180.

MUNARI, Rodrigo Marzano. Deputados e delegados do poder monárquico: eleições e dinâmica política na província de São Paulo (1840-1850). São Paulo: Intermeios, 2019.

PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução política do Brasil: e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

RICCI, Paolo; ZULINI, Jaqueline P. Nem só à base do cacete, nem apenas com presentes: sobre como se garantiam votos na Primeira República. In: VISCARDI, Cláudia M. R.; ALENCAR, José A. de (Org.). A República revisitada: construção e consolidação do projeto republicano brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2016.

RICCI, Paolo. Political representation as collective representation. Considerations based on the Brazilian case. Representation, v. 55, n. 3, p. 265-283, 2019.

ROSAS, Suzana C. Cidadania, trabalho, voto e antilusitanismo no Recife na década de 1860: os meetings no bairro popular de São José. In: RIBEIRO, Gladys Sabina; FERREIRA, Tânia M. T. Bessone da Cruz (Org.). Linguagens e práticas da cidadania no século XIX. São Paulo: Alameda, 2010.

SABATO, Hilda. Povo & política: a construção de uma república. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011.

TERNAVASIO, Marcela. La revolución del voto: política y elecciones en Buenos Aires, 1810-1852. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2015.

Downloads

Publicado

— Atualizado em 2020-06-15

Como Citar

MARZANO MUNARI, R. Eleições em São Paulo do século XIX: uma pletora de leis, votantes e votos em disputa. Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 1, p. e-2020310109, 2020. DOI: 10.46812/e-2020310109. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/29010. Acesso em: 15 ago. 2020.

Edição

Seção

Imprensa, partidos e eleições no Oitocentos