Os movimentos sociais e a questão ambiental na perspectiva de Enrique Dussel

Autores

  • César Augusto Costa Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Católica de Pelotas/UCPEL.
  • Carlos Frederico Loureiro Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ.

DOI:

https://doi.org/10.18315/argumentum.v8i1.11877

Resumo

O propósito deste artigo é discorrer sobre a relevância dos movimentos sociais e da questão ambiental na perspectiva do filósofo argentino Enrique Dussel, que possui inegável contribuição ao pensamento crítico e às lutas sociais na América Latina (AL). Dussel parte do “princípio material da política”, ou seja, da ação política que se define nas relações sociais capitalistas de exploração e alienação (estranhamento) do ser humano e da natureza. Temos clareza que Dussel, não sendo um ambientalista, postula um referencial teórico que parte de situações concretas e da indissociação sociedade-natureza, apontando como os sujeitos expropriados (vítimas) deste sistema-mundo moderno colonial e condicionados pelo padrão de acumulação na AL estão envolvidos com as lutas anticapitalistas tendo como horizonte a libertação de um modelo eurocêntrico e excludente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Augusto Costa, Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Católica de Pelotas/UCPEL.

Sociólogo. Doutor em Educação Ambiental/FURG. Docente no Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Católica de Pelotas/UCPEL. Pesquisador do Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS-UFRJ).

Carlos Frederico Loureiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ.

Doutor em Serviço Social/UFRJ. Professor Associado da Universidade Federal do Rio e Janeiro/UFRJ. Coordenador do Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS/UFRJ). 

Downloads

Publicado

2016-05-08

Como Citar

Costa, C. A., & Loureiro, C. F. (2016). Os movimentos sociais e a questão ambiental na perspectiva de Enrique Dussel. Argumentum, 8(1), 140–157. https://doi.org/10.18315/argumentum.v8i1.11877